Armada Argentina recebe o último navio patrulha da Classe Gowind

0
931

Por Santiago Rivas (*)

No dia de ontem, 13 de abril, no porto de Concarneau, na França, foi entregue à Armada Argentina a quarta e última Patrulha Oceânica (OPV) da classe Gowind, o ARA Contraalmirante Cordero (P54), para ampliar as capacidades de vigilância, controle e defesa dos recursos marítimos nacionais, entre outras missões. A embarcação se juntará, em breve, aos outros três OPVs já da, culminando assim com a entrega contratada em 2018 entre o governo argentino e o Naval Group.

O navio foi batizado com esse nome em homenagem ao contra-almirante Bartolomé Leónidas Cordero, nascido em Buenos Aires em 24 de agosto de 1830, e que serviu nas forças navais argentinas por mais de cinco décadas, até sua morte em 5 de setembro de 1892.

O ARA Rear Admiral Cordero é o último dos OPV adquiridos da França e construído pela empresa Naval Group. Em fevereiro de 2020, foi recebido o ARA Bouchard; em junho de 2021 o ARA Piedrabuena chegou à Base Naval de Mar del Plata; e em dezembro chegou ao país o ARA Almirante Storni. Essas aquisições ocorrem no âmbito do “Projeto de Recuperação de Capacidade para Patrulhamento Naval Marítimo” realizado pela Armada Argentina.

Entre suas características técnicas, destacam-se um sistema de motorização otimizado, um sistema de estabilização ativa e um propulsor de proa. Também é “comprovado no gelo”, ou seja, está adaptado à navegação nas águas frias da Antártida.

A previsão é que no início de maio o navio parta do porto francês para a Argentina para integrar a Divisão de Patrulhamento Marítimo, dependente da Área Naval Atlântica, sediada na Base Naval de Mar del Plata. Durante a transferência, continuará a instrução e treinamento de sua tripulação, a fim de consolidar o conhecimento e uso da unidade.

As especificações técnicas

  • Deslocamento:650 toneladas;
  • Dimensões: Comprimento 87 metros; Boca 13,6 metros; Calado máximo 4,2 metros;
  • Propulsão: Dois motores diesel, duas linhas de eixo Schottel com hélice de passo controlável e sistema de controle Noristar, dois geradores principais, dois geradores de cauda e um gerador de emergência, duas aletas estabilizadoras não retráteis;
  • Velocidade máxima: 21 nós;
  • Alcance:000 milhas (12.964 quilômetros), a 12 nós;
  • Tripulação: 40 tripulantes (capacidade adicional para embarcar 19 pessoas);
  • Armamento: O armamento principal é uma montagem simples Leonardo Marlin WS com canhão automático Mauser Mk 30-2, calibre 30 mm, com cadência de 100 tiros por minuto e alcance máximo de até 6 km. -sensores ópticos para operar em qualquer condição climática, dia e noite. Além disso, eles possuem duas montagens Reutech Sea Rogue, cada uma com uma metralhadora Browning M2 de 12,7 mm operada remotamente;
  • Barcos a bordo: Dois semi-rígidos Zodiac Hurricane ZH-935 IO, de 9,39 metros de comprimento, a serem lançados e recebidos rapidamente por uma rampa de popa (sistema de rampa). Além disso, possui um barco de resgate semi-rígido a bordo.

Possuem hangar adequado para operar com helicópteros de até 5 toneladas (tipo Fennec) e cabine de pilotagem para operar com helicópteros de até 10 toneladas (tipo Sea King) e podem operar com sistemas aéreos não tripulados. Para este último, a Armada Argentina incorporará inicialmente uma cópia do RUAS Asteri desenvolvido pelas empresas Cicaré, INVAP e Marinelli.

De um lado do convés de voo eles têm um guindaste Guerra M350.24A4 com capacidade de 6.400 kg quando estendido a 4,7 metros e 2.075 quilos em sua extensão máxima a 11,9 metros.

Sensores

  • Radar de Vigilância Scanter 6002 para alvos aéreos e de superfície;
  • Dois radares de navegação;
  • Ponte integrada Wärtsila Nacos Platinum;
  • Sensor optrônico Safran Vigy Observer. Plataforma giro-estabilizada versátil, equipada com uma carga útil modular que inclui: imageador infravermelho, câmera de televisão colorida, telêmetro a laser e recursos de rastreamento automático de vídeo, proporcionando capacidade de visão em qualquer clima (dia, noite, neblina, etc.) .). Este sistema de alta resolução também pode ser escravizado para rastreamento de alvos de radar para fins de rastreamento;
  • Sistema IFF (Identificação Amigo-Inimigo);
  • Sistema de Transmissão e Vigilância Automática Dependente ADS-B (Vigilância Automática Dependente – Broadcast);
  • Sistema Diferencial de Posicionamento Global (DGPS);
  • Sistema de Navegação Inercial (INS);
  • Equipamento Automático de Identificação de Navios (AIS);
  • Transceptor NIDL HF/UHF.

(*) Santiago Rivas é jornalista e fotógrafo argentino, especializado em defesa, editor da revista Pucará Defensa e colaborador de Tecnologia & Defesa na Argentina

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here