Adiada a modernização dos T-27 Tucano da Argentina

0
2110

Por Redação de Zona Militar (*)

O Chefe do Estado-Maior da Força Aérea Argentina (FAA), brigadeiro Xavier Julián Isaac, confirmou em entrevista recente à Zona Militar que o projeto de modernização do sistema de armas EMB-312 Tucano da Embraer, que havia sido planejada para iniciar este ano, foi adiado para 2021.

Questionados sobre o futuro dos turboélices brasileiros que atualmente são fornecidos pela III Brigada Aérea, respondeu que “atualmente não está em nossos planos substituir o Tucano. Pelo contrário, está previsto iniciar a modernização a partir do próximo ano. Estávamos pensando em começar este ano, mas os preços que passaram não eram os melhores, portanto, foi solicitada uma melhoria. No ano que vem vamos retomar o projeto”.

Embora não tenham sido fornecidos maiores detalhes sobre o alcance da modernização, espera-se que o projeto local siga as diretrizes dos trabalhos realizados nos Tucano da Força Aérea Colombiana (FAC) e do projeto previsto para a Força Aérea Brasileira (FAB).

Vale lembrar que para fazer frente à atualização de seus T-27, a FAC centralizou o projeto na Corporación de la Industria Aeronáutica Colombiana S.A. (CIAC), empresa que precisou ser previamente certificada pela Embraer para executar a modernização. No total, o CIAC modernizou, entre 2014 e junho de 2020, quatorze aeronaves, trazendo-os para o novo padrão AT-27M. As obras incluíram troca do trem de pouso, revisão dos sistemas de combustível e hidráulico, modernização da aviônica (fornecida pela Collins Aerospace) e vidro do cockpit (Cobham).

Por sua vez, a FAB havia estabelecido em 2018 seu próprio projeto de modernização da aviônica de seus T-27. O chamado Projeto T-27M teve como objetivo solucionar as deficiências causadas pela obsolescência e problemas logísticos que afetaram a disponibilidade da frota de cerca de 60 aeronaves, planejando uma atualização dos painéis de instrumentos de acordo com o padrão glass-gockpit. Isso incluiu a substituição de alguns componentes e a instalação de um EFIS, composto por três telas LCD de alta resolução, compatível com a tecnologia Synthetic Vision. Apesar de não ter havido grandes novidades a este respeito (exceto para um novo processo licitatório), em 2019, a Diretriz de Planejamento Institucional (DIPLAN) estabeleceu que deveriam “Coordenar as ações necessárias para o equacionamento das obsolescências do T-27, de modo a garantir sua operação até, pelo menos, 2030”.

Considerando o novo papel do EMB-312 Tucanos da FAA, é provável que a modernização avance em direção semelhante à adotada pela FAC e, se também será confirmada, em uma atualização e um walk-through estrutural, podendo até considerar uma modernização que inclua outros projetos em desenvolvimento, como o pod FixView POA, o que permitiria maiores capacidades de detecção e observação. Paralelamente, a FAA tem mantido esforços para garantir a operabilidade do sistema de armas com licitações previstas nos planos anuais, com as últimas contratações para atendimento à reforma de componentes críticos, como manutenção do sistema de ejeção, e aquisição de sistema de fragilização em domo.

Tucano pertencente a III Brigada Aérea com o pod FixView POA (Foto: Facundo Rovira)

No que diz respeito à capacidade de desenvolvimento local, o Brigadeiro Isaac observou como prioridade para o Tucano a homologação do novo pod subalar de 12,7 mm que é desenvolvido em conjunto pela Dirección General de Material y el Departamento Ingeniería del Área Material Río IV.

Até agora, o pod EX-TRD 01 atingiu o estágio de protótipo, enquanto os testes do calibre 7,62 mm passaram na base de certificação. A próxima etapa envolverá a adoção da configuração final para 12,7 mm.

Pod EX-TRD 01 (Foto Facundo Rovira)

A chegada do novo avião de treinamento Beechcraft T-6C + Texan II marcou o fim da carreira do EMB-312 Tucano na Escola de Aviação Militar, onde prestou serviço valioso e ininterrupto por anos. Porém, isso não significou o fim da aeronave na FAA, mas a partir de fevereiro de 2018 eles começaram uma segunda vida ao passarem a fazer parte do II Esquadrão Operacional, dependente da III Brigada Aérea Reconquista.

 

Nota de T&D: Um dos principais motivos alegados para o atraso do projeto de modernização dos Tucanos foi que o valor cobrado pela Embraer ser considerado alto e estão aguardando uma oferta com um custo mais baixo.

 

(*) Zona Militar é uma publicação argentina de defesa, segurança e geopolítica, criada em 2015, e parceira de Tecnologia & Defesa no intercâmbio de informações, para manter os leitores atualizados das notícias importantes que ocorrem entre os dois países.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here