A despedida dos AMX italianos

Após 35 anos de bons serviços prestados, a Aeronautica Militare Italiana (AMI) se despede dos seus míticos AMX.

No dia de hoje, 05 de abril, no aeroporto militar de Istrana, sede da na 51ª Ala de Caça da  AMI, ocorreu a cerimônia de retiradas de serviço operacional da aeronave de ataque tático ítalo-brasileira AMX.

A cerimônia foi presidida pelo chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, general da aeronáutica Luca Goretti, e contou com a presença dos comandantes das Forças Armadas e de diversas  autoridades, incluindo o ministro da Justiça, Carlo Nordi , o presidente da Província de Treviso, Stefano Marcon, o prefeito de Treviso, Angelo Sidoti, e a Prefeita de Istrana, Maria Grazia Gasperini. O evento contou ainda com a presença de uma grande representação de efetivos que, em diversas funções, ao longo dos anos, tiveram a oportunidade de operar o AMX, uma das aeronaves que tem caracterizado a história recente da Força Aérea e do jato aerotático aeronaves majoritariamente utilizadas pelas Forças Armadas em missões fora das fronteiras italianas.

Nascido da colaboração entre as indústrias aeronáuticas italiana e brasileira, o primeiro AMX foi atribuído à Aeronáutica em 1989, para o 103º Grupo de Voo da 51ª Ala de Istrana e, posteriormente, entrou na linha também para a 2ª Ala de Rivolto, à 3ª Ala de Villafranca e à 32ª Ala de Amendola, para substituir progressivamente os antigos G.91R e F-104.

O coronel Emanuele Chiadroni, comandante da 51ª Ala de Caça, destacou a importância do serviço prestado pela aeronave na sua atividade: “O AMX após 35 anos de vida operacional com as insígnias da 2ª, 3ª, 32ª e 51ª Asa e agradece ao indispensável apoio do 3º Departamento de Manutenção de Aeronaves e Armamentos, fecha uma página importante de uma maravilhosa aventura italiana.  Com a dupla função que desempenho – acrescentou – tanto como Comandante da última Ala a fornecer esta aeronave, como piloto operacional durante muitos anos no AMX, sinto-me na obrigação de agradecer profundamente a todos vocês, participantes do rali que com auto -sacrifício, com profissionalismo e dedicação você estudou, ajustou, preparou, pilotou, admirou e defendeu de forma lúdica e da qual todos nós sempre esperamos tanto”. 

Em 35 anos de serviço, com mais de 240 mil horas de voo, das quais 18.500 em operações reais, o AMX cruzou os céus de 33 nações, operando em oito teatros operacionais diferentes e em numerosos exercícios internacionais, desde os climas gelados da Noruega e do Canadá até a areia do Kuwait. Pelas suas características de caça leve e extremamente versátil (também graças às diversas atualizações que ao longo dos anos implementaram as suas capacidades operacionais em termos de equipamentos aviônicos, sensores, armamento de precisão e autonomia) o AMX era um trunfo capaz de realizar um vasto leque de missões ao serviço do país e da OTAN, desde as de interdição e ataque ao solo, passando pelas de escolta e apoio a contingentes no terreno, até às de reconhecimento no contexto do ISR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento) .

Em meados da década de 90 a aeronave, também conhecida pelo apelido de “Ghibli“, estreou em operações reais nos céus da ex-Iugoslávia, e novamente em 1999 no Kosovo; de 2009 a 2014 participou na missão da OTAN no Afeganistão (ISAF), um dos teatros operacionais onde mais esteve empregado, depois na Líbia em 2011 e, finalmente, no Iraque e Kuwait , de 2016 a 2019, onde completou o seu último compromisso no estrangeiro em a Operação “Inherent Resolve”, combatendo o Estado Islâmico e que ainda está em curso. Também é importante o contributo no domínio nacional, onde foi utilizado entre outras coisas em preciosas missões de reconhecimento fotográfico no âmbito do apoio prestado pela Defesa às populações afetadas por graves catástrofes, como por exemplo os terremotos, na Emília Romagna e no centro de Itália, pelas cheias na Sardenha, ou também para apoiar o plano de ação de combate aos incêndios na Terra dos Fogos na Campânia.

“Hoje nos despedimos de uma aeronave que fez a história da Aeronáutica”, disse o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, general de esquadrão Aéreo Luca Goretti . “Para nós, um avião não é um simples pedaço de ferro, é parte da família. Atrás deste plano existe um mundo submerso de alegrias e tristezas, de emoções, de pessoas que o geriram, o mantiveram, o fizeram voar – e os nossos pensamentos vão para aqueles que já não estão conosco – permitindo-nos alcançar resultados e manter padrões operacionais extraordinários”.

O General Goretti concluiu: “Hoje com um pouco de melancolia viramos uma página enquanto mantemos outras abertas. O futuro já está aqui, com as linhas Eurofighter e F-35 que são hoje a espinha dorsal da componente aerotática das Forças Armadas, com as aeronaves de sexta geração que já pensamos concretamente e com novos desafios e novos domínios, como o espacial, que cada vez mais fazem parte do nosso dia a dia e do nosso ambiente operacional”.

O AMX é uma das aeronaves que acompanhou a transformação da Força Aérea, processo que desde 2020 viu, entre outras coisas, a base de Istrana voltar a ser uma das bases nacionais de defesa aérea e para onde o pessoal pôde se transferir para gradualmente todo o know-how e experiência adquiridos ao longo dos anos na linha Eurofighter.

Quatro aeronaves ainda operacionais, dois monoplaces e dois bilplaces, concluirão a sua atividade nas próximas semanas com aterragem no aeroporto de Piacenza, local identificado para a futura construção do Museu Voador da Força Aérea, para permitir a todos os entusiastas do mundo aeronáutico e historiadores do setor admirar o AMX no futuro e relembrarem seu serviço ao país.

O evento começou com a descolagem de uma formação de AMX que, após uma missão de treino, se reuniu em voo com um Tornado, um Eurofighter e um F-35, reunindo idealmente todas as gerações de aeronaves aerotáticas atualmente em linha no As forças armadas.

O evento também foi selado pela presença da Seleção Nacional Acrobática, presente na base de Treviso para um dos últimos treinos fora da sede permanente de Rivolto, em Friuli, antes do início da temporada acrobática de 2024. Um ano importante, que verá os protagonistas do Frecce Tricolori não só na Itália, mas também com uma turnê pela América do Norte, eles voltarão a se apresentar mais de 30 anos depois da última vez.

 

Autor: T. Col. Stefano Testa / AMI
Fotos: AMI

 

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Na tarde de sábado, dia 18 de maio, a aeronave KC-390 Millennium FAB 2858 realizou lançamento de donativos e materiais...

O Comando Militar do Nordeste (CMNE), nesta quinta-feira, dia 16 de maio, enviou um Hospital de Campanha (H Cmp) para...

Empresa do Grupo Embraer participa de debate sobre soluções tecnológicas que estão moldando o futuro dos grandes centros urbanos As...

Hoje, dia 16 de maio, às 18:00hs, será lançado o livro “Segurança Escolar – Prevenção multidisciplinar escolar contra-ataques ativos”, de...

Comentários

4 respostas

  1. Estava graduando em engenharia nos anos 80 qdo fiz um pedido a EMBRAER de folders sobre diversos produtos do portifólio deles, entre os enviados , diga-se de passagem graciosamente, estava o protótipo do AMX…desde então tornei-me um admirador deste vetor e, SIC, por serem o Brasil e Itália os únicos operadores deste caça-bombardeiro, fica nostalgia e admiração pelo, como dito na época, “Tornado de bolso”…que sua desativação e substituição seja executada com sucesso…FA a T&D

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DISPONÍVEL