Operação Formosa 2019 – Uma tenente no combate anfíbio!

1
2873
A cerca de 80 quilômetros de Brasília, 1,9 mil fuzileiros navais vivem, durante dez dias, situações reais de conflito. Nomeada de Operação Formosa, a atividade prepara os militares para condições de pronto emprego em um terreno de mais 60 de quilômetros de extensão. Considerado o maior exercício realizado pela Marinha no Planalto Central, a ação dos militares envolvidos ocorre de 8 a 18 de julho, no Campo de Instrução de Formosa, em Goiás.

A cerca de 80 quilômetros de Brasília, 1,9 mil fuzileiros navais (Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil) viveram, durante dez dias, situações reais de conflito.

Nomeada Operação Formosa, a atividade prepara os militares para condições de pronto emprego em um terreno de mais 60 de quilômetros de extensão.

Considerado o maior exercício realizado pela Marinha no Planalto Central, a ação dos militares envolvidos ocorre de 8 a 18 de julho, no Campo de Instrução de Formosa (cedido pelo Exército Brasileiro), em Goiás.

O período de montagem até a desmontagem de todo aparato dura, em média, três meses.

A operação, que ocorre uma vez por ano, é dividida em três partes.

Na primeira, os fuzileiros recebem orientações táticas.

Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).
Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).
Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).

Já na segunda, iniciam a fase prática quando vão a campo realizar atividades como descontaminação de agentes nucleares, biológicos, químicos e radiológicos, efetuar procedimentos no Hospital de Campanha e desativar artefatos explosivos, por exemplo.

Eles também simulam manobra tática com carros blindados e sistemas de armas.

Por último, simulam o que chamam de cabeça de praia, como se a tropa tivesse desembarcado dos navios transportes para ocupar o território inimigo e assegurar possíveis acessos ou avanços.

Durante o exercício, pela primeira vez uma mulher comandou um pelotão de infantaria.

À frente de um grupo de cerca de 50 militares, a Tenente Liana de Magalhães avaliou a experiência como gratificante. “Estou vibrando bastante. Realmente era isso que eu queria e a Marinha me deu esse espaço”, disse. Ela ingressou no Corpo de Fuzileiros Navais há 18 anos como musicista. Depois passou para o quadro de oficiais e, recentemente, fez o curso de Aperfeiçoamento em guerra anfíbia.

Com entusiasmo semelhante ao de Liana, o Tenente Gabriel da Rocha vê a operação como oportunidade enriquecedora para a vida pessoal e militar.

Desde 2010 na Marinha, durante o exércício ele vive a difícil experiência de chefiar um pelotão de blindados.

Em Formosa, o Segundo Tenente é comandante dos Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf). “É um desafio, mas essa é uma operação conjunta em que podemos realizar com todos os meios do corpo de fuzileiros navais para manter a melhor coordenação e maior controle. Isso contribui para o maior aprestamento da tropa”, diz o Tenente lotado no Batalhão de Viaturas Anfíbias, no Rio de Janeiro.

Além dos Carros Lagarta, no exercício são empregadas aeronaves, veículos blindados, mísseis superfície-ar (MSA), aeronaves remotamente pilotadas (ARP), obuseiros de artilharia e lançadores múltiplos de foguetes ASTROS.

Todos os armamentos e sistemas de armas utilizam munição real.

“É uma operação extremamente complexa. O emprego de todos esses meios faz a diferenciação desse exercício, há toda uma estrutura”, ressalta o chefe do Estado Maior da Armada, Almirante de Esquadra Celso Luis Nazareth.

Novidade

Na edição deste ano da Operação Formosa, foi utilizado pela primeira vez o recém-adquirido Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).

A entrega do sistema está prevista para novembro deste ano e o emprego durante o exercício foi como teste.

Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).
Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).
Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).
Sistema Integrado de Comando e Controle do Corpo de Fuzileiros Navais (SIC2CFN).

O equipamento facilita o gerenciamento das ações no campo de batalha, possibilita a obtenção de dados, viabiliza a comunicação entre os elementos de combate e realiza ações de guerra eletrônica contra forças adversas. “Por ser eletrônico é importante para termos a informação em tempo real, utilizando, inclusive, imagens de satélites onde temos os acompanhamento das nossas tropas”, destaca o Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Leonardo Puntel.

Autoridades em Formosa.

A demonstração foi coordenada pela Força de Fuzileiros de Esquadra (FFE), que é a responsável pela área operativa dos Fuzileiros Navais.
Com intuito é preparar seus militares para atuar em diferentes tipos de conflito, desde os de alta intensidade, tais como as guerras convencionais, até em operações de caráter humanitário e de paz, as atividades prosseguem até a quinta-feira, 18.
Patrulha em progressão…
Combate!
Ataque de elemento AF-1 Falcão com bombas de emprego geral.

 

Novo uniforme do CFN (protótipo em testes).
Por Júlia Campos (texto)
Fotos: Roberto Caiafa

1 Comentário

  1. Que porcaria este novo uniforme. Arrego. Branco da pra ver da lua. Nao entendo, ja que o atual se mistura perfeitamente à vegetação brasileira. Até os blindados mal da para ver. O verde claro e vivo muito melhor do que o escurão do EB. Trocar para quê?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here