O futuro do Leopard 1A5, M60 A3 TTS, Guarani, M-113, etc… (Exército)

8
14150
Documento que determina a formação de um Grupo Tarefa (GT) encarregado de realizar a “Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro” foi publicado em boletim (BE nº 26, de 28 de junho de 2019) apresentando um raciocínio bem “pé no chão”.

Formulação Conceitual dos

Meios Blindados do Exército Brasileiro

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019

Documento que determina a formação de um Grupo Tarefa (GT) encarregado de realizar a “Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro” foi publicado em boletim (BE nº 26, de 28 de junho de 2019) apresentando um raciocínio bem “pé no chão”.

A mística da Cavalaria nos Pampas Gaúchos! AÇO!

Após uma atenta leitura e consultas a fontes da Arma de Cavalaria (da ativa), destacamos os principais pontos do documento, como se segue.

Na parte que trata das “INFORMAÇÕES RELEVANTES PARA A CONFECÇÃO DO ESTUDO DE VIABILIDADE”, algumas considerações são a tradução da realidade, e ela não é favorável ás forças blindadas:

  1. Insuficiência de recursos para modernizar e completar a frota de blindados do Exército.
  2. Defasagem tecnológica de grande parte dos blindados do Exército, particularmente da proteção blindada, dos sistemas de armamento, aquisição de alvos, observação, direção tiro e Comando e Controle.
  3. Grande diversidade na Força Terrestre de tipos e famílias de blindados de diferentes origens, nacionais e estrangeiras.
  4. Necessidade de se buscar o equilíbrio entre a Estratégia da Dissuasão, representada pela prioridade a ser reservada às Forças de Emprego Estratégico, e a Estratégia da Presença, complementada por meio das demais Grandes Unidades do Exército.
  5. Dificuldade de adestrar os quadros no estado da arte.
Culatra do tubo de 155mm do M-109 A5 BR (Foto: Roberto Caiafa)

A parte que detalha as ações, por sistema/veículo, é bem específica e deixa CLARA a linha de ação a ser adotada, como se segue:

  1. ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS                                                                         Viaturas Blindadas de Combate

1) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate M60 A3TTS

Estudar a viabilidade da sua modernização parcial pela indústria nacional.

A modernização parcial visualizada abrangeria, principalmente, o sistema de controle de tiro (SCT), a troca para um giro elétrico da torre e o sistema de intercomunicação, além da inclusão do Gerenciador de Campo de Batalha, dentre outros.

Caso fique comprovada a inviabilidade de sua modernização, as VBC CC M60 A3TTS serão manutenidas com os meios e recursos disponíveis, até serem descartadas, podendo ser substituídas pela VBC CC Leopard 1 A5.

2) Viatura Blindada de Combate Carro de Combate Leopard 1 A5

O Exército Brasileiro tem na Família Leopard a “espinha dorsal” de suas forças blindadas. As suas duas Brigadas Blindadas [(5ª Brigada de Cavalaria Blindada – Ponta Grossa (PR) e 6ª Brigada de Infantaria Blindada – Santa Maria (RS)] têm suas Unidades equipadas com carros de combate, viaturas blindadas de defesa antiaérea, viaturas-socorro e de engenharia blindadas, todas dessa Família.
Realizar estudo preliminar sobre a possibilidade de modernização pela indústria nacional e estudo sobre a nacionalização de parte de seus componentes principais, para minimizar a dependência logística de empresas estrangeiras.

Os estudos deverão focar, principalmente, alguns de seus componentes optrônicos e o giro da torre.

Paralelamente, iniciar o planejamento da obtenção de um carro de combate médio nacional, seja por projeto original, seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro.

3) Viatura Blindada de Combate de Fuzileiros

Realizar estudo preliminar para a aquisição de uma VBC Fuz, visando à substituição da viatura blindada de transporte de pessoal VBTP M113 nos BIB e nos RCB.

4) Viatura Blindada de Combate Obuseiro Autopropulsado M109 (A3, A5 e A5+ BR)

O M109 foi selecionado pelo Exército Brasileiro em 2012 e a BAE Systems, em parceria com a Força Terrestre, realizou o upgrade para a versão A5+, com entrega prevista para 2019.

Estudar as restrições existentes, propor prioridades e medidas para a adoção progressiva de um sistema computadorizado de direção de tiro de fabricação nacional, para as unidades de artilharia blindada, bem como prosseguir nos projetos em andamento.

5) Viatura Blindada de Combate Antiaéreo Gepard

Prosseguir no projeto em andamento.

6) Viatura Blindada de Combate de Apoio de Fogo

Realizar estudo preliminar para a adoção de uma Viatura Blindada de Combate Apoio de Fogo para dotar os pelotões de apoio dos BI Mec, considerando o aproveitamento das plataformas existentes no Exército, ou a serem desenvolvidas em uma nova família de blindados.

7) Viatura Blindada de Combate Morteiro

Operador de morteiro pode ser treinado através de realidade virtual. (Foto: Roberto Caiafa)

Realizar estudo preliminar para padronizar em uma plataforma única os morteiros médios e pesados (com tiro embarcado).

Propor a adoção de uma viatura especializada (não blindada) para cada morteiro, para a utilização no adestramento.

  1. Viatura Blindada de Reconhecimento (denominação atual da futura Viatura Blindada de Combate Cavalaria).

1) Viatura Blindada de Reconhecimento EE-9 Cascavel

Viaturas Marruá, blindados Cascavel e Urutu. (Imagem: Roberto Caiafa)

Realizar estudo preliminar para a modernização do Cascavel de modo a ampliar sua capacidade operativa, bem como torná-la uma viatura eficaz para o adestramento e para o treinamento das guarnições.

Considerar: – um sistema de controle de tiro computadorizado com seus optrônicos e um eficiente sistema de intercomunicação da guarnição, acoplado a um sistema de comunicações táticas; – a manutenção do atual armamento (canhão de 90 mm) e melhoria da capacidade anticarro; – o emprego prioritário de recursos nos mecanismos e eletrônicos ligados ao tiro e à aquisição de alvos; e – a comparação (com custos estimados) entre investir em um novo sistema de motorização e suspensão e a revitalização desses sistemas existentes.

2) Adotar nova nomenclatura para a atual Viatura Blindada de Reconhecimento (VBR) de modo a adequá-la à sua missão principal nas operações de segurança: Viatura Blindada de Combate de Cavalaria – VBC Cav.

3) Realizar estudo preliminar para a aquisição de uma VBC Cav, para substituir parcialmente a VBR Cascavel, bem como propor linhas de ação para a sua distribuição inicial para as Bda C Mec e apresentar uma solução para os problemas logísticos decorrentes.

4) Iniciar o planejamento da obtenção de uma VBC Cav nacional, seja por projeto original seja por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro, aproveitando todos os estudos já realizados pelo Exército de uma nova família de blindados.

  1. Viatura Blindada – Leve sobre Rodas

1) Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas

  1. a) Propor ou manter a padronização de uma viatura de transporte não especializada (VTNE) adaptada, para a utilização no adestramento e/ou emprego dos pelotões de exploradores e dos pelotões de cavalaria mecanizada.
  2. b) Prosseguir na obtenção de uma Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas nacional por fabricação sob licença de um modelo estrangeiro, aproveitando todos os estudos já realizados pelo Exército e por empresas nacionais.

2) Viatura Blindada de Reconhecimento – Leve sobre Rodas

Estudar a possibilidade de integrar meios de inteligência, reconhecimento, vigilância e aquisição de alvos (IRVA) na Viatura Blindada de Reconhecimento – Leve sobre Rodas, transformando-a em uma Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas.

Considerando o prazo de recebimento das mesmas, sugerir linhas de ação para a sua distribuição inicial para os Pel Expl e Pel C Mec, de modo que possam ser reunidas nas situações de emprego de curto prazo.

  1. Viatura Blindada de Transporte de Pessoal

1) Viatura Blindada de Transporte de Pessoal M113

A BAE Systems entregou a 250º unidade modernizada do Veículo Blindado de Transporte de Pessoal M113 ao Exército Brasileiro. A atualização do M113B para a configuração M113 A2 MK1 mais recente inclui a reforma do casco e dos componentes, e a substituição ou atualização dos motores, transmissões e sistemas de resfriamento, conferindo um nível superior de desempenho geral, flexibilidade operacional e prontidão ao veículo.

Prosseguir nos estudos para a modernização das Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal M113 (inserindo a modernização de C2, blindagem adicional e sistema de armas).

Caso fique comprovada a inviabilidade da aquisição a curto prazo de uma VBC Fuz, incluir, no pacote de modernização das VBTP M113, equipamento de visão noturna passivo para o motorista e instalação de torreta automática em substituição à torreta manual, permitindo assim que os atiradores desse tipo de viatura se adestrem nas técnicas de tiro com um armamento estabilizado.

2) Viatura Blindada de Transporte de Pessoal EE-11 Urutu (EE-11 Urutu)

Os ENGESA EE-11 Urutu empregados no Haiti receberam uma série de modificações ditadas pela experiência operacional acumulada durante 13 anos de missões.

Estudar a revitalização, considerando uma distribuição futura para as OM de Eng Mec, Com Mec e logística, bem como a sua utilização como VBE PC e outras aplicações.

  1. Viaturas Blindadas Especiais

Estudar as necessidades de completamento das Viaturas Blindadas Especiais, a seguir listadas, ou de aquisição de similares, para operacionalizar as Bda Bld ou garantir um mínimo de MEM para o adestramento:

Viatura Blindada Especial Socorro Leopard (VBE Soc Leopard);

Viatura Blindada Especial Engenharia Leopard (VBE Eng Leopard);

Viatura Blindada Especial Lança Ponte Leopard (VBE L Pnt Leopard);

Viatura Blindada Especial Posto de Comando M577 (VBE PC M577).

O KMW Bergpanzer é uma viatura de socorro que pode prestar serviços de engenharia emergencialmente.
Atividade logística da VBTP M113 BR/VBE PC M577 (imagem: Cap Clébio/CI Bld).

Aqui entram as considerações, após troca de informações com militares que atuam nestes meios de emprego militar, e muitas são consenso com este articulista.

A primeira delas é que o Exército deverá adotar, na totalidade ou em pacotes, a modernização da Equitrom (o chamado CascaTurbo), a segunda é que o sistema TORC 30 deverá ser abandonado.

O Guarani não deverá ir além da versão VBTP-MR (e as versões engenharia que são, basicamente, equipamentos instaláveis na versão VBTP-MR).

Paulo Bastos no posto do artilheiro da torre REMAX (ARES Aeroespacial): uma revolução para o Exército Brasileiro.

A REMAX será integrada aos blindados M-113, aos moldes do que a Marinha do Brasil fez para as viaturas do Corpo de Fuzileiros Navais.

Como fica claro no documento, os M-60 A3 TTS serão usados até virar trator.

Quanto aos Leopard 1A 5BR, o consenso entre os debatedores apontou como imprescindíveis a instalação de uma unidade auxiliar de energia (APU) e de um sistema de ar condicionado; a substituição do periscópio do comandante do carro (do tipo TRP) por um sistema de câmeras, nos mesmos moldes do carro de combate TAM 2C do Exército Argentino (EA); a volta do diesel S-500 ao invés do S-10 como combustível destes carros.

Essa foi uma medida (a troca dos combustíveis) tomada pelo viés econômico, já que o combustível S-500 é o que podemos classificar de “diesel antigo”, ele tem 500 partes por milhão de enxofre (é mais poluente e caro), mas os motores dos Leopard 1A 5BR foram projetados na década de 1960 do século passado, quando esse era o padrão do diesel.

As instalações industriais da KMW do Brasil em Santa Maria prestam o suporte logístico a frota de carros de combate Leopard/Gepard.
A Certificação das guarnições corou o ano de instrução das frações de Leopard do Regimento.

Já o bio diesel ou S-10 tem 10 partes por milhão de enxofre, é mais correto do ponto de vista da sustentabilidade ecológica mas traz como óbice uma performance inferior e o efeito colateral de gerar maior acúmulo de água no sistema de alimentação de combustível dos motores dos Leopard, destruindo a bomba injetora de combustível ou diminuindo significativamente a sua vida útil.

8 Comentários

  1. Quando a espinha dorsal de uma nação, democrática, espirituosa, conceituada por suas magníficas riquezas e maravilhas se pauta numa mínima defesa da sua soberania, nada mais plausível que um up grade no que temos, dentro de um padrão de quinta geração. Há de se levar em conta, como e quem vai fazer! Creio que uma parceria internacional seria o melhor caminho, pois a diversidade é que constrói uma grande nação, assim como no caso supra citado. Quanto à dificuldade em treinamento, basta escolher pessoas certas. Quanto ao valor, que se invista em empresas nacionais com cooperação e no How a ser adquirido pelas parcerias. Valores em segurança não são gastos, mas investimentos. Desde que não tenha a coordenação de políticos e que tenha uma cláusula especifica: Ao desvio de R$1,00, pena inafiançável de 10 anos de cadeia, sem direito algum. Acho que estou sendo utópico demais, mas quem sabe chegaremos lá?!

  2. Os políticos brasileiros realmente não imaginam o país precisando de FAAs modernas e aparelhadas. Acham que nossas riquezas se defenderão por si sós.

  3. Acabar com a TORC-30 era esperado já que não há grana ou motivos que justifique termos 2 sistemas similares.
    O guarani não indo alem das viaturas especializadas que basicamente são a viatura básico com equipamentos especificos, significa o fim da versão 8×8 de reconhecimento com canhão de 105mm. A mudança de nomeclatura dos cascaveis retrata a realidade desse tipo de veiculo no mundo qie nunca ou quase nunca foi usado para reconhecimento anti-tanque e sim como apoio de fogo a infantária.

  4. Quero aqui agradecer á toda equipe extraordinária do Tecnodefesa. O trabalho de vocês é simplesmente excelente!

    Bom, tenho que confessar, li essa matéria com o coração apertado e por um momento, me veio aquela vontade de chorar – por que nossas forças armadas, nossos irmãos de farda, não merece estar passando por essa situação que mais se parece uma história inimaginável dramática. Eu realmente fico muito triste em ver o estado que estão mas ao mesmo tempo me alegro em saber que eles, são pessoas honradas, que respeita o povo brasileiro e acima de tudo, nossa nação. É incrível… mesmo com tão pouco, conseguem fazer maravilhas.

    Nossa nação foi saqueada e durante décadas, já nos roubaram 5 Dubais. É difícil de acreditar mas é verdade. Políticos nos roubando e tirando dinheiro daqueles que estão prontos 24 horas por dia para defender á nação do inimigo externo e interno. É lamentável que isso está ocorrendo e vemos certos ”representantes” do povo, mais preocupado com Lagosta do que com nossa Defesa. Rezo á Deus que nossas forças armadas saia de uma vez por todas dessa humilhação que vêm sofrendo e comece a crescer como de fato têm que acontecer.

    O BRASIL SÓ EXISTE POR QUE TEMOS FORÇAS ARMADAS!

  5. Com os cortes orçamentários sofridos pela defesa, (falo cortes porque contingenciamento não vai ser pois para o corrente ano de 2019, já perdemos o timming), é o que resta ao EB.

    Por outro lado a iniciativa de envolver mais empresas nacionais é um alento pois no futuro essas empresas poderão participar de um projeto inteiramente nacional ou em parceria internacional de um projeto já existente dos blindados que o EB visa adquirir.

    Se é o que dá para fazer no momento, que seja assim. Pelo menos a modernização desses meios alenta a nossa tropa blindada dando a ela um sopro de modernidade a espera de um futuro melhor.

Deixe uma resposta para Cláudio Ferreira Cancelar Resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here