KC-2 Turbo Trader da Marinha do Brasil fará seu 1º voo em março de 2020.

8
14191

O primeiro de quatro aviões bimotores remotorizados Grumman KC-2 Turbo Trader, selecionados para executarem missões de entrega a bordo de navio-aeródromo / reabastecimento ar-ar (COD / AAR) deverá realizar seu primeiro voo de teste em março de 2020.

A informação foi passada pelo almirante-de-esquadra Ilques Barbosa Junior na tradicional mensagem (vídeo) de fim de ano do comandante da Marinha do Brasil.

Quatro células do veterano C-1A Trader, oriundas dos estoques da Marinha dos EUA (US Navy) estão sendo modernizadas pelas empresas Marsh Aviation e Elbit Systems of America para a configuração COD/AAR do KC-2 Turbo Trader, um contrato firmado em 20 de outubro de 2011 e avaliado em US$ 110 milhões.

No final de 2017, a primeira turma de futuros pilotos de KC-2 recebendo treinamento nos EUA conseguiu destacar-se. O oficial aluno do Curso de Aperfeiçoamento de Aviação para Oficiais (T1/2013), capitão-tenente Ricson Raggio Mello, concluiu a etapa E2/C2 Pipeline, na  US Navy.

Na fase inicial, foi realizado o curso intermediário em aeronave multimotor King Air (T-44 Pégasus) na cidade de Corpus Christi (Texas), onde o oficial obteve conhecimentos sobre a aviação de transporte multimotor.

Na segunda fase, o capitão-tenente participou do curso avançado em aeronave a jato (T-45C Goshawk), na base de Kingsville (Texas), tendo como objetivo o conhecimento para executar o pouso em porta-aviões.

Próximo à costa de Key West (Flórida), e operando a bordo do USS George H. W. Bush (CVN 77), o capitão-tenente Raggio, após executar todos os pousos enganchados, obteve a maior média entre os alunos que buscavam a qualificação, conquistando assim o cobiçado prêmio Top Hook.

Piloto do VEC-1, durante curso na US Navy, conquista prêmio Top Hook de pouso em porta-aviões voando jato T-45C Goshawk. Na foto, o CT Raggio e um T-44.

No dia 15 de novembro de 2018, nas instalações da empresa Elbit Systems of America (ESA) em San Antonio (Texas), a Diretoria de Aeronáutica da Marinha realizou o primeiro acionamento dos motores de um dos quatro KC-2 Turbo Trader (o protótipo).

Na época acreditava-se que o primeiro voo ocorreria em setembro de 2019, com o início da campanha de ensaios e a sua entrega sendo efetivada no segundo semestre de 2021 (a data de entrega foi mantida).

1º Esquadrão de Transporte e Alarme Aéreo Antecipado (VEC-1)

A frota será operada da base aérea naval de São Pedro da Aldeia pelo 1º Esquadrão de Transporte e Alarme Aéreo Antecipado (VEC-1) em funções como reabastecimento em voo, lançamento aéreo de paraquedistas em altitudes de até 25.000 pés, infiltração de operadores de forças especiais, busca e salvamento, evacuação aeromédica, transporte de pessoal e carga, guerra eletrônica e reconhecimento, etc.

O reabastecimento em voo das aeronaves AF-1B/C e a operação em conjunto com o Porta-Helicópteros Multipropósito “Atlântico”, explorando a capacidade de comando e controle do navio com a utilização do radar 967 Artisan, permitirão ao KC-2 atuar como posto diretor tático no ar (PDTAR), realizar o guiamento de meio curso (alem do horizonte) de mísseis superfície-superfície e servir como elo de conexão aéreo/retransmissão de dados entre os novos submarinos de ataque S-BR e o alto comando da esquadra.

Isso comprova os planos da Marinha do Brasil de prover uma capacidade adequada de consciência situacional, a partir do ar, para um grupo tarefa de navios e submarinos operando tanto em águas marrons quanto azuis, contando com a proteção de aeronaves navais baseadas em terra do tipo AF-1 e KC-2.

O 1° Esquadrão de Aviões de Transporte e Alarme Aéreo Antecipado (VEC-1), quando operacional, irá voar as aeronaves COD/AAR KC-2 Turbo Trader.

Ficha Técnica KC-2 Turbo Trader

Os dois motores radiais Wright R-1820-8WA originais do C-1A foram substituídos pelos turboélices Honeywell TPE331-14GR equipados com hélices Hartzell HC-135MA-5 de cinco pás.

O cockpit analógico foi completamente modernizado com instrumentos de voo digitalizados da Elbit Systems/AEL Sistemas.

Cada aparelho contará com unidades auxiliares ESA RE100CS (APUs), geração autônoma de oxigênio a bordo (OBOGS), sistema de controle ambiental e novos sistemas de comunicação digital criptografado com opção de expansão para link por satélite (SATCOM).

8 Comentários

  1. Boa Tarde Caiafa! No final das contas, foi um mal negócio essa aquisição? Uma vez que não poderemos usufruir da capacidade COD do Trader pela baixa do A 12 São Paulo? E as demais tarefas a exceção do REVO poderiam ser feitas por uma plataforma como o C-295?

  2. Só uma observação: “permitirão ao KC-2 atuar como posto diretor tático no ar (PDTAR), realizar o guiamento de meio curso (alem do horizonte) de mísseis superfície-superfície e servir como elo de conexão aéreo/retransmissão de dados entre os novos submarinos de ataque S-BR e o alto comando da esquadra.
    Então, eles estarão equipados com radares e sensores muito mais sofisticados do que originalmente foi noticiado?
    Ou, é só uma nova “balela”?
    Quem puder responder, com fontes confiáveis, por favor, agradeço.
    Abraços.

    • “Balela” não é o que fazemos aqui. Você está no veículo errado. A suíte de comunicações e aviônica do avião permite cumprir essas missões sem maiores problemas, isso não é nada espetacular de outro mundo. Lamento pela sua falta de respeito e falta de educação ao perguntar – aqui tratamos a notícia com seriedade, e os folgados com rispidez. Não gostou, não volte, simples assim.

      • Caiafa, você entendeu muito mal as minhas colocações.
        Nunca, repito, nunca ataquei seu espaço. Muito pelo contrário. Sempre fui seu seguidor e admirador.
        Quando me referi a “balela” não disse, em momento algum, que ela vem de você.
        Porém, agora você está, injustamente, me expondo a um absurdo. E desculpe, está fazendo de forma ridícula. Acaba de quebrar uma das regras de seu próprio espaço, que é a de manter o sigilo de todos os dados de quem aqui, de alguma forma, expõe suas opiniões. Não que as informações que tenha passado sejam verídicas mas, de qualquer forma, quebra a confiança que todos tinham em você.
        Não sou mal educado e continuo estudando e aprendendo. Acabei de aprender outra hoje.
        Por favor, exijo que você se retrate para que tenhamos uma relação amigável, pois você foi totalmente injusto no que disse.
        No aguardo, agradeço.

  3. Até que enfim desengavetaram esse projeto. Desde 1994 que eu escutava falarem iriam colocar motores turbo hélice nesses aviões, mas isso nunca saiu dá ideia e do projeto. Mesmo velhos ainda são muito bons e com essa modernização, a não ser pela parte estrutural, poderão contribuir muito ainda para aviação naval.
    Que os ventos soprem de maneira boa para nossa marinha.

  4. Apesar de não podemos usufruir de toda a sua capacidade, não acho a aquisição dessas aeronaves um desperdícios de recursos, pois a aquisição e a modernização do mesmo foi de um valor de custo/beneficio muito bom…

  5. Pelas imagens podemos ver que praticamente fizeram um novo avião, desmontaram-o por completo, o que mostra que, quando em operação, será um vetor capaz de atender os requisitos da Marinha na atualidade. Um meio moderno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here