AV-MTC em Canoas “Não é um míssil ar-terra”, fonte esclarece.

4
3624
O "dummie" instalado no F-5EM: divulgação da foto pelo MD gerou grande controvérsia.

Após a divulgação, pelo Ministério da Defesa, de imagem mostrando um teste com o AV-MTC, míssil de cruzeiro da Avibras, uma grande repercussão ocorreu, ainda mais que o sistema foi identificado, inicialmente, como a versão ar-terra do AV-MTC sendo testada pela Força Aérea Brasileira.

Importante observar que, em março último, quando da descoberta dos testes, Força Aérea e Avibras Aeroespacial foram consultadas formalmente e exerceram a opção (um direito) de não esclarecerem nada, adotando o silêncio como resposta.

Após o impacto inicial da notícia, surgiram reações contrárias a divulgação do fato (ou foto), e um destes observadores contrários, um oficial da reserva da Força Aérea muito próximo a base aérea de Canoas foi taxativo “Isso não é a versão ar-terra do AV-MTC, este míssil utilizou o F-5M apenas para a abertura do envelope para o voo supersônico, nada mais além disto”.

“Encucados” com essa nova informação, decidimos investigar mais a fundo, tendo como ponto de partida quais cargas o F-5EM pode transportar no center-line e qual o limite de peso naquele cabide.

Nesse momento, a reportagem de T&D recebeu valioso auxílio técnico-profissional de fonte que será preservada quanto a sua identidade, mas que tem em seu currículo profissional longa atuação como engenheiro aeroespacial na aérea de Defesa.

O que foi fotografado em Canoas em março, e revelado pelo MD em junho, NÃO é uma versão ar-terra do AV-MTC, longe disso.

Segundo essa fonte explicou, em uma longa conversa recheada de termos técnicos, trata-se de um pod de testes, com a mesma planforma aerodinâmica do Litening III ou AN / AAQ-28 (homologado para o center-line do F-5EM), e que reproduz fielmente a metade posterior do AV-MTC, com suas entradas de ar para o motor micro-turbo, único componente do míssil a bordo além de instrumentação de teste, subsistemas de controle da propulsão e certa quantidade de combustível para o propulsor.

Segundo essa fonte, no teste, o “dummie” laranja CAES 06 é levado aos céus no center line do F-5EM para atingir altas velocidades subsônicas e assim recriar as forças que atuam no motor do míssil durante a fase de lançamento e início do voo de cruzeiro, etapa crítica quando o booster termina a queima do propelente e é ejetado, e sensores no corpo do míssil acionam e aceleram o motor micro turbo, de modo que o AV-MTC continue o voo em velocidade de cruzeiro de mach 0,7 (cerca de 850 km/h, dependendo das condições atmosféricas).

Esses testes tem como objetivo, mais uma vez segundo a fonte, aumentar a confiabilidade do motor micro-turbo nessa etapa crítica do voo, e de seus sistemas associados, responsáveis por interpretar os milhares de dados e comandar a entrada em funcionamento do propulsor.

Esses testes foram necessários já que, segundo essa fonte, durante a campanha de disparos ao final de 2018, pelo menos um míssil não teria executado a sequência correta de acionamento do micro-turbo após o descarte do booster, resultando na perda total do artefato e dos dados gerados pela instrumentação de bordo.

Além dos custos altíssimos envolvidos em disparos reais e da subsequente perda de valiosa instrumentação e informação, a falta de confiabilidade a 100% dos sistemas relacionados ao motor micro-turbo precisa ser sanada antes do sistema ser declarado pronto para entrega ao Exército Brasileiro, o que deverá acontecer a partir de 2020.

 

4 Comentários

  1. Pois se não era a versão ar-terra, deveria de ser… é de suma importância uma capacidade dessas! Não podemos ter medo de crescer!

  2. É um banho de água fria, mas em se tratando da FAB, nos últimos 12 anos, na questão de desenvolvimento autóctone de armamentos e sistemas embarcados nacionais, nada mais o que se esperar. A saga de importador de armamentos inteligentes continua.

  3. Ah, que pena… Seria muito bom se o Brasil já tivesse avançado a esse ponto de produzir um míssil de cruzeiro lançado por avião… Acho que seria um enorme poder de dissuasão…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here