US $ 450 milhões para o OA-X : Congressistas pressionam pela escolha da aeronave de ataque leve da USAF e USMC.

0
7352
Os legisladores estão pressionando por novas aeronaves em ambos os serviços, já que a Força Aérea dos Estados Unidos insiste que está realmente próxima de comprar os aviões.

 

A USAF também analisa o AT-6  Wolverine da Beechcraft (Imagem: USAF)

O Senado do Governo dos Estados Unidos, através de alguns de seus congressistas, estaria pressionando fortemente para adicionar centenas de milhões de dólares ao orçamento de defesa de modo que a Força Aérea e o Corpo de Fuzileiros Navais  possam comprar frotas de aviões de ataque leve.

Isso ocorre em meio a relatos de que um contrato poderia ser assinado até a primavera de 2019.

A-29 Super Tucano afegão.

Em 24 de maio de 2018, o Senate Armed Services Committee, ou SASC, aprovou a última emendada ao projeto de revisão de sua versão da Lei de Autorização de Defesa Nacional para o ano fiscal de 2019, o título formal do orçamento de defesa anual.

No processo, os legisladores propuseram autorizar US $ 350 milhões para apoiar o esforço de ataque leve da Força Aérea, bem como outros US $ 100 milhões para um programa do Corpo de Fuzileiros Navais.

Em junho de 2017, o Comitê havia adicionado US $ 1,2 bilhão para “uma frota de aeronaves de ataque leve / observação” no projeto de orçamento do ano fiscal de 2018 sem especificar nenhum modelo em particular, um número que os legisladores posteriormente reduziram substancialmente.

A-29 Super Tucano afegão.

O Corpo de Fuzileiros Navais continua a monitorar o experimento de ataque leve liderado pela Força Aérea para obter uma plataforma aérea de custo efetivo, observação e ataque (OA-X) para emprego em ambientes permissivos, com a intenção de empregar tal recurso como uma força conjunta.

O capitão Christopher Harrison, porta-voz do USMC no Pentágono, disse a imprensa norte-americana quando questionado sobre o possível financiamento. “A decisão da SASC de autorizar US $ 100 milhões para uma plataforma de ataque leve só se refletirá em realidade mediante um projeto de lei (que só pode ser aprovado pelo Senado)”.

Embraer & Boeing

Deixando de lado o indefinido estágio da negociação entre Boeing e Embraer visando a compra da segunda pela primeira (divisão de aviação executiva e comercial), o fato é que a materialização desse contrato (OA-X) trará um novo impulso a produção do EMB-314 A-29 Super Tucano, caso o avião brasileiro seja declarado vencedor da avaliação OA-X.

Somente a encomenda do USMC representaria um enorme acréscimo a carteira de pedidos do tipo.

Com a concretização de uma compra dupla USAF/USMC para operações conjuntas, isso não só levaria o Super Tucano a um novo nível no mercado, em termos de escala de produção, como ditaria o caminho a ser seguido por muitos aliados dos Estados Unidos com orçamentos militares menores, incapazes de manter sistemas de armas mais sofisticados e caros.

A-29 Super Tucano afegão.