Tecnologia brasileira revoluciona o mercado de blindagem automotiva: UDura.

O composto balístico UDura foi desenvolvido e patenteado com base na tecnologia de fabricação dos materiais compósitos de fibra de carbono, trazendo ao mercado um produto com alta performance balística e leveza incomparável.

Sua fabricação inovadora, sendo “não-tecido”, garante uma performance até nove vezes (propriedade mecânica) mais resistente que os outros materiais, com a diferença de peso de 20% comparado ao tecido trançado de Aramida* e até 80% comparado ao aço inoxidável.

UDura melhora a performance do veículo, reduzindo até 50kg* na blindagem, desacelerando assim o desgaste dos itens de segurança do veículo, como freios, suspensão, entre outros.

Possui proteção mais eficiente contra a degradação da fibra balística, possibilitando a extensão do prazo de validade para 10 anos.

Mercado atual

Tecido entrelaçado de Aramida

As blindagens existentes atualmente no mercado são montadas utilizando camadas de tecido de estrutura entrelaçada.

A fibra presente nestas blindagens (Aramida, Kevlar, Twaron) possui elevada resistência mecânica, porém, devido ao entrelaçamento e ao processo de tecelagem (construção do tecido), o resultado balístico final é bastante inferior ao potencial da fibra, acarretando em blindagens comparativamente mais pesadas.  (figura abaixo)

A estrutura entrelaçada e o processo de construção do tecido (tecelagem), além de diminuírem o desempenho balístico da blindagem, prejudicam a integridade da camada de proteção da fibra contra degradação, provocando perda prematura do desempenho mecânico e, consequentemente, período de garantia comparativamente menor.

O terceiro fator característico das blindagens de tecidos entrelaçados fabricadas no mercado atualmente é a alta sensibilidade ao “efeito de borda”, ou seja, nos impactos próximos a borda da blindagem (4 cm) existe uma grande piora no desempenho balístico, inviabilizando o uso deste tipo de tecido em blindagens estreitas, como por exemplo colunas, travessas de teto entre outras peças menores do interior dos veículos.

Mercado atual

Aço Inox 2,5 mm ou 3 mm

As chapas de aço inox 304 ou 304L implementadas nas área de coluna, maçanetas e contornos da lataria interna dos veículos possuem características mecânicas para a absorção dos impactos balísticos por deformação e complementam a aramida em áreas que esta não pode ser utilizada.

O produto apresenta alguns problemas pós blindagem, como ruído e rangido interno excessivo, degradação acelerada dos componentes de suspensão e sistemas de segurança (freios), aumento de gravidade do veículo devido ao peso, comprometendo a dirigibilidade em alta velocidade e curvas sinuosas, além de impedir e travar a movimentação da carroceria projetada para absorver impactos e colisões, transferindo a onda de choque diretamente ao passageiro.

A estrutura entrelaçada e o processo de construção do tecido (tecelagem), além de diminuírem o desempenho balístico da blindagem, prejudicam a integridade da camada de proteção da fibra contra degradação, provocando perda prematura do desempenho mecânico e, consequentemente, período de garantia comparativamente menor.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

Começou no ultimo domingo, dia 14 de abril, a Operação “Jeanne d’Arc 2024”, exercício realizado pela Marinha do Brasil (MB)...

Santiago Rivas (*) Na manhã de hoje, 16 de abril, foi finalmente assinado o contrato de aquisição das 24 aeronaves...

O Estado-Maior do Exército, por meio da portaria 1.294-EME/C Ex, de 03 de abril de 2024, aprovou a diretriz de...

Com o objetivo de desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão e de  aeronaves não tripuladas, está sendo anunciada a...

Comentários

DISPONÍVEL