PROSUB: Evento marca início da produção do terceiro submarino

0
3797
Foto 2 SBR3.
O atual comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Julio Soares de Moura Neto, participou da cerimônia de início da construção do SBR-3. (Imagem: ICN via CDN)

O Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) da Marinha do Brasil inicia a fabricação do terceiro dos quatro submarinos de propulsão convencional previstos. O marco inaugural ocorreu no último dia 13 com o corte de sua primeira chapa, em evento que contou com a presença do comandante da Marinha do Brasil, almirante-de-esquadra Júlio Soares de Moura Neto, como também de executivos e técnicos da Itaguaí Construções Navais (ICN) e da Nuclebrás Equipamentos Pesados (NUCLEP).

O acontecimento reflete os avanços nas etapas do PROSUB que passa agora a ter três submarinos em fases distintas de construção, identificados sob as siglas SBR-1, SBR-2 e SBR-3. Assim como nos dois primeiros, as chapas que comporão o casco do SBR-3 são provenientes da França. A construção dos submarinos é realizada pela ICN, composta pela Odebrecht Defesa e Tecnologia e pela francesa Direction des Constructions Navales et Services (DCNS).

O primeiro, SBR-1, é o submarino que se encontra na fase mais adiantada. Suas grandes seções com extensão aproximada de 9 metros cada uma e procedentes da NUCLEP (Nuclebrás Equipamentos Pesados), estão a caminho da UFEM (Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas) onde receberão os componentes internos. A produção do SBR-1 começou em 2010, ainda na França, com a montagem da proa, por meio do programa de transferência de tecnologia com a DCNS. Já no Brasil, a fabricação e montagem do corpo e da parte traseira foram iniciadas no segundo semestre de 2012.

Os SBR da Marinha do Brasil são baseados nos submarinos da classe Scorpène da DCNS. (Imagem: DCNS)
Os SBR da Marinha do Brasil são baseados nos submarinos da classe Scorpène da DCNS. (Imagem: DCNS)

O segundo submarino, SBR-2, está sendo totalmente construído no Brasil e se encontra na fase de montagem e fabricação das primeiras subseções da proa, iniciada em 2014, e que deve se estender ao longo deste ano.

De acordo com a evolução verificada no programa, a ICN obteve algumas conquistas em pouco tempo. A empresa recebeu da NUCLEP a primeira Seção de Qualificação, totalmente fabricada no País, para a fase de testes. A ICN também conquistou a homologação para fabricar cavernas, etapa importante para a montagem dos submarinos. Além disso, também foi responsável pelo transporte da Seção de Qualificação da UFEM para o prédio principal do Estaleiro de construção e iniciou a usinagem das subseções cônicas do SBR-1.

Ivan Plavetz