Portugal desistiu ou não da compra do KC-390?

Foto 1 Portugal-KC-390.
Portugal é parceiro industrial do Programa KC-390. (Imagem: Ivan Plavetz)

Em resposta às noticias que circularam na última sexta-feira (23) a respeito das supostas declarações do ministro da Defesa de Portugal, José Pedro Aguiar-Branco, de que seu país estaria cancelando carta de intenção assinada em 2011 pelo governo português, compromisso firmando para aquisição de seis exemplares do novo avião militar de transporte KC-390, a Embraer Defesa e Segurança emitiu a seguinte nota:

“Com referência à reportagem divulgada, no dia 22 de janeiro, no Site Expresso, de Portugal, com o título Ministério da Defesa altera plano: não haverá aviões novos, antes modernização dos antigos’, a Embraer informa que o programa de desenvolvimento do KC-390 está avançando conforme o previsto. Até o momento, a Embraer não recebeu qualquer informação oficial do governo português que tenha alguma relação com as afirmações feitas pelo referido site.”

No mesmo dia em que a nota oficial da Embrear foi distribuída, o portal de notícias português “i”-Lusa divulgou:

“O Ministério da Defesa solicitou informações à brasileira Embraer para a eventual compra de cinco a seis aeronaves KC-390, que irão substituir os C-130 da Força Aérea, refere o pedido de proposta a que a Lusa teve acesso.

O documento, assinado pelo ex-diretor-geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa, general Gravilha Chambel e datado de 29 de Dezembro, pede informações à empresa de aviação brasileira para ’efeitos de planeamento‘ e para esclarecer se os KC-390 possuem ‘todas as características e capacidades necessárias para substituir’ os Hércules C-130, que operam desde os anos 70.

Questionado pela agência Lusa sobre este processo, fonte do Ministério da Defesa confirmou ‘o início do processo negocial com a Embraer para a eventual aquisição dos KC390, mas disse não ter recebido resposta do fabricante.’

A mesma fonte referiu que ‘a substituição das aeronaves C-130 consta da nova lei de Programação Militar, aprovada [na generalidade] na Assembleia da República‘ na quinta-feira.

O objeto da proposta, pode ler-se, passa pelo ‘fornecimento de cinco a seis aeronaves KC-390 novas de fábricas’ certificadas ‘pelas autoridades competentes, com alcance intercontinental, capazes de executar operações estratégicas e tácticas, civis e militares, sem limitações’.

A proposta deverá contemplar uma descrição exaustiva da aeronave, assim como o plano de entrega com base numa data de referência correspondente à celebração de um contrato, refere o ‘request for proposal’ (pedido de proposta), apresentado pelo ministério liderado por José Pedro Aguiar-Branco.

O Governo solicita à Embraer que apresente ‘uma lista de opções dos diversos tipos de sistemas e custos associados” e também “uma proposta para a opção de aquisição/disponibilidade sem restrições de utilização de um simulador em território nacional’ para um eventual centro de simuladores em Alverca “para apoio internacional”.

Aparentemente, tanto o Site Expresso quanto o portal Jornal “I”-Lusa não apresentaram informações consistentes a ponto de afetar a imagem do KC-390. O segundo veículo de comunicação, por exemplo, parece desconhecer o papel de Portugal no projeto e que o KC-390 foi desenvolvido exatamente com vistas para a substituição da frota mundial de C-130 Hercules com claras vantagens principalmente por estar tecnologicamente décadas à frente do veterano avião militar de transporte estadunidense, projetado nos anos de 1950.

Além de signatário da carta de intenção de compra já mencionada, Portugal é parceiro industrial no projeto e sabe como poucos as qualidades e potencialidades do novo avião . Empresas do país europeu estão produzindo partes da aeronave. A OGMA e a EEA estão fabricando os sponsons (carenagens) do trem de aterrissagem principal em material compósito e ligas metálicas, a parte móvel do estabilizador horizontal também em compósito e a estrutura da parte central da fuselagem conformada com materiais metálicos.

Política? Talvez sim, talvez não. Mas qualquer que seja a origem da polêmica, ela poderá influenciar os planos de aquisição do avião para a Força Aérea de Portugal, já que sempre existem parlamentares prós e contra gastos dessa natureza, principalmente em um país em crise econômica. Entretanto, essa é uma conversa que ainda precisa ser esclarecida, principalmente porque, curiosamente, vem à luz exatamente às vésperas do voo inaugural da aeronave, evento que deverá ser um marco histórico muito comemorado.

Ivan Plavetz

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

O Grupo EDGE, estatal de tecnologia os Emirados Árabes, anunciou que formalizou uma “joint venture” (JV) com a empresa espanhola...

O Exército Brasileiro (EB), por meio da Chefia de Material do Comando Logístico (CMat/CoLog), publicou hoje, dia 04 de março,...

Durante a HAI Heli Expo 2024, que aconteceu no final de fevereiro, nos Estados Unidos, a Safran Electronics & Defense...

Um valor em torno de U$ 400 milhões, resultante de acordo entre o grupo britânico e o Exército da Dinamarca...

Comentários

Disponível

DISPONÍVEL