Operação Setembrino de Carvalho adestra apoio de fogo da 5ª DE

0
2763

No período de 22 a 28 de outubro acontece a Operação Setembrino de Carvalho, em Três Barras (SC), um exercício em no terreno em que a Artilharia Divisionária da 5ª Divisão de Exército (AD/5) realiza o adestramento avançado do apoio de fogo.

O exercício consiste em um planejamento de fogos sobre manobras preparadas pelas 5ª DE e pelas próprias Brigadas, em uma marcha para o combate e um ataque coordenado com execução do tiro real.

Nos três primeiros dias ocorreu a integração dos fogos e apresentação da manobra da 5ª DE e das Brigadas que a compõem, enfatizando os alvos mais importantes de um inimigo fictício.

Nesta fase também ocorreu a aplicação do planejamento no terreno com uma Marcha para o Combate de São Mateus do Sul (PR) a Papanduva (SC), com mais de 70 viaturas, envolvendo os Grupos de Artilharia desafiados por problemas técnicos e táticos.

Morteiros

Nos próximos dias serão exercitados os cinco pelotões de morteiro pesado com alcance de quase 13 quilômetros. Os batalhões e regimentos da Divisão realizarão os procedimentos técnicos e táticos numa marcha para o combate.

Posteriormente, os grupos de artilharia vão se organizar para a execução de fogos em um ataque coordenado, nesta fase com ênfase maior em procedimentos técnicos que permitirão a realização do tiro real em segurança.

Imitação do combate

A colocação dos diversos integrantes dos grupos de artilharia para apresentar manobras de arma-base, acompanhados por Observador, Controlador e Avaliador (OCA), bem como para identificar alvos contextualizados da manobra do inimigo figurado, tem sido um dos diferenciais deste exercício.

A Operação Setembrino de Carvalho também busca criar desafios sob a forma de problemas militares simulados que exploram a vastidão de possibilidades técnicas e táticas para a aplicação de fogos de artilharia em combate, especialmente a ocupação de posições em situações de restrição de tempo e espaço em meio a pedidos de tiro com variados graus de dificuldade técnica.

Ivan Plavetz