Navios da Marinha do Brasil retornam da OPERANTAR XXXVII

0
2222
Navio Polar “Almirante Maximiano” a caminho do Arsenal de Marinha.

Após cerca de 180 dias de comissão, o Navio de Apoio Oceanográfico (NApOc) Ary Rongel (H44) e o Navio Polar (NPo) Almirante Maximiano (H41) regressaram ao Rio de Janeiro, marcando o cumprimento, com sucesso, da 37ª Operação Antártica, a OPERANTAR XXXVII.

Os meios atracaram no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, no dia 13 de abril.

Ao longo da OPERANTAR XXXVII, o Ary Rongel, sob o comando do Capitão de Mar e Guerra Antonio Braz de Souza, e o Almirante Maximiano, comandado até 14 de fevereiro pelo Capitão de Mar e Guerra Pedro Augusto Bittencourt Heine Filho e, atualmente, pelo Capitão de Mar e Guerra João Candido Marques Dias, executaram trabalhos de campo nos refúgios e acampamentos, serviram como plataforma para a realização de pesquisas, dando suporte a 19 projetos, e apoiaram logisticamente os Módulos Antárticos Emergenciais e a reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz.

Foram realizados também levantamentos hidrográficos, visando à atualização de cartas náuticas sob responsabilidade do Brasil, como membro da Comissão Hidrográfica da Antártica, na Organização Hidrográfica Internacional.

Os meios empregaram duas aeronaves para transportar pesquisadores e materiais para os acampamentos e diferentes pontos de coleta na Península Antártica e na Ilha de James Ross.

Também utilizaram embarcações e equipamentos orgânicos para a realização de sondagens e levantamentos oceanográficos, observações de animais e coletas de amostras de plantas, solo e água.

Essas atividades envolveram pesquisadores de diversas instituições de ensino e pesquisa do país, que usaram como bases os próprios navios e acampamentos temporários estabelecidos na região.

A Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (SECIRM) foi a organização militar responsável pela coordenação dos trabalhos e esteve presente desde o planejamento até a execução de cada atividade, verificando e atendendo às demandas dos meios envolvidos e dos pesquisadores embarcados.

Familiares aguardam militares do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel

A fim de contribuir para o estreitamento de laços entre os países e a manutenção de uma atmosfera de cooperação científica entre os Programas Antárticos, o Ary Rongel e o Almirante Maximiano receberam tripulantes de estações científicas e de navios estrangeiros e realizaram visitas às estações antárticas da Bulgária, Chile, Peru, Polônia e Rússia.

Durante a viagem, os navios utilizaram, para apoio logístico, os portos das cidades de Rio Grande (RS), Punta Arenas, no Chile, Montevidéu, no Uruguai, Ushuaia, na Argentina, e Itajaí (SC).