Disparo real do MANSUP previsto para outubro de 2018

Lançamento do Míssil Antinavio Nacional versão Superfície (MANSUP) será em outubro de 2018.

A empresa SIATT – Sistemas Integrados de Alto Teor Tecnológico, atua no mercado de Defesa brasileiro trabalhando com armamento inteligente (bombas e mísseis guiados), integração de armamentos em plataformas navais, terrestres e aéreas, integração de sistemas de comando e controle, sistemas de combate, radares, sensores e equipamentos aviônicos.

Contratada pela Marinha do Brasil em setembro de 2017 para concluir o desenvolvimento do MANSUP (Míssil Antinavio Nacional), versão de Superfície, a empresa realizou a entrega, no final de abril último, dos três modelos funcionais dos subsistemas destinados a testes de integração do míssil completo e testes em navios, a saber, o “Compartimento de Vante; o “Compartimento de Ré”, e a “Cabeça de Combate Inerte”.

Os dois primeiros subsistemas compõem o Sistema de Guiagem, Navegação e Controle (SGNC) do míssil. O Compartimento de Vante engloba o Computador de Guiagem, que controla todo este sistema e dois importantes sensores utilizados como referência: uma Unidade de Navegação Inercial, também conhecida como Plataforma Inercial, fornecida pela própria Marinha do Brasil, e um Altímetro, que realiza medidas da altitude de voo do míssil em relação ao nível do mar.

Compartimento de Vante

Completa o SGNC um conjunto de baterias que garante a alimentação elétrica de seus circuitos durante todo o período de voo livre do míssil.

O Compartimento de Ré contém as superfícies aerodinâmicas móveis (profundores) que realizam as mudanças da direção de voo do armamento, os atuadores (motores) que movimentam tais superfícies, uma bateria e dispositivos que realizam a interface com o lançador do navio.

Compartimento de Ré.

A Cabeça de Combate Inerte (CCI), é uma versão especial da carga útil do armamento utilizada durante seus ensaios de qualificação.

Ela abriga um Transmissor de Telemetria, cuja função é transmitir dados de voo do míssil durante seu lançamento.

Recebidos por uma estação de recepção de telemetria, tais dados possibilitam análise e avaliação do funcionamento do armamento desde o início da sequência de disparo até o impacto/passagem pelo alvo.

A CCI também engloba o Dispositivo de Segurança e Armar (DSA), componente que garante o acionamento da carga útil do míssil após ele ter alcançado uma distância de segurança do navio lançador.

Já foi iniciada a produção das unidades desses equipamentos (e dos mísseis) para os lançamentos de teste do MANSUP.

O 1º está programado para ser realizado em outubro de 2018.

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

No dia de hoje, 24 de maio, a Agência de Cooperação de Segurança de Defesa (Defense Security Cooperation Agency – DSCA)...

A capital turca, Istambul, foi palco de discussões sobre segurança e defesa nos dias 21, 22 e 23. A Feira...

De acordo com a portaria nº 443-COTER/C Ex, o Exército Brasileiro (EB), através do Comando de Operações Terrestres (COTER), constituiu...

Após um breve período de calmaria, que parecia que a tragédia ambiental no Sul estava chegando ao seu final, uma...

Comentários

DISPONÍVEL