Interferidores de Rádio-Frequência contra Drones nos Jogos Olímpicos Rio 2016

0
1551
EsACosAAe  e o Simpósio sobre o Legado da AAAe nos Grandes Eventos.

A Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea (EsACosAAe) do Exército Brasileiro, sediada no Rio de Janeiro, promoveu o Simpósio sobre o Legado da AAAe nos Grandes Eventos.

O Simpósio, entre outros objetivos, promoveu o debate sobre a segurança em grandes eventos com o uso dos meios de Defesa Antiaérea.

A IACIT, empresa brasileira que desenvolve soluções tecnológicas de alta complexidade, participou atendendo a um convite feito pelo Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx).

O gerente de Novos Negócios, João Paulo Ishida, proferiu a palestra “O emprego de equipamentos interferidores de RF nas ações contra drones durante os Jogos Olímpicos Rio 2016”.

Representada pelo gerente de Novos Negócios, João Paulo Ishida, que proferiu a palestra “O emprego de equipamentos interferidores de RF nas ações contra drones durante os Jogos Olímpicos Rio 2016”, a IACIT trouxe ao Simpósio os diferenciais da tecnologia e como a solução pode contribuir para a segurança em missões especiais.

Para os Jogos Olímpicos Rio 2016, a IACIT desenvolveu a solução exclusiva de bloqueio de drones, atendendo a uma demanda do Exército Brasileiro.

O DRONEBlocker foi utilizado com sucesso durante os Jogos Olímpicos, protegendo as instalações e complexos esportivos contra a invasão de drones não autorizados.

Além de apresentar os diferenciais da tecnologia empregada do DRONEBlocker, a IACIT também realizou uma demonstração do equipamento para os participantes do Simpósio, ressaltando a importância do emprego de tal tecnologia para a segurança em grandes eventos e até mesmo em missões de segurança pública e sigilosas.

O DRONEBlocker foi utilizado com sucesso durante os Jogos Olímpicos, protegendo as instalações e complexos esportivos contra a invasão de drones não autorizados.

A solução DRONEBlocker conta com tecnologia 100% nacional, colocando a IACIT entre as poucas empresas no mundo a deter tal tecnologia e a única empresa brasileira a oferecer essa solução.

Desde 2009, a empresa tem priorizado investimentos em P&D, destinando em média 15% da Receita Operacional Líquida para investimentos no desenvolvimento de novos produtos com alto conteúdo tecnológico, como é o caso da solução de bloqueio de drones.