Fuzileiros navais simulam desembarque no Aterro do Flamengo

Cerca de 80 soldados do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) da Marinha do Brasil desembarcaram no Aterro do Flamengo como parte de um treinamento para a segurança e defesa dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

A atividade foi acompanhada pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) do Ministério da Defesa, almirante-de-esquadra Ademir Sobrinho, que classificou o treinamento como fundamental para todas as possibilidades de apoio das Forças Armadas nos Jogos. “Hoje tivemos uma demonstração da flexibilidade da Força Naval. Um grande esforço, e que há quase três anos estamos nos preparando”, comentou o almirante.

O chefe da Coordenação Geral de Defesa de Área (CGDA) e do Comando Militar do Leste (CML), general-de-exército Fernando Azevedo e Silva, que também acompanhou a mobilização da tropa, disse que o exercício demonstrou a capacidade dos militares em superar qualquer obstrução de vias e manifestações. “É a capacidade total da Marinha em utilizar seus meios marítimos para o posicionamento de tropas e viaturas na segurança dos Jogos”, afirmou o general.

Seguindo o roteiro de simulação, a embarcação de carga geral Guarapari deixou viaturas no Aterro. Logo após, foi realizado o desembarque de tropas pela embarcação Cataguazes. No treinamento, um helicóptero simulou o resgate de uma vítima.

O Navio Patrulha Oceânico (NPaOc) Apa (P121) dava apoio à operação. Equipado com três metralhadoras, radares e capacidade de transportar 120 militares, o APA será uma das 21 embarcações que serão utilizadas nos Jogos Rio 2016.

Força de Contigência e CDS

No Comando de Defesa Setorial da Barra da Tijuca (CDS Barra), uma força de contingência composta por integrantes da 12ª Brigada de Infantaria Leve Aeromóvel -12ª Bda Inf L (Amv) do Exército Brasileiro, sediada em Caçapava (SP), fez demonstração no Campo Olímpico de Golfe. Estes militares só entram em ação após o esgotamento das possibilidades das outras forças de segurança pública.

No início da manhã, os chefes do ECMFA e do CGDA, acompanhados do comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional (COMAR III), brigadeiro José Euclides da Silva Gonçalves, reconheceram instalações do Aeroporto Internacional Tom Jobim e entorno, que estão ocupadas pelas tropas da Força Aérea Brasileira (FAB). Logo após, o almirante Ademir e o general Fernando foram ao Colégio Militar do Rio de Janeiro, que está sendo utilizado como parte do Comando de Defesa Setorial do Maracanã (CDS), e realiza atividades de segurança e defesa do evento olímpico naquela região.

Veja vídeo da Marinha do Brasil.

Ivan Plavetz

Artigos Relacionados

Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO-PORTARIA Nº 162-EME, DE 12 DE JUNHO DE 2019 Documento...

Pela primeira vez no Brasil, foi realizado o reabastecimento em voo (REVO) por helicóptero, foi a chamada Operação MANGA. Na...

NOTA À IMPRENSA A Associação Brasileira das Indústrias de Material de Defesa e Segurança (ABIMDE) expressa seu entusiasmo e gratidão...

Um misto de alívio e expectativa. Foi assim que o Sindicato Nacional de Materiais de Defesa (SIMDE) recebeu a notícia...

A Elbit Systems anunciou ontem o contrato avaliado em US$ 600 milhões para o fornecimento de sistemas para a Hanwha...

Decisão evitará prejuízos a empresas do setor que corriam risco de perder contratos e contribuirá para a sustentabilidade e a...

Comentários

Disponível

DISPONÍVEL