Fuzileiros navais simulam desembarque no Aterro do Flamengo

0
2523
(Imagem: Marinha do Brasil)

Cerca de 80 soldados do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) da Marinha do Brasil desembarcaram no Aterro do Flamengo como parte de um treinamento para a segurança e defesa dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

A atividade foi acompanhada pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) do Ministério da Defesa, almirante-de-esquadra Ademir Sobrinho, que classificou o treinamento como fundamental para todas as possibilidades de apoio das Forças Armadas nos Jogos. “Hoje tivemos uma demonstração da flexibilidade da Força Naval. Um grande esforço, e que há quase três anos estamos nos preparando”, comentou o almirante.

O chefe da Coordenação Geral de Defesa de Área (CGDA) e do Comando Militar do Leste (CML), general-de-exército Fernando Azevedo e Silva, que também acompanhou a mobilização da tropa, disse que o exercício demonstrou a capacidade dos militares em superar qualquer obstrução de vias e manifestações. “É a capacidade total da Marinha em utilizar seus meios marítimos para o posicionamento de tropas e viaturas na segurança dos Jogos”, afirmou o general.

Seguindo o roteiro de simulação, a embarcação de carga geral Guarapari deixou viaturas no Aterro. Logo após, foi realizado o desembarque de tropas pela embarcação Cataguazes. No treinamento, um helicóptero simulou o resgate de uma vítima.

O Navio Patrulha Oceânico (NPaOc) Apa (P121) dava apoio à operação. Equipado com três metralhadoras, radares e capacidade de transportar 120 militares, o APA será uma das 21 embarcações que serão utilizadas nos Jogos Rio 2016.

Força de Contigência e CDS

No Comando de Defesa Setorial da Barra da Tijuca (CDS Barra), uma força de contingência composta por integrantes da 12ª Brigada de Infantaria Leve Aeromóvel -12ª Bda Inf L (Amv) do Exército Brasileiro, sediada em Caçapava (SP), fez demonstração no Campo Olímpico de Golfe. Estes militares só entram em ação após o esgotamento das possibilidades das outras forças de segurança pública.

No início da manhã, os chefes do ECMFA e do CGDA, acompanhados do comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional (COMAR III), brigadeiro José Euclides da Silva Gonçalves, reconheceram instalações do Aeroporto Internacional Tom Jobim e entorno, que estão ocupadas pelas tropas da Força Aérea Brasileira (FAB). Logo após, o almirante Ademir e o general Fernando foram ao Colégio Militar do Rio de Janeiro, que está sendo utilizado como parte do Comando de Defesa Setorial do Maracanã (CDS), e realiza atividades de segurança e defesa do evento olímpico naquela região.

Veja vídeo da Marinha do Brasil.

Ivan Plavetz