Fundação Ezute desenvolve projeto de gestão para a Olimpíada

0
1367
(Imagem: Ezute)

O Brasil precisou se preparar, com a realização de diversas obras e adequações das instalações esportivas e não esportivas dos Jogos Olímpicos, em atendimento às exigências do Comitê Olímpico da Rio 2016 e confederações internacionais. Para isso, desde 2011, foi colocado em prática um amplo projeto de gestão, visando garantir que as instalações, principalmente dos Complexos Esportivos localizados em Deodoro e na Barra da Tijuca (bairros do Rio de Janeiro), fossem concluídas de acordo com o planejamento.

Em apoio a esse amplo projeto de gestão, a Fundação Ezute tem atuado junto ao Ministério do Esporte, que tem a incumbência de repassar os recursos financeiros federais para Estado e Município do Rio de Janeiro, objetivando a realização de tais obras.

A Fundação Ezute tem acumulado experiência em projetos que auxiliam na afirmação da soberania nacional e no desenvolvimento de soluções integradoras, como o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM). Essa experiência foi determinante para o desenvolvimento do projeto de gestão, responsável por garantir a conformidade com orçamento, prazos, requisitos olímpicos e parâmetros legais. Ao ser selecionada pelo Ministério, a Fundação Ezute fez uma imersão no “universo” dos Jogos Olímpicos para entender os desafios e vislumbrar as oportunidades.

EZUTE_FOT_VEL_20160625_369_JPG

“A partir desse amplo estudo nasceu a relação institucional com o Ministério do Esporte que acabou resultando em um projeto de consultoria para apoiar o órgão na missão que lhe foi destinada em relação aos Jogos”, destacou o diretor de Projetos Especiais da Fundação Ezute, Flávio Firmino.

O trabalho da Ezute implicou gerenciar etapas, coordenar diversos projetos, integrar fornecedores e profissionais, etc. Em suma, foram ações objetivando o cumprimento de orçamentos e prazos e, ainda, a execução de obras de acordo com o estabelecido pelos organizadores, pelos requisitos olímpicos, pelos órgãos regulamentadores do evento esportivo e, também, pelos parâmetros legais.

“Estamos falando de 35 instalações com processos e planejamentos distintos e sobrepostos e um cronograma unificado, além do gerenciamento de riscos relacionado. Além disso, praticamente todos os ministérios e diversas secretarias trabalharam de forma conjunta, o que torna necessário o controle integrado dessa operação, com o gerenciamento da comunicação e de todos os pontos críticos e a resolução de problemas quando necessária”, destacou Firmino.

O apoio da Ezute também teve como objetivo garantir a homologação das instalações, pelo atendimento aos rigorosos padrões técnicos definidos pelo Comitê Olímpico Internacional e pelas federações esportivas internacionais.