Força Aérea do Afeganistão aguarda os primeiros Super Tucano

0
2176
Imagem 2 A-29-Afeganistão
Aeronaves A-29 do Afeganistão estão sendo preparadas para translado na Base Aérea de Moody, Estados Unidos. (Imagem: USAF)

A Força Aérea do Afeganistão receberá nos próximos dias seus primeiros aviões de asa fixa para ataque ar-solo,que expandirão a atual limitada capacidade de suporte aéreo aproximado de sua frota.

A entrega dos primeiros quatro A-29 Super Tucano deverá ocorrer ainda neste mês, sendo que ao longo do ano oito deles estão programados para chegar ao país. A frota de 20 unidades prevista no programa de assistência militar implementado pelos Estados Unidos deverá ser completada até 2018, segundo afirmou uma fonte oficial norte-americana.

Vale lembrar que o Pentágono encomendou o lote de 20 unidades do Super Tucano em 2013 por US$ 427 milhões no âmbito do programa Light Air Support (LAS). A Embraer Defesa e Segurança (EDS) e sua parceira norte-americana Sierra Nevada Corporation (SNC), vencedoras da licitação, instalaram uma linha de montagem da aeronave em Jacksonville, na Flórida, como parte do contrato.

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, disse que em poucos meses a Força Aérea do Afeganistão ganhará mais poder de fogo no ar. De acordo com ele, a capacidade de prover suporte aéreo aproximado dos A-29 será um elemento chave para aumentar a superioridade aérea das Forças Armadas do Afeganistão sobre o Talibã.

O primeiro grupo de pilotos afegãos, composto por oito militares daquele país, treinados no 81º Esquadrão de Combate da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) com propósito de conversão operacional para os A-29 Super Tucano, está pronto para entrar em ação. A graduação foi realizada no dia 18 de dezembro último na sede da unidade localizada na Base Aérea de Moody, estado da Georgia. A meta é treinar 30 pilotos e 90 técnicos afegãos nos próximos três anos.

Durante 15 anos os militares do Afeganistão contaram com apoio aéreo de aeronaves de combate dos Estados Unidos, contudo, houve uma gradativa redução do envolvimento norte-americano nessas missões,  que foram formalmente encerradas em dezembro de 2014.

Ivan Plavetz
Fonte: Military Times