Exército Brasileiro inaugura Brigada da Foz do Amazonas

0
4140
Com a inauguração da Brigada da Foz do Amazonas, a presença do Exército Brasileiro na região é reforçada.

Uma cerimônia, no dia 26 de janeiro, marcou a inauguração da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (22ª Bda Inf Sl), a Brigada da Foz do Amazonas, e a assunção do Comando da nova Grande Unidade Operacional pelo general de brigada Luiz Gonzaga Viana Filho.

A criação da Brigada está alinhada com a Estratégia Nacional de Defesa, de priorização da região amazônica pelas Forças Armadas, guarnecendo a área de fronteira do Brasil com Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

A Brigada vai reforçar a presença militar, a capacidade operacional e melhorar o gerenciamento administrativo do Exército na Amazônia Oriental.

“Hoje é um dia histórico para o Exército Brasileiro e para o Estado do Amapá. Estamos oficializando a instalação de um Comando de Brigada numa área estratégica”, declarou o Comandante Militar do Norte, General de Exército Carlos Alberto Neiva Barcellos, durante a formatura.

Ele ainda destacou o esforço de todos os envolvidos na concretização do projeto e na construção das instalações para a Brigada.

Para o General Viana Filho, a Brigada possibilitará uma melhor coordenação para a segurança das fronteiras do Brasil na região, ampliando a presença do Estado “em áreas que muitas vezes se encontram num vazio”.

Atualmente, a Brigada conta com um efetivo de 1.000 militares, devendo chegar a 3.000 até 2019.

Além da estrutura do Pavilhão de Comando da Brigada, os militares da organização militar também contam com Próprios Nacionais Residenciais (PNR).

A nova Grande Unidade está diretamente subordinada ao Comando Militar do Norte (CMN) e é integrada pela Companhia de Comando da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (Cia Cmdo 22ª Bda Inf Sl); Comando Fronteira Amapá / 34º Batalhão de Infantaria de Selva (Cmdo Fron Amapá / 34º BIS); pelo 2º Batalhão de Infantaria de Selva (2º BIS), em Belém (PA); e pelo 24º Batalhão de Infantaria de Selva (24º BIS), em São Luís (MA).

A maior presença de militares na área também deve ser um fator de desenvolvimento local e gera a perspectiva de mais parcerias com as instituições regionais e federais que atuam na região.

“Essa é uma conquista do Brasil, da Amazônia e do Amapá, e nós devemos muito à iniciativa e ao planejamento do Exército, porque mesmo em três anos de muitas dificuldades (orçamentárias), ele não abriu mão de realizar o seu planejamento estratégico”, agradeceu o Governador do Amapá, Antônio Waldez Góes da Silva.

Desafios

O general de exército (R/1) Oswaldo de Jesus Ferreira, que era Comandante Militar do Norte à época em que foi definida a cidade de Macapá como sede da nova Brigada, lembrou dos primeiros momentos e dos desafios enfrentados até a ativação da organização militar. “Posso dizer que foi um desafio muito grande, por causa de restrições orçamentárias, mas tivemos a compreensão dos órgãos de direção geral e setorial em Brasília, e o projeto deslanchou, fruto do trabalho da equipe de gerência desse projeto. Gostaria de prestar uma homenagem a todos os que participaram na luta de fazer, de um sonho, algo de concreto. É um dia feliz pra mim”, comemorou.

Também estiveram presentes no evento o Senador pelo Estado do Amapá, David Samuel Alcolumbre Tobelem; o Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia, General de Exército Juarez Aparecido de Paula Cunha; o Comandante Logístico, o General de Exército Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira; o Chefe do Estado-Maior do Exército, General de Exército Fernando Azevedo e Silva; o Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Geraldo Antonio Miotto; o Chefe do Departamento de Engenharia e Construção do Exército, General de Exército Claudio Coscia Moura; além de diversas autoridades e representantes das Forças Armadas, de órgãos públicos e civis.

Fonte:1ª Bda Inf Sl