Embraer e Boeing juntas deverão criar uma nova empresa.

0
5667
Funcionários da Embraer: manutenção dos empregos é a meta.

Segundo declarações dadas pela direção da Embraer e pelo ministro da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, a firma brasileira teria aceitado a segunda proposta da Boeing para o modelo de parceria entre as companhias, resultando na criação de uma terceira empresa encarregada da venda das aeronaves comerciais, executivas e agrícolas.

A Embraer Defesa & Segurança, considerada a parte militar do negócio, continuará sob a supervisão com direito de veto (Golden Share) exclusivo do governo brasileiro.

EDS Produto militar: Radar SENTIR, monitoramento de fronteiras.
Embraer Executive Jets: produção de jatos executivos como o Phenom 100 e 300.

Minutos após a entrevista, as ações da Embraer registram alta de 4,90% na Bolsa de Valores de Nova York, sendo cotada a R$ 21,39 cada papel.

Raul Jungmann afirmou que o Governo Federal sempre confiou que a fabricante brasileira chegaria a um acordo com a americana Boeing, sem implicar na ação de um “poder externo” sobre a Embraer.

O ministro, quando se se reuniu com o diretor financeiro da Boeing e sua equipe, chegou a dizer ao americano “-olha, encontre uma maneira, sejam criativos”.

Aviação Agrícola e Geral: Poucos detalhes conhecidos, mas deve entrar no negócio.
O jato de transporte militar/REVO, KC390: fora do acordo, segundo o Governo Brasileiro.
O maior alvo da cobiça da Boeing: o Embraer E-JET E2.

Traduzindo a fala ministerial, esse arranjo permitirá ao Brasil manter seus programas militares mais importantes, como o caça Saab Gripen E/F, o submarino de propulsão nuclear, dentre outros, livres dos maus humores do Congresso dos Estados Unidos da América.

Para Jungmann “O nosso problema é que, se o controle passa para um terceiro país, as nossas decisões ficam subordinadas àquele país – por exemplo, ao Congresso americano. Se eles amanhã decidirem que não é do interesse norte-americano o desenvolvimento de um reator nuclear ou o ciclo completo do combustível nuclear que a Marinha faz, com o controle da Embraer isso poderia ser rompido”, afirmou.

Tidos como “As Jóias da Coroa”, o A-29 Super Tucano e o KC-390 continuam sob controle da Embraer Defesa e Segurança.

“Nenhum país do mundo vende uma empresa estratégica de defesa. Não é por nacionalismo, ultra-nacionalismo ou qualquer tipo de preconceito com os americanos ou a Boeing. Nós apostamos que dê certo, mas temos um limite que remete a um projeto nacional autônomo, que é o limite imposto pelo Governo Brasileiro”, continuou o ministro, complementando “apostamos nessa parceria porque o mercado aeronáutico global está mudando e é importante tanto para a Embraer como para a Boeing essa união de sinergias diante desse novo cenário”.

O moderno cockpit Pro Line Fusion do KC390 (todas as imagens Roberto Caiafa).