C295W da Airbus D&S mostra capacidades na América Latina

0
1897
Imagem 2 C295W-Am.Lat
Até o momento, a Marinha do México requisitou winglets para dois C295 (Imagem: Airbus Defence & Space)

Um avião C295W da Secretaria de Marina Armada de México (SEMAR) iniciou ontem turnê por diversos países da América Latina com objetivo de mostrar suas capacidades. O avião, operado por uma tripulação mista da SEMAR e da Airbus D&S, irá cobrir o território latino-americano de norte a sul, informou a fabricante.

O C295W irá operar nas mais difíceis e extremas condições meteorológicas e geográficas da região, oportunidade na qual demonstrara sua robustez, confiabilidade e versatilidade, afirma a fabricante. De acordo com a Airbus D&S, essas características permitiram que o modelo se convertesse no líder do seu segmento de mercado.

A nova versão esta dotada de winglets nas pontas de suas asas e  tal dispositivo melhorou o desempenho da aeronave em ambientes quentes ou localizados em altitudes elevadas. A empresa afirma que ele transporta mais carga a distâncias maiores e economiza aproximadamente 4% de combustível.

Christophe Roux, diretor da Airbus D&S para o mercado da América Latina, disse que as soluções da companhia têm sido selecionadas em inúmeras ocasiões pelas Forças Armadas do continente latino-americano, o que demonstra que são as mais adequadas para uma variedade de missões que elas desempenham. O C295W com winglets possui mais capacidades e a companhia deseja demonstrá-las para as Forças Aéreas da região, afirmou o executivo.

Cerca de 145 aviões militares de transporte da Airbus D&S voam na América Latina, sendo eles operados por 13 Forças Aéreas: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Suriname, Uruguai e Venezuela.

O México possui 24 aviões, entre eles a nova versão C295W, constituindo-se no maior operador latino-americano. Em segundo e terceiro lugares figuram Colômbia e Brasil, com 18 e 12 exemplares, respectivamente. O Chile foi o primeiro país do continente a realizar um pedido para a então CASA (hoje parte da Airbus D&S) em 1978 e conta atualmente com uma frota de 12 aviões militares de transporte da marca.

Ivan Plavetz