Brasil se consolida como referência internacional em DBQRN

0
2749
Foto 1 Brasil-Defesa NBQR.
(Imagem: Ministério da Defesa)

Terminou a sexta edição do Curso Básico de Assistência e Proteção em Resposta a Emergências Químicas para Estados Partes da América Latina e Caribe, curso realizado no Rio de Janeiro (RJ). As atividades de capacitação reuniu 42 participantes de 17 países e confirmou a posição do Brasil como liderança em operações de Defesa Biológica, Química, Radiológica e Nuclear (DBQRN) junto às nações do GRULAC – Grupo Latino-Americano e Caribenho das Nações Unidas.

Segundo o general de divisão Aderico Visconte Pardi Mattioli, chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia Industrial (DECTI) do Ministério da Defesa, o Brasil tem sido um “signatário ativo” da convenção que deu origem à Organização para Proibição das Armas Químicas (OPAQ) em 1997 e tem dividido sua expertise no tema com nações amigas do continente.

“Temos tido uma competência muito forte nesse setor e essa atitude tem reconhecimento internacional. Especialmente depois de termos a experiência dos grandes eventos sem traumas”, avaliou o general em alusão à sequência de acontecimentos internacionais sediados pelo Brasil como os Jogos Mundiais Militares (2011), a Conferência da ONU Rio +20 (2012), a Jornada Mundial da Juventude (2013) e a Copa do Mundo FIFA de 2014.

Mattioli acredita que o conhecimento acumulado pelas Forças Armadas em DBQRN tem aplicação que vai além de situações típicas de Defesa, como o terrorismo. “Nossos protocolos operacionais na área transbordam para a segurança pública e a defesa civil, setores em que eventos podem colocar em risco vidas humanas são até mais comuns”, explicou.

Foto 2 Brasil-Defesa NBQR.
Um grupo de 42 representantes de 17 países participaram do Curso. (Imagem: Ministério da Defesa)

OPAQ

O Ministério da Defesa é um dos membros que compõem a Autoridade Nacional para Implementação da Convenção para Proibição de Armas Químicas. O Brasil é um dos 190 signatários do documento que deu origem à OPAQ, cuja sede funciona em Haia, Holanda.

De acordo com o secretário-executivo da Autoridade Nacional, Sérgio Frazão, o País é um dos poucos que tem implementado integralmente a Convenção, devido ao grande conhecimento operacional tanto das Forças Armadas como do parque industrial químico brasileiro, considerado um dos maiores do mundo. Por isso coopera com países da América Latina como aqueles da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). “Temos consolidado cada vez mais o nosso protagonismo”, disse Frazão.

Para Frazão, que também é coordenador geral de Bens Sensíveis do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, um dos desafios no setor de defesa química no Brasil é integrar os protocolos de procedimentos das Forças Armadas, da indústria e dos organismos estaduais, como o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil.

Nesse sentido, está em estudos no Ministério da Defesa a criação do Centro de Assistência e Proteção em Resposta a Emergências Químicas da América Latina e Caribe, uma organização de excelência que fomentará o intercâmbio de experiências e informações, além de padronizar protocolos. “Essas atividades já são desenvolvidas em todo o país. Com o centro, teremos uma atualização e uma disseminação mais rápida do conhecimento”, explicou o general Mattioli.

Foto 3 Brasil-Defesa NBQR.
General Mattioli; “Reconhecimento internacional aumentou depois do Brasil passar pelos grandes eventos. (Imagem: Ministério da Defesa)

Argentina

Dos 42 membros da capacitação, 26 também participarão do nível avançado do curso que acontece em abril na Argentina. Farão parte da qualificação, integrantes das Forças Armadas, policiais, bombeiros e civis do Brasil, Antígua e Barbuda, Argentina, Barbados, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

Ivan Plavetz