Bandeirante do GEIV faz o último voo

0
2111

O Grupo Especial de Inspeção em Voo (GEIV), organismo subordinado ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), iniciou a desativação gradual dos IC-95 Bandeirante para renovação da frota das aeronaves de inspeção em voo. A tripulação, composta pelos capitães Aviadores Andrei Oliveira da Silva Santos e Rafael Santos Viana e pelo terceiro sargento especialista em Mecânica de Aeronaves, Rodrigo Pereira Goularte, realizou o último voo da aeronave, matrícula FAB 2328, que decolou do Aeroporto Santos Dumont com destino ao Parque de Material Aeronáutico dos Afonsos (PAMA-AF), no Rio de Janeiro.

Encarregada da tarefa de inspeção em voo e radiomonitoragem, a aeronave ficou 32 anos em operação, onde cumpriu mais de cinco mil horas de voo em diversas missões. Para o comandante do GEIV, tenente-coronel aviador Marcelo de Lima Pinheiro, a aeronave atendeu todos os requisitos necessários enquanto esteve em operação. “O Bandeirante desempenhou várias funções, como localizar e identificar as fontes emissoras de interferências eletromagnéticas nas frequências dos auxílios à navegação aérea, muitas vezes causadas pelas rádios piratas, estações que operam sem autorização e que podem representar um risco para as operações aéreas”, lembrou.

Nova aeronave

O IC-95 será substituído no GEIV pelo IU-50 (Legacy500). (Imagem: Embraer)

Esse processo de desativação ocorre em paralelo à chegada do jato executivo Embraer Legacy 500. Em maio deste ano, o GEIV receberá o FAB 3601, primeira aeronave denominada IU-50, equipada para a atividade de inspeção em voo, a qual projetará internacionalmente a indústria aeronáutica brasileira por ser a primeira no mundo a construir uma aeronave-laboratório.

As novas aeronaves-laboratório, que vão substituir os IC-95 Bandeirante, vão trazer diversos ganhos operacionais à tripulação. O Legacy 500 vai ampliar a capacidade embarcada e permitir que o Brasil realize com plena autonomia a homologação de procedimento de aproximação nos aeroportos chamado de RNP-AR (do inglês “required navigation performance“). O procedimento de aproximação faz parte do conceito de Navegação Baseada em Performance (PBN).

“Outro aspecto importante que a  aeronave vai trazer para o GEIV é o ganho de consciência situacional para a tripulação, em função dos modernos sistemas embarcados, mantendo o elevado nível de segurança de voo das operações e diminuição da carga de trabalho”, explicou o tenente-coronel Pinheiro.

O GEIV é responsável por medir, aferir e calibrar equipamentos de auxílios à navegação aérea instalados em aeroportos de todo o País. Com mais precisão e confiabilidade nas inspeções, o maior ganho é da sociedade brasileira, que vai dispor de serviços de apoio à navegação aérea mais seguros.

Ivan Plavetz