Antonov no Brasil: asas fixas para o Exército

0
4833
Vostok_Antonov_An-38_Vladimir Galkin
Vostok Airlines Antonov An-38 (Imagem: Vladimir Galkin)

Segundo nota publicada na imprensa brasileira, o fabricante aeronáutico ucraniano Antonov estaria negociando a instalação no Brasil de uma linha de montagem do modelo AN-38 100, bimotor turboélice equipado com motores Honeywell TPE331-14GR-801E e capaz de transportar até 27 pessoas ou duas toneladas e meia de carga. Feito para operar em ambientes exigentes e carentes de infraestrutura de apoio, o AN-38 é talhado para missões de transporte de cargas e passageiros pousando e decolando de pistas rústicas. Oleksander Kiva, vice-presidente da Antonov Company, é aguardado na próxima semana em Salvador (em pleno Carnaval), para assinar um protocolo de intenções com o governador Rui Costa visando instalar uma linha de montagem da empresa ucraniana na Zona de Processamento e Exportação (ZPE) de Ilhéus, cidade próxima a capital baiana.

Aviação do Exército

O anúncio acontece pouco mais de um ano e meio após a divulgação de estudos de viabilidade do Estado Maior do Exército Brasileiro visando à seleção e adoção de uma aeronave de pequeno/médio porte capaz de transportar passageiros e cargas, versátil, com bom alcance e resistência para suprir logisticamente as instalações do Sistema de Vigilância e Monitoramento de Fronteiras (SISFRON) e os Pelotões de Fronteira da região amazônica e centro-oeste (agosto de 2013, portaria Nº 155-EME). Ao mesmo tempo, o Governo Federal lançou, em dezembro de 2012, o Programa de Aviação Regional tendo como meta a construção de centenas de aeroportos pelo País. A ideia é que 96% da população brasileira estejam a, pelo menos, 100 Km de um aeroporto com voos regulares e preços competitivos. Aeronaves com as características do Antonov AN-38 poderiam ocupar uma faixa desse mercado (curtas/médias distâncias/cargas/passageiros), viabilizando assim a instalação de uma linha de montagem do modelo no Brasil. No caso de encomendas militares, o Antonov AN-38 terá de concorrer provavelmente com o Cessna Caravan, modelo bastante usado pela Força Aérea Brasileira exatamente para cumprir as missões pretendidas pela Aviação do Exército (mas um monomotor), e com o Fairchild-Dornier Do 228NG, que usa motores Garrett TPE 331-10 semelhantes aos utilizados pelo avião ucraniano.

Antonov

Fundada em 1946 por Oleg Antonov, a empresa já construiu mais de 22 mil unidades de cem tipos diferentes de aviões, seja para combate, transporte de passageiros ou cargas e usos diversos. Sua força de trabalho é composta por mais de 12 mil funcionários presentes em 76 países.

Roberto Caiafa