IV Simpósio de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha do Brasil

0
1179

Marinha do Brasil, por meio da Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), está realizando o “IV Simpósio de Ciência, Tecnologia e Inovação”.

O tema da edição 2017 é “Parceira Academia, Empresa e Governo: Propulsora do Desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação”.

O Simpósio está acontecendo entre os dias 30 e 31 de outubro, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo/SP.

O leitor de T&D Leandro Antunes Berti, PHD em nanotecnologia e integrante do primeiro escalão do Ministério de Ciência e Tecnologia, está participando do Simpósio, e gentilmente enviou várias imagens captadas durante o primeiro dia de atividades, via Giulliano Bittencourt Frassetto.

O comandante da Marinha do Brasil, almirante-de-esquadra Leal Ferreira discursa na abertura do Simpósio.
Representação esquemática de uma célula de combustível nuclear…
…obtido através de complexos processos de alta tecnologia para…
…alimentar o reator nuclear de propulsão do…
…Submarino de Propulsão Nuclear Brasileiro – SNBR!

Outro programa tecnológico da Marinha do Brasil registrado pelo leitor foi a visita ao estande do MANSUP, míssil antinavio de projeto nacional.

Tocado anteriormente pela Mectron, hoje o desenvolvimento do MANSUP é responsabilidade da SIATT Engenharia e Participações Ltda, empresa fundada no final de 2015 pelo engenheiro Azhaury Carneiro Da Cunha Filho, ex´presidente da Mectron.

Para 2018, está previsto o encerramento dos ensaios com o Modelo de Teste de Voo (MTV) e o início da fabricação dos três protótipos (QM). estes deverão ser lançados até outubro de 2018.

Mantendo um corpo de engenharia multidisciplinar formado em sua maioria por pessoal egresso da Mectron, a SIATT é a responsável pelo desenvolvimento dos sistemas de telemetria, transmissão e recepção de sinais (dados) e demais eletrônicos embarcados associados.

A SIATT é a responsável pelo desenvolvimento dos sistemas de telemetria, transmissão e recepção de sinais (dados) e demais eletrônicos embarcados associados que fazem a interface de comunicação entre o navio lançador e o míssil em voo.

Nas fotos, uma vista da seção de cauda do MANSUP, com seu propulsor e o dispositivo de interface com o navio lançador. Posteriormente esse sistema deverá ser adaptado para ser aerolançável por vetores de caça/ataque como o F-39 Gripen E/F.

A Emgepron apresentou seus navios, dentre eles, e com destaque, o novo projeto de navio patrulha oceânico Patrol Vassel 500 BR. 

Com deslocamento de 500 toneladas, comprimento de cerca de 57 metros, e velocidade máxima contínua de 20 nós, deverá ser empregado na vigilância e defesa do litoral, de áreas marítimas costeiras, no apoio a operações terrestres e na defesa de portos.

O modelo também pode participar em operações de fiscalização da Zona Econômica Exclusiva, busca e salvamento, proteção de plataformas petrolíferas, e na prevenção e repressão de delitos ambientais.

O NPa 500-BR poderá contar com diversos sistemas oriundos da capacitação tecnológica da Marinha do Brasil e da BID (Base Industrial de Defesa), com destaque para os Sistemas de Controle Tático – SICONTA, de Controle de Avarias – SICAV, e de Controle e Monitoração da Propulsão – SCMP, e ser dotado de munição de 40 mm produzida pela Fábrica Almirante Jurandyr da Costa Müller de Campos – FAJCMC, gerenciada pela EMGEPRON.