T&D voa o Airbus A400M sobre os Andes chilenos.

0
702
os dois motores Europrop TP400-D6 da asa direita do A400M, com a Cordilheira dos Andes ao fundo.

Uma aeronave de transporte militar Airbus A400M da Fuerza Aérea Española realizou um voo com a imprensa especializada a partir do aeropuerto Arturo Merino Benítez de Santiago de Chile.

Nesse aeroporto está acontecendo, desde o dia dois de abril, a vigésima edição da Feria Internacional del Aire y del Espacio (FIDAE).

As atividades Airbus começaram com um extenso briefing sobre os setores de espaço (satélites), aeronáutica, comunicações e digitalização de sistemas.

Também se falou com muito interesse no tema “drones” ou aeronave remotamente tripuladas (ARP).

Após a conclusão do briefing, os jornalistas e demais convidados, divididos em grupos, visitaram uma aeronave C-295 da Fuerza Aérea de México (FAM), e logo a seguir o primeiro contato com o Airbus A400M do Ejercito del Aire (Espanha).

Capaz de transportar mais de 120 toneladas, o avião impressiona pela sua versatilidade do compartimento de cargas, totalmente reconfigurável (apresentando soluções similares as empregadas no KC390, C-17 Globemaster III e outros aviões de transporte militar modernos) e com espaço para embarcar com folga carros de combate, veículos blindados e tropas, incluindo aí infantaria paraquedista.

Os bancos utilizados, do tipo lona e tirantes, leves e de fácil compreensão quanto a amarração, tem espaço para receber o soldado portando seu equipamento completo de combate.

O apelo humanitário do avião é enorme.

Um A400M sozinho é uma poderosa ferramenta de ajuda, transportando nacionais, víveres e suprimentos, logística de campanha, equipamentos, veículos, sistemas de engenharia, hospitais de campanha, etc, e pousando em pistas improvisadas e curtas.

 

O próprio avião pode ser configurado rapidamente como uma enorme ambulância aérea, pois possui todos as conexões para a instalação de oxigênio e demais equipamentos de saúde, incluindo proteção DQBRN para atuar em áreas com risco de contaminação biológica, química ou radiológica, e na remoção especializada dos contaminados.

O pouso, da mesma forma, demonstrou as capacidades da aeronave em parar empregando pouquíssima pista.

Acredita-se que com a aeronave carregada, as performances sejam as mesmas, já que a sobra de potência em relaççao ao baixo peso do voo de demonstração foi algo muito evidente.