T&D entrevista: Cinco perguntas para o Major General Mats Helgesson, Comandante da Força Aérea da Suécia.

0
1562
Com o F39 da FAB ao fundo, Kaiser Konrad e o comandante da Real Força Aérea Sueca, Major General Mats Helgesson. (EXCLUSIVO)

 Kaiser Konrad, Especial de Linköping.

Numa apresentação feita na Finlândia, o senhor disse que o Gripen E é um matador de Sukhois. Poderia explicar melhor essa afirmação?

Eu quis dizer que quando desenvolvemos nossas aeronaves, como o Gripen e seus antecessores, Viggen e Draken, nós sempre vemos quais tipos de ameaças temos na nossa vizinhança. Nós olhamos para o futuro e prevemos que tipo de ameaça iremos encontrar. No nosso caso, nós devemos olhar para as aeronaves russas, que serão aquelas possíveis de se enfrentar no ar. Nesse sentido, o Gripen foi desenvolvido para enfrentar os Sukhoi.

No ano passado a Força Aérea da Suécia seguiu a mesma decisão da Força Aérea Brasileira e selecionou o Wide Area Display desenvolvido pela companhia brasileira AEL Sistemas para equipar ser caças Gripen E. Qual é a importância do WAD e como ele poderá maximizar as capacidades da aeronave?

Eu acredito que o Wide Area Display juntamente com um completo sistema de interface homem-máquina são realmente importantes para ganhar a batalha. Você precisa tomar uma decisão mais rápido que seu inimigo e ter melhor consiência situacional do ambiente ao redor, e se você tiver bons displays e informações para o piloto você pode vencer a batalha tomando a decisão correta. A tecnologia que vamos receber da Força Aérea Brasileira e da AEL Sistemas será muito útil para a defesa sueca e para nossas táticas.

O 1º F39 Gripen E da FAB, em foto de Kaiser Konrad.

Temos visto uma postura muito agressiva da Rússia para com seus vizinhos. Como isso tem impactado na Força Aérea da Suécia?

Nós temos visto muitas diferenças nos últimos anos. Em maio deste ano, o Governo Sueco publicou o Livro Branco que aborda o futuro da Defesa. Duas semanas atrás, os políticos decidiram a parte econômica, que prevê um aumento real de mais ou menos 40% no orçamento para o período de 2020 à 2025. Para a Força Aérea Sueca, especificamente, isso é muito bom, pois podemos manter em operação  por mais alguns anos os Gripen C e D e ao mesmo tempo introduzir a nova versão Gripen E, assim como muitos outros desenvolvimentos no nosso sistema logístico, de pessoal entre outros.

No contrato da SAAB com Brasil, está incluído o desenvolvimento de uma versão biposto, o Gripen F.  A Suécia teria interesse em adquirir?

Eu acredito que o Gripen F será muito bom e uma grande aeronave, de diferente maneiras. Quando nós tomamos a decisão para a Força Aérea da Suécia, analizamos o orçamento que tínhamos e o número de aeronaves que poderíamos comprar, nós fizemos os cálculos necessários e a decisão foi adquirir somente o Gripen E, monoposto. Se nós tivéssemos mais orçamento e recursos, é claro que gostaríamos de ter o biposto, mas não é o caso neste momento. Quem sabe, talvez no futuro.

Essa plataforma poderia ser utilizada para realizar ataque eletrônico ou como Wild Weasel (SEAD)?

Absolutamente. Eu quero dizer também, que a versão monoposto pode ser usada para ataque eletrônico ou atividades Wild Weasel. Mas para isso, o Gripen F poderá ser ainda melhor.