Sherpa Light APC para o COT

0
4840
Renault_Sherpa_APC_CAIAFA
O Sherpa Light APC, da Renault Trucks Defense, exposto na Eurosatory 2014 armado com uma estação de armamento remotamente controlada. (Imagem: Roberto Caiafa)

Após ser apresentado no mercado brasileiro através de uma versão “nacionalizada” pela Avibras Aeroespacial, redenominada Tupi e customizada para atender a concorrência Viatura Blindada Multitarefa-Leve de Rodas 4×4 (VBMT-LR) colocada pelo Exército Brasileiro (e ainda sem um vencedor), a Renault Trucks Defense fechou a venda de três exemplares do Sherpa Light APC, veículo blindado sobre rodas do mesmo tipo usado em conflitos no Oriente Médio e pelas forças especializadas de combate ao terrorismo na França.

Esses carros irão equipar o Comando de Operações Táticas (COT), a tropa de elite da Polícia Federal, para atuarem em ações de risco durante as Olimpíadas Rio 2016.

O Renault Sherpa APC já foi visto em operação na cidade do Rio de Janeiro. Em outubro de 2011, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) recebeu um exemplar do carro para testes e avaliação dentro da concorrência aberta pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) para a compra de novos veículos blindados para uso na Copa do Mundo FIFA 2014, licitação essa vencida pelo blindado Maverick, da sul-africana Paramount.

Chamados de APC, cada Sherpa dessa versão pesa mais de 10 toneladas, atinge até 110 Km/h e possui blindagem padrão militar STANAG Nível 3, resistente a tiros de fuzil. O COT especificou uma pintura negra (padrão Polícia Federal), e o carro deverá vir configurado para transportar até 10 pessoas. O valor total do contrato, assinado em 16 de abril com a francesa Renault Trucks Defense, é de R$ 5,244 milhões.

COT

Em agosto deste ano, o COT realizou treinamentos com militares das Forças Especiais do Exército dos Estados Unidos em Brasília e em Goiânia (GO), sede da Brigada de Forças Especiais do Exército Brasileiro, com a intenção de absorver novas técnicas de invasões a ambientes fechados onde terroristas possam estar mantendo reféns, como embaixadas, presídios e prédios urbanos.

O intercâmbio envolveu ainda helicópteros Sikorsky S-70 Blackhawk de versão especializada, trazidos pelos americanos para apoiarem a operação, e militares da Força Aérea e do Exército brasileiro especializados em ações de Contra-Terrorismo.

Roberto Caiafa