RemoveDEBRIS foi lançada da ISS com tecnologia de remoção de detritos espaciais.

0
1365
Serão utilizados em órbita a rede Airbus, a navegação baseada em visão e realizados experimentos com arpão.

Toulouse/Stevenage/Bremen, 25 de junho de 2018 – A missão RemoveDEBRIS de tecnologia de remoção de detritos espaciais, liderada pelo Centro Espacial Surrey (SSC) da Universidade de Surrey, foi lançada em órbita a partir da Estação Espacial Internacional (ISS).

O RemoveDEBRIS demonstrará uma gama de inovadoras tecnologias para limpar detritos espaciais, com o primeiro experimento projetado e construído pela Airbus previsto para entrar em funcionamento em outubro de 2018.

A espaçonave possui três tecnologias da Airbus para realizar a Remoção Ativa de Detritos (ADR – Active Debris Removal): uma rede, um arpão para capturar detritos e também um sistema de Navegação Baseada em Visão (VBN) para desenvolver técnicas de encontro em órbita com detritos espaciais.

A espaçonave foi projetada e construída pela Surrey Satellite Technology Limited (SSTL), subsidiária da Airbus, e também inclui uma vela de arrasto para acelerar a saída de órbita da missão.

O cronograma prevê que a rede será colocada em operação em outubro deste ano, seguida pelo teste da VBN no final de dezembro e posteriormente o teste do arpão em fevereiro de 2019.

Os experimentos serão todos realizados abaixo da órbita da ISS.

O experimento da rede desenvolvida pela Airbus-Bremen terá um cubesat (satélite miniaturizado de classe U) lançado a partir da nave principal da missão. Quando o cubesat estiver a cinco metros de distância, ele será alvo da rede e capturado a aproximadamente sete metros, antes de se afastar até sair de órbita.

O sistema VBN da Airbus-Toulouse testará câmeras 2D e uma tecnologia LIDAR (detecção e determinação da distância da luz) 3D fornecida pela CSEM para rastrear um segundo cubesat lançado a partir da nave espacial principal. O sistema VBN rastreará sua rotação e movimento ao afastar-se da espaçonave principal.

Ao mesmo tempo, o cubesat transmitirá sua verdadeira posição para a espaçonave principal, permitindo que o desempenho do VBN seja medido. Este cubesat então se afastará e sairá de órbita de forma natural.

O arpão projetado pela Airbus-Stevenage é um braço de 1,5 metro de comprimento operado a partir da espaçonave principal, com um pedaço de painel de material composto em sua extremidade. O arpão será disparado a 20 metros/seg para penetrar no alvo e demonstrar a capacidade de um arpão para capturar detritos.

Passamos muitos anos desenvolvendo inovadores sistemas de remoção ativa de detritos para estarmos na vanguarda do combate ao crescente problema dos detritos espaciais e para contribuir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para nossas futuras gerações.

Continuaremos trabalhando em estreita colaboração com equipes de todo o mundo para disponibilizar a nossa expertise para ajudar a solucionar esse problema”, disse Nicolas Chamussy, Diretor da Airbus Space Systems.

Após a conclusão da ADR projetada pela Airbus, a espaçonave principal utilizará a vela de arrasto desenvolvida pela SSC, que tirará a nave de órbita em aproximadamente 8 semanas. Sem a vela de arraste, a saída de órbita demoraria mais de dois anos e meio.

Co-financiado pela Comissão Europeia sob o FP7, o RemoveDEBRIS é uma colaboração internacional entre a Universidade de Surrey, Airbus, ArianeGroup, Surrey Satellite Technology Ltd, Innovative Solutions In Space, CSEM (Suíça), Inria (França) e Universidade de Stellenbosch (África do Sul).

Esta oportunidade de lançamento de satélites a partir da Estação Espacial foi possibilitada graças à NanoRacks e o seu Contrato de Legislação Espacial com o U.S. National Labs da NASA.