REMAX oficialmente adotado pelo Exército Brasileiro

0
5387
O REMAX equipa as primeiras unidades da viatura blindada sobre rodas média VBTP-MR 6X6 Guarani. (Imagem: ARES)

De acordo com a Portaria Nº 065 EME, o Exército Brasileiro adota oficialmente o sistema de armas  REMAX

PORTARIA N º 065-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2016.

Adota o Sistema de Armas Reparo de Metralhadora Automatizado X, versão 3 (REMAX 3),

desenvolvido pelo Centro de Tecnologia do Exército e a empresa ARES Aeroespacial e Defesa S.A.

O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso VIII do art. 5º, do Regulamento do Estado-Maior do Exército (R-173), aprovado pela

Portaria do Comandante do Exército nº 514, de 29 de junho de 2010, e em conformidade com o item 9) do art. 6º das IG 20-11, aprovadas pela Portaria Ministerial nº 270, de 13 de junho de 1994, e com o Bloco nº 71, do art. 15, das IG 20-12, aprovadas pela Portaria Ministerial nº 271, de 13 de junho de 1994, resolve:

Art. 1º Adotar, para o Exército Brasileiro, o Sistema de Armas Reparo de Metralhadora Automatizado X, versão 3 (REMAX 3), desenvolvido pelo Centro de Tecnologia do Exército e a empresa ARES Aeroespacial e Defesa S.A.

Parágrafo único. A referida adoção é decorrente da decisão tomada na 1ª Reunião Extraordinária do Conselho Superior de Transformação (CONSUT), encerrada em 3 de fevereiro de 2016.

Art. 2º Determinar ao Departamento de Ciência e Tecnologia, ao Comando Logístico, ao Comando de Operações Terrestres e às Áreas de Doutrina, Instrução e Logística do Estado-Maior do Exército, que tomem as providências decorrentes da adoção do material em questão, previstas nas IG 20-12.

Art. 3º Determinar que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

De acordo com a fabricante, o REMAX possibilitará uma nova dimensão à Força Terrestre Brasileira e Defesa Nacional, potencializando o poder de combate e garantindo segurança da tropa embarcada que realiza a operação no interior da viatura.

O REMAX é uma estação de armas remotamente controlada giro-estabilizada controlada remotamente para metralhadoras 12,7 mm e 7,62 mm que foi desenvolvida a partir dos requisitos do Exército Brasileiro por meio de parceria da ARES com o CTEx (Centro Tecnológico do Exército). Trata-se de um projeto ambicioso iniciado em 2006 com a promessa de desenvolvimento da primeira estação de armas 100% nacional.

Ivan Plavetz