PerúSAT-1, desenvolvimento para o País Andino a partir do espaço.

0
1347
Palestrantes peruanos e convidados juntos ao mayor general FAP David Caballero León, chefe da CONIDA.
  • Em 11 de junho de 1974, foi criada a Comissão Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Aeroespacial (CONIDA). Esta agência é responsável pelas atividades espaciais do país e é a sede da Agência Espacial do Peru, desde 2007. Uma das funções da CONIDA é a operação do satélite de observação terrestre PeruSat-1, em órbita desde 2016.
  • A reportagem de Tecnologia & Defesa acompanhou dois dias de atividades do 2º Workshop Internacional PeruSAT-1atendendo ao convite da Airbus Defence & Space.
Todas as fotos deste artigo, com exceção dessa (CONIDA) são de autoria de Roberto Caiafa.

O Centro Nacional de Operações de Imagens Satelitais (CNOIS), localizado na Base Científica Punta Lobos (Pucusana), a pouco mais de 60 km de Lima, capital do Peru, recebeu o 2º Workshop Internacional PeruSAT-1 entre os dias quatro e seis de dezembro.

Maquete do CNOIS, em Pucusana.
Maquete do CNOIS, em Pucusana.
Recepção dos participantes do Workshop no CNOIS, em Pucusana.
Recepção dos participantes do Workshop no CNOIS, em Pucusana.

Ferramenta tecnológica importante, capaz de alcançar uma resolução de 70 centímetros nas imagens geradas, o satélite vem revolucionando a gestão governamental peruana, e isso a partir do espaço. Esse é o impacto do trabalho realizado pelo satélite de observação terrestre PeruSat-1.

Lançado em 15 de setembro de 2016, o PerúSAT-1 é o satélite mais avançado da região.
Governo peruano declara que “o investimento no satélite foi recuperado depois de apenas dois anos em operação” PerúSAT-1 forneceu cerca de 71 mil imagens para mais de 80 organizações.

Lançado ao espaço em setembro de 2016, desde então o sensor serve a uma ampla comunidade de usuários governamentais, civis e militares, entregando o desenvolvimento de aplicações em tempo útil para o benefício da informação do País e do Governo do Peru.

2º Workshop International Perusat-1

O 2º Workshop International Perusat-1 contou com a participação, dentre outras instituições nacionais, do Instituto Nacional de Defensa Civil (INDECI), da Fuerza Aérea del Perú (FAP), do Instituto Geofísico del Perú, do Instituto Catastral de Lima, do Instituto Geográfico Nacional, da Universidad Nacional Mayor de San Marcos, da Superintendencia de Bienes Nacionales, do Instituto Geológico, Minero y Metalúrgico, do Organismo de Formalización de la Propiedad Informal (COFOPRI), do Centro de Investigaciones Sísmicas y Mitigación de Desastres, do Centro Nacional de Estimación, Prevención y Reducción del Riesgo de Desastres, da Dirección de Hidrografía y Navegación, e da Agencia Espacial del Perú (CONIDA), principal organizadora do evento.

Time line do PeruSAT-1 da concepção/contrato até a entrega/operação.
Painel mostra a importância do PeruSAT-1 na Defesa Nacional.
O Centro Nacional de Operações de Imagens Satelitais (CNOIS) e a antena de controle do PeruSAt-1, que faz parte da Base Científica Punta Lobos (Pucusana), a pouco mais de 60 km de Lima, capital do Peru.
Sala de Controle da órbita do PeruSAT-1 (órbita polar) é apresentada por um oficial operador. Aqui se acompanha tudo que o satélite está a fazer no espaço, a cada volta da terra que ele executa (14 por dia).
Antena do PeruSAt-1 no CNOIS: capacidade de receber imagens produzidas pelo PeruSAT-1 e enviar comandos de operação e manobra do satélite são garantidos por esse valioso equipamento.

Dentre as delegações estrangeiras, apresentaram-se o Centre National d’Études Spatiales (CNES) e o Direction générale de l’armement (DGA), ambos da França, o grupo global Airbus Defence & Space, fornecedor do PeruSAT-1, a Agência Espacial Brasileira (AEB), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro (CCISE), do Brasil, a Agêncial Espacial de Argentina (Investigación Aplicada ou INVAP e Comisión Nacional de Actividades Espaciales ou CONAE) e a Agência Espacial Boliviana (Agencia Boliviana Espacial ou ABE).

O mayor general FAP David Caballero León, chefe da CONIDA, o vice-ministro de Recursos da Defesa, TTG FAP (r ) Dante Arévalo Abate – representando o Ministro da Defesa – e o Embaixador da França no Peru, Antoine Grassin.
O mayor general FAP David Caballero León, chefe da CONIDA.
O 2º da esquerda para a direita é Christophe Roux, vice-presidente sênior da Airbus Defence and Space para América Latina, a seguir o Embaixador da França no Peru, Antoine Grassin, depois o vice-ministro de Recursos da Defesa, TTG FAP (r ) Dante Arévalo Abate, ao centro está o mayor general FAP David Caballero León, chefe da CONIDA, e na ponta direita, o General Henry de Roquefeuil, assessor militar do Presidente do CNES (França) e o brigadeiro-do-ar FAB José Vagner Vital, vice-presidente do Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro (CCISE – Brasil).

A revolução que veio do espaço

Na atualidade, o PerúSAT-1 é o satélite mais avançado da região.

Essa aquisição gerou inúmeros debates sobre a sua necessidade na sociedade peruana, mas hoje a orgulhosa agência espacial daquela nação pôde afirmar durante o evento que efetivamente recuperou o investimento feito na aquisição do pacote Satélite/ToT/Infraestrutura/Treinamento muito rapidamente.

A lista de tecnologias agregadas ao engenho peruano permite ao mesmo trabalhar com 70 cm de resolução submétrica.

Nos primeiros 14 meses em órbita, o PerúSAT-1 cobriu 15 milhões de km2 e produziu 71.000 imagens repassadas a dezenas de clientes. O satélite tem 10 anos de vida útil mínima estimada (acredita-se que possa chegar a 12/14 anos) e foi construído em menos de dois anos pela Airbus Defence & Space.

O Diretor Técnico do CNOIS, coronel FAP Edgar Guevara, forneceu uma visão geral do sistema satelital PeruSAT-1, na abertura do workshop.

Os serviços de observação têm uma série de funcionalidades, militares e civis. As imagens podem ser usadas no monitoramento de fronteiras, na prevenção de desastres naturais, no planejamento agrícola e na gestão de recursos hídricos, ou também podem revelar movimentações suspeitas em regiões estratégicas.

Tudo depende do perfil da agência governamental que solicita essas imagens. Atualmente, o Peru e o Chile são os países da região com os satélites mais avançados.

Para  o sistema de observação da Terra PeruSAT-1, a estrutura construída em solo (Centro Nacional de Operações de Imagens Satelitais – CNOIS) é composta basicamente pela unidade de controle, utilizada para operar o satélite (antena), e a unidade do usuário, usada para subir os pedidos e baixar as imagens feitas pelo satélite (operadores).

Essas duas unidades não funcionam separadamente e geralmente são operadas pelo mesmo fornecedor.

O evento reuniu, entre convidados estrangeiros e participantes nacionais, delegações do Brasil, Argentina, Bolívia, França, Colômbia, Uruguai e Paraguai.

No caso do PeruSAT-1, esse fornecedor é a Airbus Defence & Space. A contratação de um pacote de serviços completo evitou a ocorrência de problemas na gestão do satélite, principal motivo pelo qual a maioria dos clientes internacionais solicitam propostas que ofereçam uma solução de ponta a ponta.

Participação Francesa

O uso dual significa que um único sistema de satélite pode executar tanto uma missão civil quanto de defesa.

Cada vez mais países escolhem sistemas de uso dual, uma vez que estes permitem a divisão dos custos de aquisição e uso, otimizando o investimento total feito pelo governo.

Na França não poderia ser diferente, e instituições governamentais espaciais daquele País estiveram presentes em grande número durante os três dias de evento.

A constelação Pléiades Neo – os primeiros satélites comerciais ópticos do mundo a embarcarem na Space Data Highway.

O programa francês Pléiades é um exemplo de sistema de uso dual.

Co-fundado pelo Ministério da Defesa e a Agência Espacial (CNES), um órgão civil, o sistema serve a todos os usuários franceses civis e de defesa e também é operado pela Airbus Defence & Space para servir o mercado internacional, inclusive para atender usuários comerciais.

Pascale Ultré-Guérard, diretora-adjunta de Programação Internacional e Qualidade no CNES, falando sobre enfoque em cooperação internacional e dualidade de programas espaciais franceses juntamente com….
…o General Henry de Roquefeuil, assessor militar do Presidente do CNES (França).

Além do sistema Pléiades, a CNES e a Airbus Defence & Space possuem muita experiência no desenvolvimento de sistemas de uso dual – ópticos ou radar (mais de 25 anos de experiência). Por questões de segurança nacional, o nível de autonomia e prioridade dedicado aos usuários finais do segmento de defesa pode ser adaptado para atender aos pré-requisitos específicos de cada cliente.

O programa peruano tornou-se referência em diferentes aspectos, por exemplo, a escolha por um sistema de resolução verdadeiramente submétrica (70cm) revelou-se a melhor opção para atender ao maior número possível de finalidades de imagens e usuários, tanto do segmento de segurança nacional quanto civil.

Sophie JALLADE (Customer services for Earth Navigation and sciences da Airbus Defence & Space), apresentou os sucessos do PeruSAT-1 em 2018 e falou sobre a constante optimização dos recursos fornecidos pelo satélite e as lições aprendidas pelo operador peruano nos dois anos de emprego do PeruSAT-1.

Outro ingrediente essencial para o sucesso do programa foi o acesso direto à frota completa de satélites ópticos e de radar da Airbus Defence & Space desde o primeiro dia do contrato, provendo treinamento e qualificação on the job trainning.

Isso permitiu que usuários peruanos treinados para fazer uso das imagens coletadas pudessem desenvolver seus próprios aplicativos, prontos para serem usados quando o PeruSAT-1 foi lançado em órbita no final de 2016.

Conjuntamente com o acesso aos satélites, a empresa também entregou um abrangente programa de transferência de tecnologia com o intuito de desenvolver a capacidade peruana, para que o país pudesse operar seu satélite e utilizar as imagens obtidas de maneira autônoma.

O engenheiro Josian Fabrega, da divisão Desenvolvimento e Vendas da Airbus para América Latina falou sobre as diferenças, vantagens e desvantagens entre sistemas de observação da terra ópticos e radar, detalhando a descrição e capacidades de casa sistema, seus inconvenientes, vantagens e diferenças e a experiência Airbus Defence & Space nos dois tipos de satélites de observação da terra.

O programa PeruSAT-1 foi muito bem-sucedido em vários quesitos.

Desenvolveu-se um novo produto, a plataforma AstroBus-S, em menos de dois anos, um recorde mundial, já que satélites dessa categoria geralmente demoram mais de quatro anos para serem entregues.

A Airbus Defence & Space introduziu novas abordagens e maneiras de trabalhar. A equipe do projeto fez um trabalho multidisciplinar em paralelo, inclusive transferindo tecnologia para a equipe do cliente simultaneamente, de maneira conjunta.

Todas as demandas foram atendidas e todos os prazos foram cumpridos. O PeruSAT-1 está funcionando perfeitamente, o cliente está usando-o de maneira completamente autônoma e o número de usuários das imagens produzidas pelo PeruSAT-1 vem aumentando exponencialmente.

A Agência Espacial Peruana (CONIDA) concluiu que o investimento total feito foi recuperado em menos de dois anos de utilização do sistema.

Nota do Autor: a participação brasileira no 2º Workshop Internacional PeruSAT-1 “Lições Aprendidas” será objeto de artigo em separado, devido a abrangência de temas apresentados.