Os Linces do EB mostram suas “Garras”.

0
41384
T&D revela um dos blindados Lince K2, vendidos pelo Exército Italiano (EI), para o Exército Brasileiro (EB) utilizar na Intervenção Federal do Rio de Janeiro.

Paulo Bastos

Os 16 veículos IVECO M65E LMV comprados de segunda mão pelo Exército Brasileiro são do mesmo modelo adotado pelo Exército Italiano (EI) conforme seus requisitos, com o nome de Veicolo Tattico Leggero Multiruolo (VTLM) LINCE, com o pacote de modernização do programa K2.

Trata-se de um blindado multitarefa 4×4 com uma ampla gama de proteção a seus ocupantes contra minas, artefatos explosivos improvisados (IEDs) e armas leves, que será adotado pelo EB em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), em auxilio as forças de segurança pública do Rio de Janeiro.

Esse blindado é similar aos carros do programa VBMT-LR (Veículo Blindado MultiTarefa, Leve de Rodas), vencido pelo IVECO LMV-BR, e que integraram as suas unidades Mecanizadas em breve.

Um dos exemplares que virão para o Brasil, em primeira mão através de Tecnologia & Defesa.

A previsão de inicio de entrega dos veículos desse programa já foi adiada várias vezes, por falta de liberação de recursos do Governo Federal, sendo que a atual é no próximo ano.

Para poder executar as tarefas designadas pelo Gabinete de intervenção Federal no Estado do Rio de Janeiro, o EB adquiriu esses veículos italianos, usados, em caráter emergencial, que serão utilizados nas operações de “pacificação” nas comunidades do Rio, mais peças de reposição, treinamento, manuais e assistência técnica, junto ao Governo da Itália.

A compra foi efetuada por intermédio do Acordo de Cooperação em Defesa entre o Brasil e aquele país, pela quantia de € 3.878.912,72 (três milhões, oitocentos e setenta e oito mil, novecentos e doze euros, e setenta e dois centavos), mas não adquiriu o ferramental completo para sua manutenção, que poderá gerar problemas até a entrega dos veículos LMV-BR, que usam o mesmo ferramental.

Os 16 veículos selecionados foram enviados a IVECO para uma revisão e esta previsto de serem enviados ao Brasil em pequenos lotes, sendo que o primeiro embarque deve ocorrer nos próximos dias, entrando em operação imediatamente a sua chegada, pelo 15º Regimento de Cavalaria Mecanizada (15º RC Mec).

Atualmente encontra-se em Roma, Itália, realizando o Curso de Operação de Viatura Blindada LINCE K2 (Atv PCENA V18/196), os seguintes militares:

  • _ 1º Ten Cav Luiz Gustavo Duarte Carmo, do 15º RC Mec;
  • _ 3º Sgt Cav Igor Assumpção Viterbo, do 15º RC Mec;
  • _ 3º Sgt Cav Allan Silva Santos Nascimento, do 15º RC Mec;
  • _ 3º Sgt Cav Luiz Gustavo Chelles de Albuquerque, do 15º RC Mec;
  • _ 3º Sgt Cav Higor Uchôa de Brito de Souza, do 15º RC Mec; e
  • _ 3º Sgt MB Daniel Machado de Machado, do Centro de Instrução de Blindados (CIBld).

O tenente-coronel de infantaria Alexandre Rodrigues de Sousa, da Comissão do Exército Brasileiro em Washington (CEBW), foi designado como coordenador das atividades inerentes ao transporte dos veículos blindados.

O Programa K2

Durante a Eurosatory de 2016, a IVECO apresentou o novo LMV 2, com um novo motor de 220cv, que aumentou a capacidade de carga útil em 40%, e diversos melhoramentos, como novo sistema de filtragem de ar, duas engrenagens adicionais para o condução fora de estrada, novo sistema de suspensão, melhorada eletrônica.

A proteção contra explosivos improvisados ou IED foi melhorada com a adição de uma terceira dobradiça de porta e o uso de novos materiais.

A compra dos 16 Lince, feita sem licitação, está inserida dentro dos R$ 550 milhões em recursos disponibilizados pelo Governo para que o Interventor Federal, general Braga Netto, possa colocar em prática seu plano de reequipar as Forças de Segurança Fluminenses emergencialmente com novas armas, viaturas, coletes e uniformes, munições e equipamentos de perícia, dentre outros.

A versão LINCE K2, disponibilizada para o EB, é resultado de um programa de modernização das versões do LINCE 1 e 1A do EI, para utilizar alguns dos melhoramentos da versão LMV 2, elevando principalmente suas capacidades operacionais de proteção, incluindo uma torreta para arma de proteção com giro elétrico.