Opinião: O “velho” FAL ainda em ação

0
5019
FAL_2
Exemplares do FAL em uso policial no Rio de Janeiro são também vistos com lunetas acopladas. A colocação e uso adequado de tal acessório aumenta consideravelmente a precisão do tiro, detalhe essencial nas sempre arriscadas operações em áreas densamente povoadas. (Imagem: Robert Draiks)

Adotado oficialmente pelo Exército Brasileiro em 1964 como Fz 7,62 M964 (coronha sintética fixa) e Fz 7,62 M964A1 (coronha metálica rebatível), o FAL (Fuzil Automático Leve) foi criado pela empresa belga Fabrique Nationale, e, desde o início da década de 1950, já estava entrando em serviço com as forças armadas de diversas nações. A Marinha do Brasil o usou no período 1978-1996. Sua produção em nosso país ficou a cargo da Fábrica de Itajubá, atualmente parte da IMBEL – Indústria de Material Bélico do Brasil.

FAL_3
O chamado Para-FAL ou M964A1 (esquerda), com coronha metálica rebatível, é visto numa operação da PMERJ ao lado de um M964 de coronha fixa, ambos os fuzis com canos de 533mm. Observar que o operador da segunda arma está utilizando um não muito comum carregador de 30 tiros, modelo reto, disponível no mercado comercial. (Imagem: Robert Draiks)

Embora a fabricação, propriamente dita, tenha terminado, desde 2008 exemplares do EB estão sofrendo um processo gradual de upgade (troca para cano mais curto, de 440mm; colocação de coronha tubular rebatível de polímero; atualização da caixa da culatra e armação; etc.), o que significa que os resultante Fz 7,62 M964A1 MD1 ainda estarão em uso militar por mais anos ainda.

FAL_4
Armas individuais podem receber acessórios, como o trilho Picattini (para lunetas ou miras holográficas) no alto da caixa da culatra e a empunhadura vertical de apoio vistos neste Para-FAL. (Imagem: Robert Draiks)

Deve ser ressaltado que o “velho” FAL, com inegáveis e comprovadas qualidades, é uma arma que, no Brasil, acumula enorme experiência em… combate real! No Rio de Janeiro, por exemplo, é regularmente empregado pelas forças policiais, em especial, pela PMERJ, que utiliza tanto a versão de coronha fixa como a de coronha rebatível.

Ronaldo Olive