Operação Rio Verde: Foguete VSB-30 é lançado no CLA

0
1476

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), base localizada no Maranhão, realizou na última semana o lançamento do quarto foguete suborbital VSB-30. O veículo levou a bordo a carga útil MICROG2, contendo oito experimentos científicos e tecnológicos, atendendo à primeira chamada do 4º Anúncio de Oportunidades do Programa Microgravidade da Agência Espacial Brasileira (AEB).

O lançamento faz parte da Operação Rio Verde, iniciada no último dia 20 de novembro no CLA. A campanha, coordenada pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), teve por objetivo principal realizar o lançamento do veículo VSB-30 V11 e rastrear a carga útil MICROG2 com posterior resgate em alto mar. O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Parnamirim (RN), atuou como estação remota de rastreio.

O veículo foi lançado às 11horas e 10 minutos, pelo horário local, com duração total de voo de 11min e 04seg. A carga útil com experimentos de instituições de ensino e pesquisa nacionais foi recuperada no litoral maranhense por helicópteros H-60 Black Hawk da FAB.

Foguete suborbital VSB-30 (Imagem AEB)
Foguete suborbital VSB-30 (Imagem: AEB)

“Pode-se afirmar que vários objetivos da Operação Rio Verde foram plenamente atingidos. Entretanto, o veículo não proporcionou aos experimentos os esperados seis minutos de voo em ambiente de microgravidade. A recuperação da carga útil no mar foi bem sucedida e, analisando os dados recebidos por telemedidas, poderemos avaliar o desempenho do veículo, que deverá constar do relatório final da operação, a ser elaborado nos próximos 30 dias”, explicou o coronel Avandelino Santana Junior, coordenador geral da Operação Rio Verde.

Durante o voo, os experimentos embarcados transmitiram dados via telemetria que possibilitarão aos pesquisadores responsáveis aprimorarem estudos como controle térmico de equipamentos eletrônicos tanto no espaço como em terra, utilização de sensores para determinação de atitude de sistemas espaciais, acompanhamento das mudanças de fase de amostras distintas de materiais no espaço, desenvolvimento de um GPS de aplicação espacial capaz de determinar a latitude, longitude e altitude da carga-útil durante todas as fases do voo de um foguete, qualificação de sistema de segurança que impede a ignição não programada de veículos espaciais e desenvolvimento de um sequenciador de eventos pirotécnicos e comutação de energia.

Resgate

Os Esquadrões Harpia (7º/8º GAv), Netuno (3º/7º GAv) e Aeroterrestre de Salvamento (EAS) participaram do resgate da carga útil do foguete lançado pelo CLA. Os esquadrões tiveram o apoio do 1º/1º Grupo de Comunicações e Controle (1º/1º GCC) da FAB. A carga pesava cerca de 500 Kg e caiu a cerca de 30 Km da costa do CLA.

O tenente Diogo Surigue Uzeda Ferreira estava no helicóptero que transportou os militares do EAS até o local e foi o responsável por localizar a carga. “O ambiente de recuperação da carga útil é o mar aberto onde as referências são escassas e a visualização de um objeto se torna extremamente difícil. A preparação envolveu mais de dez dias de planejamento, treinamentos diários, padronizações e testes com simulacro da carga útil”, explicou.

Quatro militares do EAS desceram por meio de guincho para amarrar a carga que depois foi içada por outro helicóptero. O voo com as duas aeronaves H-60L Black Hawk e um P-95 Bandeirulha durou cerca de 02 horas e 30 minutos.

 

Ivan Plavetz