O dia que mudou o mundo: O Teste Trinity e a Era Nuclear.

0
1541
Segundos após a explosão, uma enorme onda de choque e calor se espalhou pelo deserto. Ninguém podia ver a radiação gerada pela explosão, mas todos sabiam que estava lá.

Projeto Manhattan, Los Álamos, Novo México, 1945.

Até que a bomba atômica (“the gadget” ou “o artefato”) pudesse ser testada, a dúvida permaneceria sobre sua eficácia entre cientistas e militares.

O mundo nunca havia visto uma explosão nuclear antes, e as estimativas em relação à quantidade de energia que seria liberada eram as mais variadas.

Alguns cientistas em Los Álamos continuaram reservadamente a duvidar se funcionaria. Havia urânio disponível o suficiente para uma bomba, e a confiança no design do tipo de arma era alta.

Em 14 de julho de 1945, a maior parte da bomba de urânio (Litlle Boy) começou sua viagem para o oeste até o Pacífico com seu design e sistema de funcionamento totalmente testado.

Um teste da bomba de plutônio parecia vital, tanto para confirmar seu novo projeto de implosão (detonação/ignição) quanto para reunir dados sobre explosões nucleares em geral. Várias ogivas nucleares de plutônio estavam agora “a caminho” e ficariam disponíveis nas próximas semanas e meses. Por isso, decidiu-se testar uma delas.

Era o início da Corrida Nuclear.

Map of the Trinity Test Site.

Robert Oppenheimer, o diretor do Projeto Manhattan, escolheu nomear o teste como “Trinity”, um nome inspirado nos poemas de John Donne.

O local escolhido foi um canto remoto na Área de Bombardeio de Alamagordo, conhecido como “Jornada del Muerto”, ou “Viagem da Morte”, a 210 milhas ao sul de Los Alamos, Novo México.

A instrumentação instalada em torno do local foi testada com uma explosão de grande quantidade de explosivos convencionais em sete de maio.

As preparações continuaram durante maio e junho e foram concluídas no início de julho de 1945.

J. Robert Oppenheimer and General Leslie Groves at the Trinity site, September 1945.

Três bunkers de observação localizados a 10 mil metros ao norte, oeste e sul da torre de tiro no ponto zero tentariam medir os principais aspectos da detonação nuclear.

Especificamente, os cientistas tentariam determinar a simetria da detonação e a quantidade de energia liberada.

Medidas adicionais seriam tomadas para determinar as estimativas de dano, e o equipamento registraria o comportamento da bola de fogo (fireball).

A maior preocupação era o controle da radioatividade que o dispositivo de teste liberaria.

Não totalmente contente em confiar em condições meteorológicas favoráveis ​​para transportar a radioatividade para a atmosfera superior, o Exército (US Army) ficou pronto para evacuar as pessoas residentes nas áreas vizinhas.

Gadget’s core arrives at the Trinity site.

Em 12 de julho, o núcleo de plutônio foi levado para a área de teste em um sedã do exército. Os componentes não nucleares foram transportados para o local do teste às 12:01pm, sexta-feira 13.

Durante esse dia tido como azarado, a montagem final do “Gadget” (“artefato”, como foi apelidado) ocorreu na casa da fazenda McDonald.

Às 17:00pm no dia 15, o dispositivo foi montado e içado no topo da torre de tiro de 30 metros. Leslie Groves, Vannevar Bush, James Conant, Ernest Lawrence, Thomas Farrell, James Chadwick e outros chegaram à área de testes, onde chovia fortemente.

Groves e Oppenheimer, em pé no bunker de controle S-10.000, discutiam o que fazer se o tempo não melhorasse a tempo para o teste programado às 4am.

“O Artefato” é içado para 30 metros de altura, no marco zero da explosão. Tudo foi vaporizado pela explosão.

Para quebrar a tensão, Fermi começou a oferecer a qualquer pessoa que estivesse ouvindo uma aposta sobre “se a bomba inflamaria ou não a atmosfera e, em caso afirmativo, se ela destruiria ou não destruiria o mundo”.

O próprio Oppenheimer havia apostado dez dólares contra o pagamento integral de George Kistiakowsky, que a bomba não funcionaria de maneira alguma. Enquanto isso, Edward Teller estava deixando todo mundo nervoso, aplicando quantidades generosas de protetor solar na escuridão antes do amanhecer e oferecendo-se para passá-lo nos presentes.

Às 3:30, Groves e Oppenheimer remanejaram o horário da detonação para as 5:30am. Às 4:00am, a chuva parou. Kistiakowsky e sua equipe armaram o dispositivo pouco depois das 5:00am e recuaram para o bunker de controle S-10,000.

Bunker de controle S-10,000.

De acordo com a política de cada um observar a explosão de diferentes locais (precaução para não perder todos os cientistas em caso de acidente), Groves deixou Oppenheimer e se juntou a Bush e Conant no acampamento base.

Aqueles protegidos nos três abrigos ouviram a contagem regressiva pelo serviço de auto-falantes, enquanto os observadores no acampamento base o captaram em um sinal de rádio FM.

“The Gadget” ou “O Dispositivo”, pronto para ser testado.

Durante os segundos finais, a maioria dos observadores deitou-se no chão com os pés voltados para o local da Trinity e simplesmente esperou. Quando a contagem regressiva se aproximava de um minuto, Isidore Rabi disse ao homem ao seu lado, Kenneth Griesen: “Você não está nervoso?” “Não” foi a resposta de Griesen.

Como Groves mais tarde escreveu: “Enquanto estava deitado nos segundos finais, pensei apenas no que faria se a contagem regressiva chegasse a zero e nada acontecesse”. Conant disse que nunca soube que segundos poderiam ser tão longos. Quando a contagem regressiva chegou a 10 segundos, Griesen de repente deixou escapar para seu vizinho Rabi: “Agora estou com medo”. Três, dois, um e Sam Allison gritou: “Agora!”

Precisamente às 5h30 de segunda-feira, 16 de julho de 1945 começou a Era Nuclear.

Enquanto os membros do pessoal do Manhattan Project observavam ansiosamente, o dispositivo explodiu sobre o deserto do Novo México, vaporizando a torre e transformando o asfalto ao redor da base da torre em areia verde.

Segundos após a explosão, uma enorme onda de choque e calor se espalhou pelo deserto. Ninguém podia ver a radiação gerada pela explosão, mas todos sabiam que estava lá.

O contêiner de aço “Jumbo”, que pesava mais de 200 toneladas e foi transportado para o deserto apenas para ser alvo do teste, foi derrubado, apesar de estar a meia-milha do marco zero.

À medida que a bola de fogo laranja e amarela se espalhava, uma segunda coluna, mais estreita que a primeira, subiu e se transformou em cogumelo, proporcionando assim à era atômica uma imagem visual que se tornou impressa na consciência humana como um símbolo de poder e destruição impressionante.

As reações imediatas mais comuns à explosão foram surpresa, alegria e alívio. Lawrence estava saindo de seu carro quando, em suas palavras, tudo passou “das trevas para a brilhante luz do sol em um instante”; ele ficou “momentaneamente atordoado com a surpresa”.

Hans Bethe, que estava olhando diretamente para a explosão, ficou completamente cego por quase meio minuto. Norris Bradbury relatou que “a bomba atômica não se encaixava em nenhum preconceito de alguém”. A onda de choque derrubou Kistiakowsky (que estava a mais de oito quilômetros de distância) no chão. Ele rapidamente ficou de pé e deu um tapinha nas costas de Oppenheimer, dizendo: “Oppie, você me deve dez dólares”.

O físico Victor Weisskopf relatou que “nosso primeiro sentimento foi de exultação”. A palavra que Isidor Rabi usava era “jubilante”. Em poucos minutos, Rabi estava passando uma garrafa de uísque. No acampamento base, Bush, Conant e Groves apertaram-se as mãos.

Quando se encontraram, Groves disse a Oppenheimer: “Estou orgulhoso de você”. O assistente de Groves, Thomas Farrell, comentou com seu chefe que “a guerra acabou”, a que Groves respondeu: “Sim, depois de lançarmos duas bombas no Japão”.

Leslie Groves and J. Robert Oppenheimer

Provavelmente a resposta mais mundana de todas foi a de Fermi: ele calculou antecipadamente até que ponto a onda de choque poderia deslocar pequenos pedaços de papel nele liberados.

Cerca de 40 segundos após a explosão, Fermi ficou de pé, polvilhou seus pedaços de papel pré-preparados no vento atômico e estimou, a partir de sua deflexão, que o teste havia liberado energia equivalente a 10.000 toneladas de TNT.

O resultado real como foi finalmente calculado – 21.000 toneladas (21 kilotons) – foi mais do que o dobro do que Fermi havia estimado com este experimento e quatro vezes mais do que havia sido previsto pela maioria em Los Álamos.

Kenneth Bainbridge

Logo o choque e a euforia deram lugar a reflexões mais sóbrias. Rabi relatou que, após a euforia inicial, um calafrio logo se instalou nos presentes. O diretor de testes, Kenneth Bainbridge, chamou a explosão de uma “exibição suja e impressionante” e comentou com Oppenheimer: “Agora somos todos filhos da puta”.

Expressões de horror e remorso são especialmente comuns nos escritos posteriores daqueles que estavam presentes. Oppenheimer escreveu que a experiência chamou à sua mente a lenda de Prometeu, punida por Zeus por dar fogo ao homem, e disse também que ele pensava fugazmente na esperança vã de Alfred Nobel de que a dinamite acabaria com as guerras.

Mais notavelmente, Oppenheimer mais tarde lembrou que a explosão o lembrava de uma linha do texto sagrado hindu, o Bhagavad-Gita: “Agora eu me tornei a Morte, o destruidor de mundos“. O aterrorizante poder destrutivo das armas atômicas e os usos a que se destinam deviam assombrar muitos dos cientistas do Projeto Manhattan pelo resto de suas vidas.

Fat Man sendo preparada para instalação no B-29 Bock’s Car. Alvo: Nagasaki.

O sucesso do teste Trinity fez com que ambos os tipos de bombas – o projeto de urânio, não testado mas considerado confiável, e o projeto de plutônio, que havia sido testado com sucesso – agora estivessem disponíveis na guerra contra o Japão.

Little Boy, a bomba de urânio, foi lançada sobre Hiroshima em seis de agosto, enquanto a arma de plutônio, Fat Man, seguiu três dias depois caindo em Nagasaki em 9 de agosto.

George Harrison and Leslie Groves with James Conant and Vannevar Bush, White House, August 9, 1945

Em poucos dias, o Japão rendeu-se incondicionalmente.