O Brasil no PAS 2015

0
1656

01_index_abertura_estande_Cluster_Aeroespacial

O 51º Salon International de L’aéronautique et de L’espace Paris-Le Bourget (Paris Air Show 2015) contou com a participação da brasileira Embraer com o novo projeto de aviões comerciais, E-Jets E2, além do setor de Defesa & Segurança e os jatos de transporte e turboélices treinadores militares avançados.

Em um estande especialmente construído para a ocasião, a empresa exibiu um mock-up bem realista da seção de cabine da nova geração de aviões comerciais, da qual foi anunciada uma encomenda firme de 25 aviões da Aircastle Limited, no valor de US$ 1,5 bilhões*, (com direitos de compra para mais 25 aviões). Os E-Jets E2 já alcançaram, até o momento, 267 pedidos firmes e 373 opções de compra, e os primeiros sub-conjuntos já começaram a ser fabricados.

05_mockup_EJE2_Embraer

O turboélice de treinamento e ataque Super Tucano anotou seis exemplares vendidos para o Mali e cinco para Gana, ambos países africanos, e a Embraer Defesa & Segurança também promoveu o jato de transporte militar tático KC-390, cujo protótipo efetuou voo inaugural em fevereiro. Como um importante fornecedor da EDS diretamente envolvido no programa KC-390, a Rockwell Collins do Brasil também esteve presente em Le Bourget promovendo produtos de comunicações e aviônica.

Cluster Aeroespacial e de Defesa

Dando prosseguimento à estratégia de inserção do Brasil no cenário mundial, o Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista (CECOMPI), em associação com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), apoiou a presença de empresas nacionais em Le Bourget. Segundo Carlos Fernando Rondina Mateus (supervisor do Cluster Aeroespacial e de Defesa do CECOMPI) “Um aspecto estratégico da competitividade no setor Aeroespacial e de Defesa é a maturidade empresarial relacionada com o potencial de exportação das empresas que formam a cadeia de suprimentos desse setor, que é muito específico e dependente de alta tecnologia. Através do APL Aero e Defesa, o CECOMPI atuou no Paris Air Show em parceria com o Parque Tecnológico – São José dos Campos visando estreitar relações comerciais e conhecer novos parceiros e fornecedores, diminuindo assim, por exemplo, a dependência com relação a encomendas colocadas pela Embraer, uma das gigantes do setor”.

E o executivo complementa “Essa busca por novos mercados é natural, a própria Embraer possui vários fornecedores internacionais em seus distintos programas, uma característica da globalizada indústria aeroespacial mundial”.

Presenças

04_Cmte_FAB_Rossato_visita_CECOMPI

A lista de empresas brasileiras presentes em Le Bourget contou com a AAG Aerospace, Aerospace Brazil, Aeross, AGS Aerohoses, AirMod, Akaer, Alltec, Ambra Solutions, Avionics Services, BCA, Esra, Metinjo, Novaer, Omnisys, Recominte, Seco\Warwick, Studio Marcelo Teixeira, Thyssenkrupp Brasil, Troya e Troya Tech. Seguindo a tendência de internacionalização da força produtiva, o CECOMPI, como braço executor das políticas da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São José dos Campos, firmou durante a feira um termo de cooperação com o Cluster Aeroespacial do México (Baja Califórnia), e na articulação política, recebeu membros da Frente Parlamentar Mista da Defesa Nacional, liderados pela assessora do ministro da Defesa, deputada Perpétua Almeida, e pela presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, deputada Jô Moraes.

Também digna de nota a visita de comitiva da Força Aérea Brasileira, que contou com a presença de seu comandante, brigadeiro-do-ar Nivaldo Rossato, e do major-brigadeiro-do-ar Paulo João Cury, comandante da Universidade da Força Aérea (UNIFA). A próxima feira internacional com a presença do CECOMPI será a 10ª edição da International Aerospace Supply Fair (AIRTEC 2015), em novembro, na cidade de Munique, Alemanha.

Roberto Caiafa
Texto e Imagens