Iveco “Lince” para o EB é oficial! Negociação com Governo Italiano publicado em BE (Vídeo).

0
25577
A compra dos 16 Lince, feita sem licitação, está inserida dentro dos R$ 550 milhões em recursos disponibilizados pelo Governo para que o Interventor Federal, general Braga Netto, possa colocar em prática seu plano de reequipar as Forças de Segurança Fluminenses emergencialmente com novas armas, viaturas, coletes e uniformes, munições e equipamentos de perícia, dentre outros. 

Como noticiado por Tecnologia & Defesa em primeira mão, está confirmada abertura de negociações entre os Governos do Brasil e  Itália para a aquisição pelo primeiro de 16 exemplares do Iveco “Lince”.

Segundo o Boletim do Exército Nº 32/2018:

DESIGNAR os militares a seguir nomeados, para participarem das negociações com o Ministério da Defesa da República da Itália, para a aquisição de Vtr Bld 4X4 “LINCE” (Atv PVANA WI2-C304), na cidade de Roma, na República Italiana, no período de 4 a 12 de agosto de 2018, incluindo os deslocamentos: general-de-brigada SIDNEI PRADO, Diretor de Material; coronel QMB HERMESON NOBREGA BARROS DE OLIVEIRA, da DMat; capitão QEM BRUNO RAFAEL DE BRITTO COSTA, da DMat; capitão Sv Int JOÃO GUTEMBERG LEMOS SOARES, do COLOG; e sub-tenente Mat Bel JOSÉ RICARDO GARZEL DE ARRUDA, do Pq R Mnt / 5ª RM.

O Iveco LMV na configuração definida pelo Exército Brasileiro, sendo guiado na pista de testes da Iveco pelo especialista em blindados de T&D, Paulo Bastos.

Íntegra do Documento

PORTARIA Nº 1.172, DE 27 DE JULHO DE 2018.

Designação para viagem de serviço ao exterior.

O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 4º da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, combinado com o art. 1º do Decreto nº 8.798, de 4 de julho de 2016, e considerando o disposto no art. 20, inciso VI, alínea “i”, da Estrutura Regimental do Comando do Exército, aprovada pelo Decreto nº 5.751, de 12 de maio de 2006, e o que prescreve a Portaria nº 545-MD, de 7 de março de 2014, resolve:

DESIGNAR os militares a seguir nomeados, para participarem das negociações com o Ministério da Defesa da República da Itália, para a aquisição de Vtr Bld 4X4 “LINCE” (Atv PVANA WI2-C304), na cidade de Roma, na República Italiana, no período de 4 a 12 de agosto de 2018, incluindo os deslocamentos: general-de-brigada SIDNEI PRADO, Diretor de Material; coronel QMB HERMESON NOBREGA BARROS DE OLIVEIRA, da DMat; capitão QEM BRUNO RAFAEL DE BRITTO COSTA, da DMat; capitão Sv Int JOÃO GUTEMBERG LEMOS SOARES, do COLOG; e sub-tenente Mat Bel JOSÉ RICARDO GARZEL DE ARRUDA, do Pq R Mnt / 5ª RM.

Para fim de aplicação da Lei nº 5.809, de 10 de outubro de 1972, regulamentada pelo Decreto nº 71.733, de 18 de janeiro de 1973, a missão está enquadrada como eventual, militar, sem mudança de sede, sem dependentes e será realizada com ônus total para o Exército Brasileiro/COLOG/Dmat.

Análise do Especialista: Paulo Bastos

É importante salientar o respeito que Revista Tecnologia & Defesa tem com suas fontes e seus leitores.

Recebemos as informações sobre as negociações dos IVECO Lince com o Governo Italiano na segunda semana de julho e só publicamos mais de 20 dias depois.

Primeiro para não atrapalhar as negociações, que ainda estavam no inicio, e segundo para termos tempo de checar todas as fontes e obter sua confirmação, mesmo que de forma não oficial.

ONDE DEVEM FICAR OS IVECO LINCE?

Caso essas negociação se confirme, é bem provável que esses veículos fiquem no Estado do Rio de Janeiro, enviados diretamente ao Batalhão Central de Manutenção e Suprimento (BCMS) e depois alocados ao 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado – 15º R C Mec (Es), localizado na Vila Militar do Rio de Janeiro.

O ‘Regimento General Pitaluga’ é uma das unidades que participam diretamente da Intervenção Federal no Rio de Janeiro.

É importante salientar que a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, a SeSeg, deve requerer parte desses veículos para equipar as policias do Estado, haja vista a enorme carência desse tipo de veículo, principalmente devido aos contínuos enfrentamentos, que causam uma acelerada fadiga ao equipamento, e também a carência de manutenção adequada, causada principalmente pelos constantes cortes do orçamento de segurança do Estado do Rio de Janeiro.

Um exemplo claro é a manutenção dos Paramount Maverick, adquiridos depois de uma complicada concorrência internacional em 2011, por R$ 6.650.000,00 (Contrato para oito veículos com 60 meses de manutenção de fabricante) e entregues em julho de 2014.

Após o vencimento da garantia, o contrato de manutenção foi suspenso pelo Governo do Estado no final de 2016, o que deixou a frota sem condições operacionais, tanto que dois exemplares do CORE (Policia Civil) foram recuperados pelo Exército Brasileiro em março desse ano.

POR QUE DA ESCOLHA DO LINCE

Muito se questiona a compra de veículos usados, pois em teoria existem projetos semelhantes no Brasil, como o Avibras Guara, Inbra Gladiador, o carro da ARES, etc.

Devido a urgência, não há tempo hábil para que esses programas deixem de ser apenas protótipos (alguns nem ainda funcionais) e possam ser testados, homologados e entregues no tempo necessário.

Além disso a escolha pelo LMV Lince tem outros pontos interessantes.

Uma versão modificada, o LMV-BR, foi declarada vencedora do Programa VBMT-LR (Viatura Blindada Multitarefa, Leve de Rodas), que faz parte do Projeto Estratégico Guarani, que prevê a aquisição de um total de 186 veículos blindados leves polivalentes em três lotes:

O primeiro com 32 exemplares importados; o segundo com 77 unidades obtidas através de kits completos “Knock-Down” para montagem local, na fábrica da IVECO, em Sete Lagoas (MG); o terceiro, com a mesma quantidade do lote anterior, seriam produzidos em série no Brasil com um alto índice de nacionalização (claro que essa comprar ainda depende da liberação orçamentária)

Essa aquisição de viaturas usadas para a intervenção no Rio permitiria ao EB refinar seus processos de experimentação doutrinária em gestação, antes mesmo desse carro chegar ao programa PEE Guarani.

Tanto que a provável escolha do 15º RCMec permite não só a experimentação e aperfeiçoamento dessa doutrina, quanto a criação de uma específica para aplicação GLO onde o Lice/LMV se insere.

Outra coisa, o EB tem estudos para a aquisição de mais viaturas blindadas 4×4, dentro do Programa Guarani, e o Centro de Instrução de Blindados (CIBld) já esta desenvolvendo Cadernos doutrinários para versões Porta Morteiro (81 e 120mm), Guerra Química (DQBN), Rádio, PC, Ambulância, Sistema de Armas Remotamente Controladas (SARC) e Anti Carro (Míssil), sendo que a IVECO já oferece todas essas versões, constituindo-se numa uma alternativa mais barata ao Guarani 6×6 para compor determinados requisitos operacionais básicos (ROBs).

Paulo Roberto Bastos & Roberto Caiafa