Indra e o novo satélite Sentinel-2B

0
2670
Imagem 1 Indra-Sentinel-2B
(Imagem: ESA)

A Indra será responsável por armazenar em seu Centro Principal de Dados de San Fernando de Henares (Madri) as imagens do satélite ótico de observação da Terra, o Sentinel-2B, cuja inserção em órbita está prevista para 2016.

A Agência Espacial Europeia (ESA) assinou com a Indra em 2013 o primeiro contrato para a implantação de um dos Centros de Processamento e Arquivo de Dados (PAC) do segmento terrestre da missão do satélite Sentinel-2A. Agora, a ESA amplia o contrato para agregar a gestão de dados do satélite gêmeo Sentinel-2B.

A partir do lançamento do Sentinel-2A em junho deste ano, o PAC entrou em operação e começou a receber as primeiras imagens. Uma superfície de 5.000 metros quadrados garante ao centro os níveis de segurança adequados com um volume constante de serviço equivalentes às características especificadas para as instalações TIER III, um dos níveis de segurança mais altos pela redundância de seus componentes. Está previsto que seus sistemas arquivem um petabyte (1000 terabytes) de dados por ano, quando o Sentinel-2B entrar em operação.

Conforme a companhia, a ampliação deste contrato reconhece o trabalho realizado pela Indra para desenvolver o centro no prazo combinado e cumprindo com as especificações e requisitos fixados pela ESA. A companhia participou da fase de verificação a partir do lançamento do primeiro satélite, reportando à equipe de operações da ESA que tanto o arquivo de dados como todos os serviços de infraestrutura, redes e comunicações respondessem corretamente.

O trabalho desenvolvido pela Indra na gestão do PAC do Sentinel-2 permite proteger os produtos do satélite a longo prazo, oferecendo aos usuários o acesso a séries temporais de medidas óticas que cobrirão todo o tempo de vida da missão.

Imagem 2 Indra-Sentinel-2B
Os satélites Sentinel-2 possuem câmeras de alta-resolução com campo de visão de 290 Km de largura. (Imagem: ESA)

Esta informação será especialmente útil no âmbito da agricultura e gestão do meio ambiente, com aplicações tais como a vigilância de cultivos, estimativa de secas, vigilância de inundações e o acompanhamento de processos de desmatamento. Também servirá na vigilância de erupções vulcânicas, planejamento urbanístico e prevenção de desastres naturais, entre outras opções.

Os satélites Sentinel-2 tem como propósito adquirir de forma sistemática imagens óticas da superfície da Terra com uma resolução de até 10 metros. Quando ambos os satélites estiverem em funcionamento, a missão Sentinel-2 terá capacidade de obter uma completa cobertura da superfície terrestre a cada cinco dias (10 dias quando somente um satélite estiver em funcionamento).

O instrumento multiespectral instalado a bordo do satélite tem capacidade para capturar medidas de radiações da camada superior da atmosfera em 13 bandas espectrais, desde o visível e o infravermelho próximo até o infravermelho de micro-ondas.

Sentinel-2 é uma das missões que fazem parte do programa Copérnicus que lidera a Comissão Europeia na colaboração com a ESA e tem como objetivo respaldar uma gestão eficiente do meio ambiente e responder aos objetivos do monitoramento da mudança climática global.

Ivan Plavetz