IDF REVELA O FUTURO DO VEÍCULO DE COMBATE ARMADO: O CARMEL

0
1818
O Carmelo (a sigla em hebraico para Advanced Ground Combat Vehicle) está em desenvolvimento pela Administração do Ministério da Defesa para o Desenvolvimento de Armas e Infraestrutura Tecnológica (MAFAT) através do Merkava Tank Administration, e constituirá um salto quântico no campo de veículos blindados.
  • Ainda em desenvolvimento, muitos países estão expressando interesse pelo AFV autônomo.

Como parte dos contínuos esforços da IDF para manter uma vantagem militar qualitativa sobre seus inimigos, o Ministério da Defesa apresentou recentemente três novos protótipos para o avançado veículo blindado de combate Carmel (AFV), que oficiais dizem revolucionar o campo de batalha.

O Carmelo (a sigla em hebraico para Advanced Ground Combat Vehicle) está em desenvolvimento pela Administração do Ministério da Defesa para o Desenvolvimento de Armas e Infraestrutura Tecnológica (MAFAT) através do Merkava Tank Administration, e constituirá um salto quântico no campo de veículos blindados.

“Concluímos um longo processo hoje, no qual, juntamente com o Corpo de Blindados e as Forças Terrestres, caracterizamos nossas necessidades operacionais no futuro campo de batalha”, disse o Brigadeiro-General Guy Hasson, oficial chefe do Corpo de Blindados.

Lançado há três anos como um plano plurianual, o Carmel está na vanguarda do novo conceito militar de combate, baseado em capacidades de manobras autônomas e automáticas, inteligência artificial, propulsão híbrida e muito mais.

Projetado para desempenhar um papel de liderança no futuro campo de batalha, o veículo de combate utiliza recursos de inteligência artificial que permitem uma consciência situacional completa e respostas rápidas às ameaças do inimigo, reduzindo drasticamente a carga de trabalho da equipe.

Com inúmeros sensores e câmeras, o Carmel permite que a equipe ordene ações autônomas, como a busca simultânea de vários alvos inimigos e a priorização dos alvos e da direção off-road.

Tirando as lições da Operação Protective Edge de 2014, onde os soldados IDF lutaram em ruas estreitas e becos na Faixa de Gaza, o AFV de 35 toneladas foi projetado para ser simples de operar, relativamente barato, ágil e letal, apresenta poder de fogo para combate próximo e urbano.

Operado por uma tripulação de dois homens, é quase completamente autônomo e altamente invisível ao radar inimigo. A plataforma possui tecnologias inovadoras, incluindo blindagem transparente modular, proteção ativa cooperativa de última geração, um sistema de alerta e neutralização de IED e um motor híbrido.

Ele também é equipado com drones táticos que podem ajudar com vigilância e reconhecimento, bem como capacidades de ataque. O Carmel também incluirá uma geração totalmente nova de proteção ativa e permitirá que a tripulação de dois homens opere em portais fechados enquanto ainda assiste a todo o campo de batalha.

Mas o Carmelo não é um tanque que não é muito manobrável em ambientes urbanos, disse Hasson.

“É algo totalmente diferente de um tanque: é uma plataforma totalmente nova”, disse ele a repórteres em uma demonstração ao vivo no norte de Israel. “Embora a natureza da guerra não mude, o soldado no solo enfrentará uma grande incerteza e terá que mudar”, disse Hasson.

Enquanto o MAFAT espera que os testes de desenvolvimento e demonstração do Carmelo se estendam na próxima década ou mais, os protótipos de plataforma mostrados aos repórteres incluem um de Rafael, um da IAI e um da Elbit – as três maiores empresas de defesa de Israel.

Meir Shabtai, gerente geral de robótica e sistemas autônomos da IAI, disse que o Carmel é “a próxima geração de veículos de combate” manobrando sozinho e e engajando alvos a longas distâncias.

“A quantidade de informação que um humano pode entender é limitada, então a plataforma fornece ao operador apenas o que ele precisa”, disse ele, explicando que o veículo pode tomar a decisão de disparar contra alvos e “permitir que o operador lide com o que ele precisa se concentrar. ”

Segundo o Ministério da Defesa, cada empresa foi convidada a desenvolver sua plataforma a partir de um conceito baseado em tecnologia que transformaria plataformas existentes e futuras em um veículo avançado com um cockpit – muito parecido com o de um caça – onde a maioria das atividades é realizada autonomamente (deslocamentos, detecção de ameaças, aquisição de alvos, bem como manobras defensivas e ofensivas).

O protótipo desenvolvido pela Elbit Systems usa o IronVision Helmet Mounted Display, que é baseado na tecnologia desenvolvida para o jato F-35. Com três grandes telas ao redor do soldado, o uso do capacete permite que ele veja o lado de fora do veículo e opere o AFV sob portais fechados, aumentando ainda mais a capacidade de sobrevivência da tripulação.

A Rafael, enquanto isso, também demonstrou um veículo com uma porta fechada e um design panorâmico revolucionário, dando à tripulação uma consciência situacional de 360 ​​graus e um instantâneo verdadeiro e atualizado do que está acontecendo fora do campo de batalha. Além da grande tela panorâmica, a tripulação opera uma touchscreen pessoal com capacidade de conexão, dividindo o trabalho de planejamento de missão autônomo, condução e operação simultânea de todos os sistemas de armas de veículos, todos baseados em inteligência artificial de combate e capazes de detectar e neutralizar um grande número de alvos simultaneamente.

A IAI apresentou uma plataforma que combina uma tela panorâmica, telas de controle individuais e um controle semelhante ao joystick do console de jogos do Xbox. As capacidades autônomas do veículo de combate da IAI são operadas por um sistema central e autônomo que integra os vários componentes da plataforma e ajuda o operador humano no processamento de informações e no foco em ameaças críticas para tomar decisões efetivas.

“Estamos nos preparando para uma percepção revolucionária das manobras terrestres”, disse o brigadeiro-general. Yaniv Rotem, chefe de pesquisa e desenvolvimento do MAFAT, acrescentando que muitos exércitos em todo o mundo, incluindo o Exército dos EUA, estão interessados ​​na plataforma e estão acompanhando as demonstrações ao longo dos próximos meses.