HMS Ocean: Uma carreira de prestígio na Royal Navy.

0
2307
Um porta-helicóptero dedicado e um navio de assalto anfíbio, o HMS Ocean foi projetado para projetar poder do mar para terra.

À medida que o HMS Ocean vai sendo preparado para desmobilização em Portsmouth, após realizar seu último tour operacional (e antevendo sua entrega a Marinha do Brasil), a Royal Navy (Real Marinha Britânica) publicou um artigo nas suas mídias sociais enumerando os principais feitos durante a prestigiosa carreira do navio.

O HMS Ocean serviu a Royal Navy por 20 anos, mas brevemente deverá ser substituído como FlagShip pelo novo porta-aviões HMS Queen Elizabeth, atualmente realizando provas de mar antes da aceitação para serviço no setor operativo da RN.

Um porta-helicóptero dedicado e um navio de assalto anfíbio, o HMS Ocean foi projetado para projetar poder do mar para terra, e durante seu período de serviço, quando enviado para atuar no Iraque e na Líbia, teve participação ativa nos combates através de suas alas aéreas embarcadas.

Um breve resumo da vida operacional do HMS Ocean na Royal Navy:

1995 – O HMS Ocean foi lançado em 11 de outubro e posteriormente foi batizado em Barrow por Her Majesty the Queen em 1998.

1999 – O navio foi enviado ao Mediterrâneo preventivamente para possível envolvimento no conflito do Kosovo (Balcãs).

2000 – Apoiando a Operação Palliser em Serra Leoa, o HMS Ocean ajudou na supressão da atividade rebelde.

2003 – Iraque. O Ocean foi destacado para a Operação Telic, a contribuição do Reino Unido para a Guerra do Iraque de 2003, pelo qual foi condecorado com a honra da batalha “Al Faw 2003“. O L12 partiu de Plymouth no dia 16 de janeiro daquele ano, transportando 300 Royal Marines e 400 tripulantes aéreos.

O Ocean atuou como plataforma flutuante para receber até 22 helicópteros, e cerca de 200 militares da área de saúde da Royal Navy trataram a bordo das vítimas de ambos os lados do conflito.

2010 – Os cidadãos britânicos retidos na Europa continental pela erupção de um vulcão islandês foram transportados pelo Canal, de volta ao Reino Unido, pelo HMS Ocean.

2011 – Líbia – O HMS Ocean é enviado para ajudar as operações da OTAN no que se refere ao conflito da Líbia.

Esta foi a primeira vez que os helicópteros Boeing Apache foram enviados à ação embarcados em um navio da Royal Navy.

As equipes Apache do 656 Squadron Army Air Corps realizaram missões efetivas dentro da Líbia, atingindo veículos militares, instalações e equipamentos de comunicação.

O Ocean passou quatro meses operando da Líbia, contabilizando no total 87 dias no mar, em situação real de combate, durante aquela campanha.

2012 – Atracado em Greenwich, forneceu apoio logístico, acomodação e um local para pouso de helicópteros militares durante os Jogos Olímpicos de Londres.

2015 – O HMS Ocean tornou-se o “Royal Navy Fleet Flagship”, assumindo a função que foi passada pelo HMS Bulwark.

2016 – O HMS Ocean assumiu o comando do esforço marítimo lançado contra o Daesh (Estado Islâmico),e atuou na crise humanitário dos refugiados no Mar Mediterrâneo.

Ficha Técnica HMS Ocean:

Peso: 22 000 toneladas, velocidade máxima: 18 nós, comprimento: 203 metros por 35 metros, tripulação: 285-1.300 homens e mulheres, carga: 18 aeronaves do Rotary Wing (Ala de Asas Rotativas) – incluindo helicópteros Sea King, Lynx, Wildcat, Merlin, Chinook e Apache.

Ficha Técnica HMS Queen Elizabeth:

Peso: 65 000 toneladas, velocidade máxima: 25 nós, comprimento: 280 metros por 70 metros (espaço suficiente para três campos de futebol), tripulação: 700 -1.600 homens e mulheres. Ala Aérea Embarcada: 40 aeronaves, sendo até 36 caças de 5ª geração F-35 JSF e 4 helicópteros de médio/grande porte configurados com capacidades multi-missões anti-submarino, anti-superfície, busca e resgate (SAR), COD e suporte logístico.