Governo de Portugal investe no KC-390

0
2125
(Imagem: Embraer Defesa & Segurança)

O governo português autorizou a realização de uma despesa de até € 20,8 milhões no âmbito da participação de Portugal no programa de desenvolvimento e produção do avião militar de transporte KC-390, correspondente aos anos de 2016 e 2017.

O envolvimento do governo português no desenvolvimento do avião da Embraer Defesa & Segurança (EDS) já tinha sido acordado, agora com valor fixado da despesa a realizar nos próximos dois anos. Vários dos componentes do KC-390 são fabricados na unidade que a empresa brasileira mantém em Évora.

Na resolução do Conselho de Ministros que autoriza o repasse do montante, o governo de Lisboa destaca que o interesse de Portugal em participar no programa de desenvolvimento e produção da aeronave de transporte KC -390 corresponde ao fator de desenvolvimento da base tecnológica e industrial nacional para o setor aeronáutico e, nessa medida, assumir o papel de vetor mobilizador da dinamização do cluster aeronáutico nacional.

No mês de setembro do ano passado, ainda durante o governo anterior, o Conselho de Ministros já tinha autorizado um aumento de  € 8,3 milhões na despesa da participação no projeto do KC-390, o que elevou o aporte financeiro da participação portuguesa em quatro anos para € 38,3 milhões.

Na resolução publicada na última sexta-feira (17) no Diário da República, o governo de Portugal salienta que só havia autorização para realizar despesa no âmbito deste projeto até o final de 2015.

Portugal assinou carta de intenção para compra de seis KC-390 (Imagem: Embraer Defesa & Segurança)

Considerando a importância estratégica deste programa, os compromissos já assumidos e, tendo em vista a conclusão da participação portuguesa no desenvolvimento e produção da mencionada aeronave, o Orçamento do Estado para 2016 inclui uma dotação no orçamento do Ministério da Economia destinada ao projeto KC-390.

De acordo com o diário português Jornal de Negócios, ao longo deste ano a despesa com o projeto não pode exceder € 16,7 milhões, e em 2017 não pode superar € 4,14 milhões.

Ivan Plavetz
Fonte: Jornal de Negócios (Portugal)