FAB conclui o segundo Curso de Defesa Antiaérea

0
1981
Treinamento de operação do míssil Igla S.
Imagem 2 3ºGDAAE-CursoDA
O curso envolveu instrução em simulador e em ambiente real. (Imagem: 3º GDAAE)

O Terceiro Grupo de Defesa Antiaérea (3º GDAAE), sediado na Base Aérea de Anápolis (BAAN), em Goiás, encerrou na última sexta-feira (25) o Segundo Curso de Defesa Antiaérea da Força Aérea Brasileira. Durante duas semanas, os alunos tiveram oportunidade de por em prática, no simulador KONUS e em ambiente real, instruções recebidas na parte inicial do curso.

“O objetivo foi qualificar os militares para que eles possam realizar todos os procedimentos no disparo do míssil superfície-ar IGLA-S e também possam operar no planejamento e realização de missões de defesa antiaérea”, ressaltou o oficial de Operações do 3º GDAAE, capitão Júlio Cesar.

O curso é ministrado pelo Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE) e tem duração total de oito semanas. Nesse período, são abordados todos os subsistemas de uma defesa antiaérea no nível tático-operacional, além de ser apresentada uma visão geral da estrutura de funcionamento de um GDAAE, suas atividades administrativas e operacionais.

A cerimônia de encerramento contou com a presença do comandante de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), major brigadeiro-do-ar Antonio Carlos Egito do Amaral.

O tenente de infantaria Thamis da Silva Salles destacou o papel da Infantaria de Aeronáutica utilizando o lema da arma. “Defender da terra o domínio do ar, representa não só a filosofia da defesa Antiaérea, mas também de todos aqueles que carregam sobre os ombros os fuzis cruzados sobre o gládio alado”, afirmou.

Esse tipo de curso serve também para capacitar militares que poderão atuar futuramente na defesa antiaérea de pontos estratégicos durante grandes eventos, como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos que acontecerão no Rio de Janeiro em 2016.

Histórico

Imagem 3 3ºGDAAE-CursoDA
Entrega de prêmios aos primeiros colocados do curso. (Imagem: 3ºGDAAE)

O Curso de Defesa Antiaérea surgiu de um esforço conjunto do GITE e do Núcleo da Brigada de Defesa Antiaérea (NuBDAAE). A primeira edição ocorreu no ano passado e a parte prática foi realizada no 1º Grupo de Defesa Antiaérea (1º GDAAE), sediado em Canoas (RS). Antes de sua concepção, a formação operacional era realizada pela Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea (EsACosAAe), unidade de ensino do Exército Brasileiro.

Ivan Plavetz