Exército abrirá propostas finais do VBMT-LR até o fim do mês

0
4601
Imagem 1 VBMT-LR
(Imagem: Avibras/Iveco)

O Exército Brasileiro (EB), através do Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT), irá até o final de dezembro abrir as propostas das duas empresas finalistas do programa VBMT-LR (Viatura Blindada Multitarefa – Leve de Rodas), cujo propósito é selecionar um modelo de veículo blindado leve, de tração 4×4, com características multifuncionais, para cumprir um variado leque de missões.

Cumprindo as solicitações do Exército correspondente à fase final da concorrência, a Iveco Latin America e a Avibras Aeroespacial, que foram declaradas finalistas em julho último, apresentaram suas propostas em setembro. Procurado por Tecnologia & Defesa, o EB, sem especificar datas para encerramento da competição, informou que o anúncio do vencedor do processo será realizado em ato contínuo a análise das propostas e será divulgado a todos os participantes.

Imagem 2 VBMT-LR
Veículo Blindado Leve Tupi da Avibras. (Imagem: Avibras)

Na fase classificatória, correspondente à Requisição de Propostas (RFP, conforme sigla em inglês) da concorrência, gerenciada pela Diretoria de Material do Exército Brasileiro e que foi encerrada no dia 23 de janeiro deste ano, foram avaliados os veículos LMV M65E19WM, da IVECO, Tupi (versão brasileira do Sherpa Light Scout), do consórcio AVIBRAS/Renault Trucks Defense, RG32M LTAV, da BAE Land Systems OMC, e o MLTV-BR do consócio AM General / Plasan. Os quatro modelos cumpriram campanhas de demonstração em território brasileiro no ano passado, tendo sido avaliados no Centro de Avaliação do Exército (CAEx), na Barra de Guaratiba (RJ).

Imagem 3 VBMT-LR
Veículo Multifuncional Leve (LMV) da Iveco Latin America. (Imagem: Iveco)

O programa faz parte do Projeto Estratégico GUARANI, que tem por objetivo transformar as Organizações Militares de Infantaria Motorizada em Mecanizada e modernizar as organizações militares de Cavalaria e visa à aquisição de 186 veículos, em três lotes, com nacionalização progressiva.

Ivan Plavetz