Exercício Binacional Brasil – Argentina de cooperação em caso de desastre.

0
843
A próxima reunião de planejamento entre os dois países ocorrerá em fevereiro de 2019, em Buenos Aires, Argentina, com duração de cinco dias, onde serão discutidos o Exercício na carta (utilizando rede de computadores) e no terreno (ação de tropas no local) e a data da realização para ambos.

Autoridades militares brasileiras e argentinas encerrarama 2ª Reunião de Planejamento do Exercício Binacional Brasil – Argentina de cooperação em caso de desastre, realizada na sede do Ministério da Defesa.

Na ocasião, o coronel Lucilo Bernabé López Meyer, diretor militar de Assistência e Emergência do Ministério da Defesa Argentino, agradeceu a recepção e a parceria com as Forças Armadas Brasileiras.

Emocionado, o coronel relembrou o episódio do desaparecimento do submarino argentino ARA San Juan, em 15 de novembro do ano passado. “Eu tinha amigos que estavam naquela embarcação. Sou grato pela participação do Brasil nas buscas”, recordou.

Foto: Alexandre Manfrim/MD
Foto: Alexandre Manfrim/MD

O capitão de Mar e Guerra, Walter Marinho de Carvalho Sobrinho, chefe da Seção de Operações Complementares do MD, reforçou a importância de se manter a integração entre as nações vizinhas. “Precisamos sempre estreitar laços. Vemos todos como países irmãos e estaremos juntos nos momentos de alegria e de dor. Esta reunião é mais um pouco do que podemos fazer daqui para frente e estamos satisfeitos com os resultados”, afirmou.

Novas datas e novos eventos

A próxima reunião de planejamento entre os dois países ocorrerá em fevereiro de 2019, em Buenos Aires, Argentina, com duração de cinco dias, onde serão discutidos o Exercício na carta (utilizando rede de computadores) e no terreno (ação de tropas no local) e a data da realização para ambos.

Foto: Keven Cobalchini/MD
Foto: Keven Cobalchini/MD

Durante os dias de reunião, as autoridades definiram possíveis eventos, capacidades e organizações, e meios de emprego para o Exercício como um todo. A comitiva argentina, atendendo a um pedido da Marinha do Brasil, acordou que o Exercício no terreno seja realizado entre abril e junho de 2019, devido à navegabilidade das embarcações no período da cheia do Rio Paraná, o segundo maior rio sul-americano.

A Argentina propôs que sejam simuladas situações de enchentes e epidemias. Entre as propostas de eventos simulados para o Exercício e ação das Forças dos dois países estão as cheias e inundações, a instalação e operação de um Centro de Saúde de Campanha, a evacuação e suprimento aéreo para áreas isoladas, e a busca e resgate de pessoas em rio e em terra.

Para a realização do Exercício no terreno, em 2019, serão levantadas as possibilidades de militares argentinos operarem em aeronaves brasileiras e definidos quais os países amigos a participarão do Exercício como observadores.

Foto: Keven Cobalchini/MD
Foto: Keven Cobalchini/MD

Visita ao CENAD

Como parte da reunião de planejamento entre os países, as autoridades argentinas conheceram, em Brasília (DF), as instalações do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD). O meteorologista Tiago Molina Schnorr, chefe da Divisão de Monitoramento apresentou o Centro, que faz parte da Secretaria Nacional De Proteção e Defesa Civil. Ambos são coordenados pelo Ministério da Integração Nacional (MI).

No encerramento da reunião e despedidas da comitiva argentina, o subchefe de Operações do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), almirante Newton de Almeida Costa Neto, agradeceu a presença dos oficiais argentinos e desejou sucesso nos planejamentos futuros, que reforçarão os laços de amizade entre os dois país.

Foto: Alexandre Manfrim/MD
Foto: Alexandre Manfrim/MD

A Reunião de Planejamento contou, ainda, com a participação de integrantes do Ministério de Defesa argentino: tenente-coronel Carlos Ramón Alejandro Romero; da Seção de Operações Complementares do MD: coronel aviador Juraci Muniz, coronel Paulo Sérgio Ribeiro; do Comando de Operações Navais, da Marinha do Brasil: capitão de Fragata Otávio Miguel de Mattos Barbosa e Silva; do Comando de Operações Terrestres, do Exército Brasileiro: coronel Carlos Alberto Lopes Cora; da Força Aérea Brasileira: tenente-coronel Silvestre Luiz Almeida Cerqueira; e o adido de Defesa e Naval da Argentina no Brasil, capitão de Mar e Guerra Juan Carlos Core.

Por Mariana Areias

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério de Defesa