Defesa Antiaérea no Século XXI com as tecnologias Thales

0
2155
O RapidDefender montado em veículo 8x8: oito mísseis prontos para uso e radar 3D com 80 Km de alcance, tudo com alto grau de mobilidade. (Imagens: Thales/Thales Raytheon Systems)

O Grupo Thales, presente há mais de 50 anos no Brasil, é responsável por projetar, fabricar e manter mais de 70 % dos radares de vigilância e controle do espaço aéreo/tráfego existentes no País.

Traduzindo essa informação em números, são mais de 120 radares primários e secundários e cerca de 190 auxílios a navegação (Navaids como DVOR, ILS e DME) instalados e operacionais.

A Omnisys, baseada em São Bernardo do Campo, é a subsidiária da Thales no Brasil responsável por manter esse portifólio de sistemas e também pelas exportações de radares. Dez países em quatro continentes usam equipamentos operando na Banda L produzidos no interior paulista.

Com o conhecimento do tema que o grupo Thales possui, e considerando os estudos atuais para a obtenção da capacidade de Defesa Antiaérea na Média Altitude, um Programa Estratégico do Exército Brasileiro em desenvolvimento, lançamos um olhar sobre as capacidades tecnológicas do grupo francês que podem atender os requerimentos brasileiros.

Defesa Antiaérea Avançada

Quatro acrônimos dominam os sistemas Thales baseados em terra, componentes de um sistema de Defesa Antiaérea: CONTROL, (solução de coordenação de armas), GROUND (radares de vigilância aérea), RAPID (sistema integrado de armas móvel), SKYVIEW (sistema de comando e controle).

A família Thales CONTROLMaster integra as armas das baterias antiaéreas, como MANPADS (man portable air defense system) e canhões de tiro rápido a uma interface avançada de processamento das informações colhidas pelos radares, e realiza a posterior distribuição destas as posições de tiro, maximizando a performance dos armamentos e permitindo a fusão de dados para apreciação da cadeia de comando.

Thales CONTROLMaster permite maximizar missões de interceptação de jatos de ataque, helicópteros, mísseis de cruzeiro, armamento stand-off e demais ameaças contrapondo uma completa consciência situacional.

Adicionalmente, o sistema é capaz de calcular trajetórias de projéteis de artilharia, dar alerta de pontos de impacto e realizar os cálculos para o fogo de contra bateria, usando as informações de detecção dos radares integrados ao Thales CONTROLMaster.

O GROUND Master 200 montado em caminhão RTD 8×8 QT.

Os radares da família GROUND Master, talhados para missões de Defesa Aérea, são o resultado de uma parceria entre a Thales e a  Thales Raytheon Systems. Compactos, modulares e capazes de serem transportados e montados no terreno com rapidez, oferecem uma manutenção descomplicada com grande resistência a fatores climáticos.

Oferecidos em duas configurações, GROUND Master 200 e GROUND Master 400, podem detectar e rastrear alvos como morteiros e foguetes de artilharia, helicópteros, aviões, mísseis cruise, aeronaves remotamente pilotadas, etc, desde as baixas até as grandes altitudes, com grande precisão e alta taxa de disponibilidade em serviço.

Nacionalização de componentes e produção/montagem desses radares no Brasil, caso venham a ser selecionados, é uma real possibilidade, diminuindo custos no ciclo de vida do material e gerando mais valor agregado localmente.

O GROUND Master 400 montado em um container modular aerotransportável.
O míssil VT-1, parte essencial do sistema RapidDefender, é uma evolução do sistema SAM Crotale NG, sendo considerado de curto alcance para os padrões internacionais.

O RAPIDDefender é um sistema missilistico terra-ar que oferece uma avançada interface C2, integração com optrônicos e radares de vigilância/sistemas de controle de tiro, e interoperabilidade com outros sistemas mísseis.

Imune a interferências como chaff e flares, o míssil VT1 tem vida útil extendida com zero manutenção em estoque.

Com alcance de 15 km e velocidade final de Mach 3,5, o RAPIDDefender tem um tempo de reação (quick reaction) entre a detecção, engajamento e a destruição do alvo extremamente curto.

O RapidDefender pode receber um radar GROUND Master além do radar 3D de aquisição e tiro, o que o torna, na versão montada sobre um blindado 8×8, um sistema autônomo capaz de combater sozinho.

Um helicóptero detectado a 8 km pode ser abatido em dez segundos. O radar 3D com 80 km de alcance que faz parte do sistema pode ser montado em container/caminhão QT, veículos blindados sobre rodas e esteiras, etc.

 

SkyView leva as capacidades C4I a um novo patamar tecnológico. Integrando tanto armamentos e sensores atuais como material de gerações anteriores, permite o gerenciamento estratégico de amplo espectro de toda a defesa antiaérea, seja como parte de uma área específica, ou integrando diversos setores a uma central dedicada C4I local, regional ou nacional.

Com SkyView, o gerenciamento global das informações agiliza decisões estratégicas na condução da defesa contra aeronaves, mísseis e munições inteligentes (defesa aérea e antiaérea), controle de missões aéreas, controle de armas antiaéreas e defesa contra mísseis balísticos.

Com SkyView, o gerenciamento global das informações agiliza decisões estratégicas na condução da defesa contra aeronaves, mísseis e munições inteligentes (defesa aérea e antiaérea), controle de missões aéreas, controle de armas antiaéreas e defesa contra mísseis balísticos.

Todos os sensores e radares, equipamentos de comunicações e guerra eletrônica, dentre outros, transmitem informações por meio de datalink, o tráfego resultante, depois de fundido e processado, gerando um altíssimo nível de consciência situacional em tempo real no campo de batalha para os gestores da guerra.

Integrando desde os mísseis SHORAD de baixa altura e seus sensores associados, passando pelas aeronaves da Defesa Aérea, até arranjos mais pesados com mísseis SAM de média/grande altitude e seus radares de vigilância, rastreamento e controle de tiro, SkyView permite inclusive a coordenação para interceptações de mísseis balísticos usando mísseis anti-balísticos (ABM).

Uma avançada arquitetura em rede oferece capacidade NCW (network centric warfare) e a troca criptografada de dados e atualizações, conectando o escalão de comando a linha de frente em terra, no mar e no ar. SkyView é um desenvolvimento da Thales Raytheon Systems.