Contrato de venda de caças Rafale para a Índia

0
1620
(Imagem: Armée de L’Air)

Após uma longa e complexa série de negociações entre os governos, Índia e França assinarão, na próxima sexta-feira (23) em Nova Delhi, um contrato de € 7, 8 bilhões correspondente ao fornecimento de 36 aviões de combate Dassault Rafale para o país asiático.

A cerimônia contará com presença do ministro da Defesa da França, Jean Yves Le Drian, e dos CEOs da Dassault, Thales e MBDA, além de representantes dos governos de ambos os países.

As entregas serão iniciadas dentro de 36 meses e concluídas em 66 meses a partir da data da assinatura do contrato. O negócio inclui integração dos mísseis MBDA Meteor (ar-ar de longo alcance) e de cruzeiro Scalp (ar-superfície) nos Rafale destinados à Força Aérea da Índia (FAI) oferecendo capacidades inéditas ao arsenal.

Do valor total anunciado, € 3,42 bilhões correspondem às aeronaves. O valor dos armamentos será de aproximadamente € 710 milhões, enquanto os custos das modificações específicas requisitadas pela FAI, incluindo a integração de capacetes israelenses HMD (Helmet Mounted Display), alcançarão cerca de € 1,7 bilhão. O restante do montante corresponderá à logística e manutenção, entre outros itens.

As tratativas relativas ao bilionário contrato incluíram também offsets (compensações comerciais e industriais) como investimento na Índia de parte do valor pago pelas aeronaves e transferência de tecnologias.

A Índia é o quarto país comprador do Rafale ao lado de França, Egito e Qatar. (Imagem: Dassault)
A Índia é o quarto país comprador do Rafale ao lado de França, Egito e Qatar. (Imagem: Dassault)

Vale lembrar que o governo indiano cancelou em agosto de 2015 o programa Medium Multi-Role Combat Aircraft (MMRCA), que previa a compra de 126 novos aviões de combate para a Força Aérea. Na ocasião, o Rafale já havia sido selecionado como vencedor da competição, entretanto, o ministro da Defesa da Índia, Manohar Parrikar, deu declarações dizendo que o programa atravessava um impasse notadamente por força da acentuada elevação de custos.

Ivan Plavetz
Fonte: Press Trust of India