Cluster Aeroespacial Brasileiro no Aerospace & Defense Supplier Summit Seattle.

0
1615
O Brazilian Aeroespace Cluster foi formado em 2009 e reúne em torno de 90 empresas da cadeia aeroespacial e de defesa.
  • Empresários participaram de reuniões e palestras para abrir canais de negócios com instituições de todo o mundo; missão se encerrou com visita à fabrica de Everett da gigante norte-americana

Dez empresas associadas ao Cluster Aeroespacial Brasileiro e membros do projeto setorial Brazilian Aerospace Cluster, desenvolvido em parceria entre o Parque Tecnológico São José dos Campos (PqTec) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), montaram estandes no Aerospace & Defense Supplier Summit Seattle, que ocorreu em Seattle (EUA) de 26 a 28 de março.

O evento foi uma grande oportunidade para empresas de toda a cadeia de produção entrar em contato com os maiores players do mercado aeroespacial por meio de reuniões, palestras e uma ferramenta online que possibilita marcar reuniões de negócios.

A Boeing, cuja sede fica em Seattle, é parceira do evento e organizou um dia de palestras com membros de alto escalão. A provável parceria com a Embraer faz com que várias empresas brasileiras vissem no evento uma grande oportunidade de criar ou intensificar o relacionamento com a gigante norte-americana. “A participação é importante para que as empresas possam realizar novos contatos, acessar novas oportunidades, tendências de mercado, e mostrar seus produtos e serviços para o mercado internacional. Com as negociações entre Boeing e Embraer acontecendo, é importante que as fornecedoras brasileiras estejam presentes”, explicou Thalita Cancas, relações internacionais do PqTec.

A Thyssen Aerospace é uma das participantes e acompanha de perto as negociações, uma vez que a filial norte-americana já fornece alumínio para a Boeing. “Com a perspectiva de parceria com a Embraer, acredito ser um bom momento de divulgar nosso trabalho aqui do Brasil e mostrar que podemos auxiliá-los. Queremos estar preparados caso a parceria ocorra”, disse Fábio Cruz, gerente comecial da Thyssen Aerospace.

A Akaer, que já esteve na edição de 2016 do evento, retornou desta vez em busca de novos clientes, parceiros e fornecedores. “Existe um esforço muito grande na Europa e nos EUA para o aumento de produção, então o mercado global está aquecido enquanto o brasileiro não responde tão bem. Por isso, a internacionalização dos negócios é nosso foco e esse evento é crucial”, afirmou Aldo da Silva Junior, diretor comercial da empresa.

Para o executivo, parcerias como a estabelecida entre o Parque Tecnológico e a Apex com as empresas são essenciais para que a indústria brasileira esteja presente nos eventos internacionais. “A Akaer não tem como manter um stand em todos os eventos que deve ir. O custo de levar pessoal já é alto, então ter suporte e infraestrutura é a diferença entre participar ou não”, diz.

As relações com empresas de outros países são cruciais para os negócios brasileiros. “Entendo que, mais do que a própria Boeing, a possibilidade de reunir-se com as já fornecedoras oficiais da empresa americana seja um caminho rápido para parcerias e negócios, já que o Brasil pode se tornar ainda mais relevante para o mercado global aeroespacial”, diz Marcelo Nunes, coordenador do Cluster Brasileiro.

Outras empresas brasileiras presentes foram a TS4i, Itakar, H8 ALS indústria Aeronautica, e Delphos Aerospace, AGS Cargo, Winnstal, Digicon e Lace Engenharia.

Sobre o projeto
O Brazilian Aeroespace Cluster foi formado em 2009 e reúne em torno de 90 empresas da cadeia aeroespacial e de defesa. Ao todo, são mais de 5.000 postos de trabalho e faturamento anual de US$ 700 milhões. As empresas, em sua maioria, atuam em engenharia, aviônicos, ferramental, logística, indústria e manufatura, defesa, espaço e segurança. O Brazilian Aeroespace Cluster é o executor do Projeto Setorial Aeroespacial intitulado “Aerospace Brazil” na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).