Brasil ainda não se decidiu pelo Pantsyr-S1

0
4054

De acordo com a agência de notícias da Rússia, TASS-Defense, o Brasil ainda não tomou qualquer decisão de adquirir o sistema de armas antiaéreas Pantsyr-S1 de fabricação local. Conforme a TASS, a informação foi divulgada pela Agência Federal de Cooperação Militar e Técnica (FSMTC conforme sigla em inglês) daquele país.

Ainda segundo a agência de notícias, o Ministério da Defesa do Brasil planejava a aquisição de 12 sistemas Pantsyr-S1 montado sobre chassi de viatura fabricada pela alemã Rheinmetall. Esse lote seria distribuído em três baterias, uma para cada Força Armada do Brasil.

A TASS afirma que o consórcio europeu MBDA está planejando o desenvolvimento do AV-MMA, sistema de defesa antiaérea de médio alcance em cooperação com a brasileira AVIBRAS Aeroespacial, e que seria uma alternativa ao Pantsyr-S1.

Rússia e Brasil discutem desde 2013 o negócio envolvendo o sistema de defesa antiaérea fabricado pela Konstruktorskoe Buro Priborostroeniya (KBP). A previsão inicial era para que as primeiras unidades fossem entregues em 2015. Alexander Fomin, diretor da Agência Federal de Cooperação Militar e Técnica, disse que a Rússia estava na ocasião pronta para entregar os Pantsyr-S1 para o Brasil, mas o contrato não foi assinado por problemas internos no Brasil.

Novo lote de mísseis IGLA ?

A TASS-Defense também informou que um lote extra de sistemas portáteis de mísseis de defesa aérea (MANPADS conforme sigla em inglês) IGLA-S poderá ser fornecido ao Brasil. O usuário adquiriu uma quantidade dessas armas considerada suficiente para sua defesa, mas o fornecimento de um lote extra ainda é viável. Conforme a TASS-Defense, o Brasil já comprou 300 mísseis e 64 lançadores do MANPADS IGLA-S divididos entre Força Aérea Brasileira (FAB) e Exército Brasileiro.

Militares do Exército Brasileiro durante demonstração com mísseis IGLA-S no Campo de Instrução de Formosa (GO) (Imagem Exército Brasileiro)
Militares do Exército Brasileiro durante demonstração com mísseis IGLA-S no Campo de Instrução de Formosa (GO) (Imagem: Exército Brasileiro)

Orientado por radiação infravermelha, o IGLA-S foi projetado para engajar alvos aéreos deslocando-se a baixa altitude e para distingui-los entre as contramedidas incluindo pirotécnicas (flare). Atualmente as Forças Armadas da Rússia estão trocando esses sistemas pelo novo MANPADS Verba (designado SA-25 pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos).

 

Ivan Plavetz
Fonte: TASS-Defense