Aumento do poder de combate das tropas da 5ª Divisão de Exército

0
3217
Com esse aumento do poder de combate, as tropas da 5ª Divisão de Exército (5ª DE) recebem um armamento mais operacional caracterizado pelo cano mais curto, adição de trilho picatinny, uma tendência mundial que possibilita a incorporação de acessórios como luneta, lanterna e mira holográfica.
  • Parque Regional de Manutenção da 5ª Região Militar (Pq R Mnt/5) modernizou 1.100 parafal para emprego das tropas de Santa Catarina em variadas situações de combate

Curitiba (PR) – A linha de produção do Parque Regional de Manutenção da 5ª Região Militar (Pq R Mnt/5) finalizou a modernização de 1.100 PARAFAL A1 para o modelo MD1 (cano curto), que foram distribuídos pelo Escalão Logístico Regional às Organizações Militares de Santa Catarina.

Com esse aumento do poder de combate, as tropas da 5ª Divisão de Exército (5ª DE) recebem um armamento mais operacional caracterizado pelo cano mais curto, adição de trilho picatinny, uma tendência mundial que possibilita a incorporação de acessórios como luneta, lanterna e mira holográfica.

“Cinco porcento dos PARAFAL são enviados para as Organizações Militares com lanterna e mira holográfica já incorporadas”, afirma o 1º Tenente Wesley Barbosa, Adjunto da Produção.

Estes diferenciais possibilitam que o militar execute o tiro com os dois olhos abertos. “Outra vantagem é que a arma é bem menor, o que possibilita maior mobilidade em combate e também facilitade em casos específicos, como embarque e desembarque de viaturas”, comenta o Sargento Walter Júnior, chefe da seção de tratamento superficial.

Fosfatização

Todas as peças do armamento são separadas de acordo com a qualidade e tamanho das mesmas. São distribuídas em cestas ou suportes e passam por três banhos, em banheiras com temperatura de 95 graus celsius.

Nestes locais são decapadas as peças restando o aço cru e feito o desengraxe do material. Posteriormente, passam pelo jateamento. Após o trabalho de fosfatização é que o equipamento será modernizado para receber as melhorias do Parafal.

Equipamento de ponta

O Pq R Mnt/5 adquiriu uma máquina de jateamento automático de esteira. Neste equipamento é possível colocar todas as peças do fuzil e com isso o tempo de jateamento que era de 30 minutos passa para cinco.

“Além do tempo que economizamos na linha de produção o novo equipamento diminui a possibilidade de retrabalho pois zera as chances de erro humano”, afirmou o Sargento Walter Júnior.

A previsão de início de utilização da máquina é no mês de Julho do corrente ano.

A rotina

Toda primeira semana do mês, o Pq R Mnt/5 recebe armamento das OM para manutenção, no caso dos FAL, ou modernização dos PARAFAL.

Em seguida, é realizada a manutenção de terceiro escalão, que engloba a desmontagem, a retirada do cano, separação da armação e da culatra.

 

A cada semana um grupo de peças é trabalhada pela equipe da produção. O armamento só é remontado na última semana do mês, quando todas as peças já foram manutenidas.

Em média, as armas dos quartéis do âmbito da 5ª RM, responsável pelos estados do Paraná e Santa Catarina, retornam para nova manutenção a cada oito anos. “É uma média pois tem quartéis que utilizam o armamento em quantidade maior que outros e isso desgasta o fuzil. Um exemplo são os quartéis de infantaria que utilizam muito mais que um Batalhão de Suprimento. O importante é que aqui no Pq R Mnt/5 a manutenção é feita dois anos antes, o que garante ainda mais a vida útil do armamento”, afirma o Sargento Walter Júnior.

Com essa meta de manutenção, o armamento está disponível para o pleno emprego, nas mais variadas situações, com uma excelente vida útil.

Na última semana do mês, o armamento passa por um teste de tiro, em um túnel de tiro de 50 metros de comprimento, nas dependências do Parque Regional de Manutenção/5.

São sete tiros por arma, sendo três intermitentes e quatro em automático.