A renovação do Mito – Rússia e a Parada da Vitória

0
2603
blindados 8x8_desfile_moscow_plinio_lins
(Imagem: Plínio Lins)

Desde Moscou, Rússia – Há setenta anos, e após a perda de 25 milhões de habitantes em seis anos de violentos combates, a Rússia, como parte da então União Soviética (CCCP-URSS), vencia o inimigo invasor nazista, primeiro expulsando-o de seus territórios e por fim avançando até a sua capital, Berlim, onde a rendição incondicional foi assinada em maio de 1945.

A Praça Vermelha, defronte ao Kremlin, palco tradicional da comemoração, tem um significado especial para o povo russo, por todo o sacrifício em vidas que ela representa. Os leitores podem conhecer aqui um pouco do que foi essa mega Parada da Vitória, nas imagens e impressões de Plínio Lins, enviado especial da revista Tecnologia & Defesa a Moscou, Rússia.

“Na parte da tarde, as ruas de Moscou foram tomadas por outro desfile, chamado de “Regimento Imortal”, muito mais emocionante. As famílias que perderam parentes próximos durante a invasão nazista saem às ruas com suas fotos, em um ato simbólico. Isso me deu uma ideia do custo em vidas humanas que a Segunda Guerra cobrou no leste europeu, sobretudo na Rússia… no mínimo uns cinco quilômetros de ruas lotadas com milhares de pessoas…”.

(Imagens: Plínio Lins)

Poderio Militar Russo

Entre outras novidades, foi apresentado em detalhes o novo Carro de Combate Principal (MBT) russo, o ARMATA. Tido como revolucionário em muitos aspectos, esse blindado atraiu olhares durante sua passagem pelas arquibancadas e palanques lotados. Representantes de várias nações compareceram ao evento e testemunharam a exibição de vasto e variado equipamento militar, em sua maioria, de desenvolvimento e fabricação local. Veículos militares diversos, armamentos como mísseis e foguetes, aeronaves voando em formação, tropas de diferentes empregos, e os veteranos de muitas guerras e suas famílias, entre tantas outras atrações, deram um brilho especial ao septuagésimo aniversário do fim da Grande Guerra Patriótica, nome que os russos dão a 2ª Guerra Mundial.

Plínio Lins, enviado especial T&D